Cinegnose

por Wilson Ferreira

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
18 de julho de 2017, 14h12

O Brasil sob a sombra das maiorias silenciosas

Em questão de horas, de uma vez só, os direitos mínimos dos trabalhadores e seu maior líder trabalhista, Lula, foram condenados – simultaneamente, no Senado e na Vara Federal de Curitiba. Diante desse timing e precisão, jornalistas e intelectuais começam a expressar a perplexidade: cadê o povão? O Congresso não foi cercado e nem as praças ocupadas com massas sem arredar os pés. Massas manipuladas pela Globo? Índole apática do brasileiro? Por que as lutas monumentais e resistência em trincheiras até agora não ocorreram, limitando-se a algumas “batalhas de Itararé”? Talvez seja o momento de revisitar um dos textos políticos mais provocativos: “À Sombra das Maiorias Silenciosas” de Jean Baudrillard. Lá na França um gol de Rocheteau pelas eliminatórias da Copa do Mundo foi mais importante do que a extradição de um ativista político; como aqui Lula e seu pequeno exército de advogados solitários, sem o apoio das ruas, segue para a condenação em segunda instância. Para Baudrillard , não é uma questão de engano ou mistificação – há uma astúcia das massas que o Poder mais teme: não a “revolução”, mas seu silêncio e a indiferença. Um hiperconformismo no qual a política se afunda.

Diante do desenrolar tão infalível da narrativa política desde as “jornadas de junho” de 2013 e perante o tic-tac preciso como um relógio suíço das engrenagens da Guerra Híbrida e do Lawfare que chegou ao ápice de, numa taca só, enterrar a CLT e condenar o maior líder trabalhista brasileiro, só agora começam a surgir, aqui e ali, sinais da perplexidade.

“Cadê o povão?”, indaga o jornalista e diretor de Redação da Carta Capital, Mino Carta. “Fosse esse país aquele que haveria de ser, os brasileiros teriam paralisado o Brasil desde a noite do dia 11, sem arredar pé das ruas e praças até o momento”, indigna-se o jornalista.

Mais articulado pelo traquejo acadêmico, Aldo Fornazieri, professor da Escola de Sociologia e Política (FESPSP), fala em “otimismo derrotista das esquerdas”. Enquanto a reação popular, social e sindical foram “ações pouco mais que nada” e as promessas de “lutas monumentais, resistência em trincheiras” ruíram em “pálidas batalhas de Itararé”, as esquerdas sofreriam de um “êxtase otimista da esquizofrenia”: certeza da vitória e nulidade da ação, invertendo o dístico Rolland-Gramsci – “otimismo da razão e pessimismo da vontade”.

Cadê o som e a fúria das massas?

Culpa-se diretamente uma suposta índole “apática” das massas brasileiras: “república de bananas”, “oposição sem ímpeto”, “massa que continua indiferente a tudo o que ocorre na vida do país”. Ou ainda fala-se em “má formação” e “má fundação” da nação brasileira como motivos principais de um povo que assiste passivo pela TV o desmanche e roubo do Estado brasileiro e dos direitos sociais.

Nesse momento em que intelectuais e jornalistas mais à esquerda expressam decepção e veem ruir a expectativa de ver “o som e a fúria” das massas cercando o Congresso e tomando as praças de todo o País, é oportuno revisitar um provocativo texto do pensador francês Jean Baudrillard (1929-2007), À Sombra das Maiorias Silenciosas, o Fim do Social e o Surgimento das Massas de 1978 – no Brasil publicado em 1985 pela Brasiliense.

Baudrillard falava da indiferença dos franceses, grudados nas telas da TV comemorando o gol de Rocheteau que classificava a França para a Copa do Mundo, enquanto advogados corriam a noite para evitar a extradição de Klauss Croissant (advogado e ativista político alemão) da prisão de Santé. “Escandalosa indiferença”, clamava o Le Monde.

Algo parecido com a atualidade tal como descrita pelo professor Fornazieri: “Lula lutou sozinho ao lado do seu bravo e pequeno exército jurídico sem o respaldo das ruas ou mobilizações (…) Lula em sua solidão, caminhará com a sua equipe para uma condenação em segunda instância”.

Ou o lamento do líder dos Racionais MC’s, Mano Brown: “Eu vi a população virar as costas para a Dilma. Enquanto a favela faz silêncio, a mídia manipula”.

Entre a passividade e a espontaneidade selvagem

Acompanhando o raciocínio de Baudrillard, as representações imaginárias de noções como “povo” ou “massas”, das Ciências Sociais ao senso comum, flutuam em algum ponto entre a passividade e a espontaneidade selvagem. Mas sempre são vistas como um estoque potencial de energia social à espera de ser liberada – hoje silenciosos, mas amanhã protagonistas da História. 

Sempre as massas são figuradas dentro dos esquemas da produção, irradiação e de expansão. Mas elas respondem ao contrário como revelassem uma secreta astúcia: apenas absorvem e neutralizam todas as forças que se exercem sobre elas.

Para Baudrillard, o “problema” das massas não está no engano ou na mistificação – no futebol que aliena, por exemplo. A questão estaria em outra cena: na decadência da Política, do Poder, absorvidos pela astúcia das massas: o seu silêncio. Um silêncio decorrente da absorção do social (o Público, o espaço da Política etc.) pelo cotidiano, pela banalidade da vida, pela vida corrente com sua aporrinhações, contas para pagar, os filhos, a compra no mercado, o dia seguinte, a gestão da rotina da sobrevivência em que o desejável foi substituído pelo possível.

Klaus Croissant, Lula e o mesmo destino: a indiferença das massas

Baudrillard descreve como a Política, a Publicidade e o Jornalismo sempre viveram a ilusão de que as massas são receptoras, objetos de manipulações, informações, do jogo eleitoral, da ideologias, discursos ou retóricas. Nem sujeitos ou objetos: qualquer mensagem voltada a elas imerge, volteia, é absorvida, revirada e revertida.

Absorção e neutralização

Por exemplo, nas regiões periféricas de São Paulo Doria Jr. foi interpretado como alguma coisa parecida com o Lula: um cara que veio de baixo e se fez na vida – clique aqui.

Alienação? Foram manipulados? Falta de informação? Ou está aí figurada a astúcia das massas silenciosas, um ardil universal, assim como os primitivos reciclavam as moedas ocidentais em sua circulação simbólica.

Um tipo de resistência que a própria sociologia americana (a “Mass Communication Research”) descobriu com a teoria do “Two Step-Flow” na recepção às mídias: ao invés de se alinharem a uma decodificação linear, uniforme e imposta, ao contrário disso o líderes de opinião decodificam a sua maneira e transpõe (segundo nível) para subgrupos que acabam por reciclar tudo a partir dos seus subcódigos.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum