Blog do Valdemar

política e teologia

Fórumcast, o podcast da Fórum
14 de setembro de 2012, 21h25

Estado Moderno: separação entre política e religião

O surgimento do Estado Moderno consagrou a separação entre política e religião. Os imperativos religiosos desgastaram-se para ordenar a vida social. O religioso passa a ser um sentido dentre outros. Obra da razão dos indivíduos: formas de organização social. O Estado moderno foi concebido a imagem e semelhança dos seus artífices. A legitimidade da ordem social passa a ser obtida não mais pelas explicações teológicas, e sim pelo ordenamento jurídico.
Dizem alguns que na chamada Idade Média o mundo jazia em densas trevas. E disse o homem: Haja luz! E eis que foi formado o Estado Moderno. A Era das Luzes teria sido a inequívoca asseveração de que o indivíduo era dono de si e senhor do seu destino. O ocaso da tutela eclesiástica sobre a vida civil.
Na contemporaneidade, a presença do fenômeno religioso na arena política soa como realidade desconcertante. Para alguns, essa intromissão chega a atordoar as estruturas do Estado Moderno.
Na eleição presidencial nos Estados Unidos (novembro de 2012) para a escolha dos eleitores entre Barack Obama (Partido Democrata) e Mitt Romney (Partido Republicano) o fator religioso é uma variável importantíssima.
Tratando-se das eleições domésticas para prefeitos e vereadores das cidades brasileiras (outubro de 2012), para onde olharmos, constataremos que o fenômeno religioso soa como argumento usual. Nas grandes capitais ocorrem os conluios entre partidos políticos e grupos religiosos. Nas cidades pequenas, de relativa proximidade dos candidatos com o eleitorado, não é incomum a presença do político nos atos de culto. Cenas hilárias de um ecumenismo eleitoral que nos faz pensar na narrativa bíblica da Torre de Babel: erguem grandes construções para tornar seus nomes célebres. Mas, efetivamente, na feira de vaidades, ninguém se entende. Símbolos cruzados.
A presença religiosa na esfera pública seria a fase do retorno da religião para o espaço político ou tal separação jamais houve na história do Brasil? O Estado Moderno estaria com as suas estruturas abaladas diante da reverência do fenômeno político ao religioso? No Brasil contemporâneo, quando uma vez mais celebramos o ritual democrático de irmos às urnas fazer escolhas, constatamos que as manifestações sociais estão impregnadas do religioso. O retorno do religioso traz desconforto às ciências sociais?


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum