Brasília, eu vi

#Fórumcast, o podcast da Fórum
13 de setembro de 2019, 06h49

Os rebentos do capitão Bolsonaro, por Leandro Fortes

Eduardo tem, como os demais irmãos, deficiências mentais e psicológicas potencializadas, certamente, por uma criação disfuncional sob a batuta de um pai desesperadamente rude, para dizer o mínimo

Eduardo, Flávio, Jair e Carlos Bolsonaro (Reprodução/ Flickr)

Caso alguém ainda tivesse alguma dúvida sobre o complexo freud(peni)iano que atormenta Eduardo Bolsonaro, a foto dele, armado, ao lado do pai recém-operado, num quarto de hospital, encerrou o assunto. Mas não é só isso.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

O 03 tem, como os demais irmãos, deficiências mentais e psicológicas potencializadas, certamente, por uma criação disfuncional sob a batuta de um pai desesperadamente rude, para dizer o mínimo. Para cada um deles, Bozo criou uma expectativa brutal de realização pessoal sem margem de escolha, todos inseridos precocemente na política sob a mesma moral religiosa, ideológica e social. O resultado é esse espetáculo grotesco, inumano, essa agonia em praça pública de três homens atormentados.

Eduardo, escrivão da Polícia Federal, tem fixação por ostentar armas, o que, por si só, não pode ser explicado apenas a partir da controvérsia lançada em público, por uma ex-namorada, sobre as dimensões de sua genitália. Não há, por óbvio, nenhuma relação entre sociopatia e pau pequeno.

Está claro que a intenção do 03 é manter-se, simbolicamente, como referência ostensiva da ideologia belicista da família e manter a tropa bolsonarista ativada em torno dessa imagem do idiota armado – como se sabe, fonte poderosa de votos, no Brasil de hoje.

No leito do hospital, Bozo não esconde a satisfação de ter o filho com uma pistola enfiada na cueca, bem ao lado. Dentro da estrutura familiar levada a cabo pelo ex-capitão, essa demonstração absurda de estupidez é, antes de tudo, uma posição ideológica, quando não uma reafirmação de gênero. Bolsonaro, como se sabe, prefere ter um filho morto a um filho gay.

O que nos leva a Carlos, o 02, este, o mais sequelado de todos, sobre quem paira uma dúvida, entre jocosa e venenosa, sobre sua verdadeira orientação sexual. Carluxo, como ficou conhecido depois uma sôfrega demonstração de afeto do primo Leo Índio, no entanto, perde pouco tempo com o assunto. Tem como especialidade usar o Twitter para mostrar ao Brasil e ao mundo que precisa, urgentemente, de tratamento psiquiátrico.

Assim como o irmão que sonha em ser embaixador nos Estados Unidos, Carluxo demonstra, além de grave dislexia, uma ignorância abissal sobre, literalmente, todos os temas que aborda. O que quer que fale ou escreva transborda ausência de escolaridade, leitura, conhecimento geral básico e senso de ridículo.

Nas sombras, desde que vieram à luz as negociatas que fazia quando era deputado estadual, no Rio de Janeiro, o senador Flávio Bolsonaro não é muito diferente dos irmãos. O 01, contudo, não pode, como os outros dois, ficar exposto ao sol com tanta frequência, sob o risco de ganhar um par de algemas, num momento de distração. Para quem, num debate eleitoral, desmaiou e foi levado para casa todo cagado, manter-se assim, discreto, é, antes de tudo, uma questão de sobrevivência.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum