Blog do Mouzar

Fórumcast, o podcast da Fórum
03 de dezembro de 2018, 16h33

Caipiras, com muito orgulho

Este livro é uma homenagem ao dialeto caipira, sua cultura, aos modos e às pessoas que o reproduzem geração após geração. Um livro que traz a marca da simplicidade e do humor de seus autores - Mouzar Benedito lança na próxima segunda-feira (10), em São Paulo, seu novo livro "Palavra de Caipira"; saiba mais

Reprodução/"Palavra de Caipira"

“Pra uns, as vacas morrem. .. Pra outros até os bois pegam a parir.”

Os caipiras usam muito os ditados para explicar as coisas. E esse é um dos ditados citados no livro “Palavra de Caipira”.

Mas o livro não se compõe só de ditados (e explicações sobre eles). Há um pequeno texto sobre o significado da palavra caipira, a origem do seu “dialeto” e muitas coisas relacionadas à sua cultura. Em alguns momentos há referências à culinária caipira (você já provou uma canjiquinha com suã?), uns causos e também um trecho dedicado aos apelidos que se tornam sobrenomes informais das pessoas.

E neste último quesito, quando um sujeito que se julga acima da cultura caipira chega a uma pequena cidade e lá as pessoas são chamadas de Zé da Venda, Tõe Barbeiro, Nego Sapateiro, Zé Pescocinho, Dito Zaroio, Zico da Vargem e outros apelidos semelhantes, julga que é um caipirismo exclusivo do interiorzão caipira.

Ledo engano. O livro mostra um pouco disso.

Peguem uns sobrenomes considerados chiques,e verão que nos seus países de origem, seja a Alemanha, a Rússia, a França, a Inglaterra ou qualquer outro (inclusive de línguas não europeias), apelidos desse tipo não só são usuais como se tornaram sobrenomes de verdade, ostentados como grife.

Exemplos?

Schimidt, em alemão é ferreiro, assim como Ferrari em italiano. Você conhece o João Gordo? Ora… Tolstói em russo, Grassi em italiano e Maluf em árabe significam isso: gordo.

E sobrenomes franceses? Vou citar só dois aqui: Porchat é chique, não? Pois significa criador de porcos. E Dubois? É “do bosque”, quer dizer, pode ser traduzido por caipira, que em tupi significa, entre outras coisas, morador do mato.

Para finalizar, cito um trecho da orelha de “Palavra de Caipira”: “Este livro é uma homenagem ao dialeto caipira, sua cultura, aos modos e às pessoas que o reproduzem geração após geração. Um livro que traz a marca da simplicidade e do humor de seus autores”.

Por falar em autores, “Palavra de caipira” foi feito a seis mãos, de três caipiras assumidos, um paulista, um mineiro e um sul mato-grossense , membros da Sosaci – Sociedade dos Observadores de Saci.

Ditão Virgílio, mora na zona rural de São Luiz do Paraitinga, é um grande conhecedor da cultura caipira, e a pratica com regularidade. Escreve cordéis caipiras, com temas relacionados à sua cultura (incluindo seu imaginário fantástico) e ao meio ambiente.

Ohi e eu temos publicado livros sobre a mitologia brasileira. Ele atua como ilustrador desde os anos 1970, tendo passado pelas mais variadas publicações. Eu tenho um pouquinho de conhecimento do tema por minhas origens (sou o quinto de dez filhos de um roceiro, o primeiro a nascer na cidade, que não era tão cidade assim: tinha dois mil habitantes) e por ter estudado Geografia e viajado um bom tanto pelo Brasil.

“Palavra de Caipira”, com 112 páginas, vai ser lançado no próximo dia 10 de dezembro (segunda-feira), a partir das 19h, no Empanadas Bar – rua Wisard, 489, Vila Madalena, São Paulo.

O Ohi e eu estaremos lá. Quem mora longe pode adquirir o livro direto com seus autores, encomendando por e-mail de um de nós dois, ou, se for passear em São Luiz, comprar direto do Ditão, com direito a ouvir um pouco de declamação dos seus cordéis.

Meu e-mail: mouzarbenedito@yahoo.com.br

Ohi: ohitine@gmail.com

O livro estará também disponível na editora Limiar –  www.editoralimiar.com.br – que por sinal tem muitos outros livros de minha autoria.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum