Turma do Bolsocaro lança mais um vídeo nas redes e bomba campanha contra presidente; assista

Mobilização anônima toma as redes e as ruas destacando a alta dos preços dos alimentos; "Todo dia é dia de preço alto no Brasil. Não é caro, é bolsocaro"

A turma do “Bolsocaro” ataca novamente e vem bombando nas redes sociais com um vídeo denunciando a alta nos preços dos alimentos no Brasil e a associando diretamente com o governo de Jair Bolsonaro.

A mobilização anônima começou nas ruas no último domingo (28) com lambe-lambes espalhados em diversos pontos do país. Os cartazes se assemelham a anúncios de preço de supermercado e destacam a alta do preço de itens como arroz, carne, gás de cozinha, cesta básica e gasolina.

Nesta sexta-feira (5), o grupo de ativistas lançou um novo vídeo em que um narrador, ao estilo locutor de supermercado, anuncia as “ofertas” do Brasil de Bolsonaro.

“Todo dia é dia de preço alto no Brasil do Bolsonaro. Batata normal: de 2 reais o quilo em 2018, por 7 reais o quilo em 2021. Carne de segunda: agora 45 reais o quilo. Não é caro, é bolsocaro!”, diz o locutor em um dos trechos do vídeo, que ainda cita a redução do auxílio emergencial, os cheques depositados por Fabrício Queiroz na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro e também a mansão de R$6 milhões comprada por Flávio Bolsonaro.

“Vacina contra a Covid? Essa quase não tem”, debocha ainda a campanha.

Alguns chegaram a aventar nas redes que a mobilização estaria sendo encampada por grupos de direita liberal, mas Fórum teve contato com seus organizadores e eles são, na verdade, ligados ao setor progressista.

Assista.

Avatar de Renato Rovai

Renato Rovai

Jornalista, mestre em Comunicação pela ECA/USP e doutor pela UFABC. Mantém o Blog do Rovai. É editor da Fórum.

Você pode estar junto nesta luta.

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR