Blog do Valdemar

política e teologia

20 de outubro de 2016, 13h04

O Bispo Crivella prefeito?

Em 2017, completam-se 500 anos da Reforma Protestante e, tudo leva a crer, será o primeiro ano do Bispo Crivella à frente da prefeitura da cidade maravilhosa.

Na idade das trevas, a venda de indulgências por religiosos inescrupulosos feriu as sensibilidades de gente séria. Hoje no Brasil, a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) sofisticou o modelo de Igreja de mercado. Vende bênçãos noite e dia via satélite.

Na idade das trevas, a hierarquia eclesiástica confundia-se com poderes mundanos. O clero no alto de costas e o povão de frente, no chão, embasbacado com as ostentações de força e esplendor. A IURD é do tio do Crivella. A cúpula desse empreendimento encantaria até a comitiva da rainha de Sabá.

Na idade das trevas, a Bíblia era lida por quem podia do jeito que queria. Interpretações chinfrim para lá de suspeitas. Qualquer semelhança com o que acontece hoje no Brasil com boa parte dos pregadores eletrônicos, mera coincidência.

Na idade das trevas, a ideia de cristandade era essencialmente um projeto de poder político que pouca ou nenhuma semelhança guardava com a mensagem do evangelho. Entre nós, a Frente Parlamentar Evangélica, da qual Crivella faz parte, esnoba a benção do pai em troca do guisado quentinho. Fome de poder para adquirir novas concessões de radiodifusão e vender as suas ideias.

Na idade das trevas foi época do erguer grandes catedrais. Projetos momentosos para tocar os céus através de mãos calejadas. Oferta do vil metal e oferta da força do trabalho voluntário para a construção de templos. Pois é, no currículo, o engenheiro Crivella construiu réplicas do templo de Salomão que deixariam o filho de Davi inferiorizado. Não é pela beleza, mas pela demarcação de poder.

As similares neopentecostais podem imitar as estratégias e o discurso, mas Universal, como a Católica, somente uma.

Lutero, meu caro, deu merda!

Twitter: @ValdemarDema2


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum