Cinegnose

por Wilson Ferreira

Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
01 de setembro de 2017, 20h55

Publicidade brasileira convocada para educar as massas no “Brave New World”

Sempre criticamos a Publicidade por esconder suas secretas pretensões sob camadas de retórica, mitologias, tons pastéis, cores suaves e a atmosfera de um eterno comercial de produtos matinais. Esqueça tudo isso! Em tempos atuais de crise econômica e milhões de desempregados para os quais a solução inevitável apontada são o empreendedorismo, “pejotização”, precarização profissional e trabalho intermitente, a Publicidade brasileira foi convocada para educar as massas através de comerciais francos, duros e agressivos. Ivete Sangalo flerta com “losers” em pontos de ônibus para promover ensino à distância; Luciano Huck e Rodrigo Faro em peças publicitárias de universidades explicitamente afirmam que a profissão de professor é um bico para “aumentar a sua renda”; campanhas do Uber defendem a “uberização” para você ter mais tempo de “fazer o que gosta”; e o banco Santander assertivamente diz que a carteira de trabalho já era e que no lugar ficou uma maquininha de pagamentos com cartões. Bem vindo ao “Brave New World” da publicidade atual.

Houve tempos em que a Publicidade figurava o mundo em tons pastéis como se todo comercial fosse um eterno vídeo de cereais e matinais: “Oh Happy days!”… “Be Happy!” ou qualquer música folk bacana para começar com otimismo o café da manhã.

Professores, intelectuais, pesquisadores ou militantes de esquerda mobilizavam todo um arsenal teórico (linguístico, semiótico, freudo-marxista etc.) para desconstruir e desmascarar as maquinações ideológicas e imperialistas por trás de toda dessa positividade da sociedade de consumo.

Mas, pelo menos na publicidade brasileira, isso está mudando. Nos tempos atuais de todas as reformas (trabalhistas, previdenciárias, políticas etc.) a toque de caixa e turbinada pelo governo do desinterino Temer em tempos bicudos de crise, inicia-se uma tendência inédita na criação publicitária de abandonar o característico mundo em tons pastéis para partir para os “finalmentes” – e sem mais qualquer firula retórica, semiótica ou sofística. 

Esqueça o mundo em tons pastéis da velha publicidade!

Uma nova tendência, por assim dizer, realista, crua, cortante, como se preparasse o consumidor para a dureza da vida ou para dias piores que estão por vir. Sai os tons pastéis e suaves para entrar cores quentes e com fortes contrastes.

Esqueça os antigos esforços intelectuais para desconstruir mensagens ocultas. A nova tendência é ir direto ao ponto: agora você é desempregado! Agora viverás de bicos! Agora terás que procurar algo que complemente sua renda! Sua carteira de trabalho já era! E seu trabalho doravante é uberizado, intermitente, descontínuo… se tiver!

Estamos nos referindo a cinco peças publicitárias, alinhadas ao atual zeitgeist (o “espírito do tempo”) de empurrar goela abaixo a receita neoliberal que pulveriza o trabalhismo para impor o cada um por si do darwinismo social.

Ivete Sangalo em pontos de ônibus e espelhos lançando olhares amorosos para losers que precisam subir na vida através de cursos de EAD da Laureate Universities; Luciano Huck sugerindo a alunos universitários uma segunda graduação na Faculdade Anhanguera para ser professor e “aumentar a sua renda”; o apresentador Rodrigo Faro dando a mesma sugestão, dessa vez pela UNIPAR; a campanha do aplicativo UBER que afirma que dirigir é a melhor forma para ter tempo para fazer tudo aquilo que você gosta; e por último, mas não menos importante, o comercial da “vermelhinha” do banco Santander, maquininha de cartões apresentada como “a sua nova carteira de trabalho”.

 

1. Ivete Sangalo flerta com perdedores que querem vencer

Dois vídeos publicitários da EAD Laureate. No primeiro, um assustado e apalermado jovem em um ponto de ônibus vê em um cartaz comercial da Laureate a imagem de Ivete Sangalo ganhar vida e exortá-lo a fazer o EAD da rede de universidades para a “sua carreira decolar”. O ônibus chega e o ainda assustado rapaz sobe os degraus, olha para trás e vê a cantora dar uma última e malandra piscadinha.

E outro vídeo, com outro apalermado loser que acorda assustado com o alarme do rádio-relógio, olha para o espelho e toma um susto: ao invés do seu reflexo, vê a indefectível Ivete Sangalo com a mesma mensagem.

Bem diferente dos antigos vídeos publicitários da EAD Laureate com fábulas edificantes sobre jovens com sonhos que se realizam com a determinação ( embalados com os infalíveis temas musicais ao piano), agora é curto e grosso: você está no ponto de ônibus ou estressado com o alarme do rádio relógio, com olho arregalado e assustado com eventos paranormais. Por isso, você é um loser que precisa subir na vida.

Também é emblemático uma estrela do entretenimento, Ivete Sangalo, ser a garota-propaganda de uma rede de universidades. Sangalo virou uma espécie de equivalente geral da publicidade – já vendeu de tudo, de cosméticos e remédios a carros e marcas de cerveja… e agora educação. 

Além de uma questão qualitativa (o entretenimento promovendo a educação), a urgência da mensagem publicitária não está na qualidade do “serviço” educacional. Mas no desespero de você estar no fundo do poço – no ponto de ônibus ou estressado pelo alarme do rádio-relógio.

 

2. Para Luciano Huck e Rodrigo Faro dar aulas é “bico”

E por falar em entretenimento, Luciano Huck (outro equivalente geral publicitário) e Rodrigo Faro (aspirante a equivalente geral) exortam os jovens a fazer uma segunda graduação de Formação Pedagógica para a atividade de professor ajudar a “aumentar sua renda”.

A reação nas redes sociais em relação às peças publicitárias foi negativa – sugere menosprezo à profissão de professor ao reduzi-la a um bico para aumentar a renda do mês. Tanto a Anhanguera como a UNIPAR divulgaram pedidos de desculpas protocolares (aliás, idênticos) pela “mensagem equivocada” e reafirmando que a docência “é o caminho para o desenvolvimento social e econômico”.

Uma “mensagem equivocada” (ou ato falho?) que sincronicamente é cometida no momento da destruição da CLT, a proposta de uberização da educação (clique aqui para a notícia) e a perspectiva generalizada de trabalho intermitente, “pejotização” e terceirizações radicais.

Mais um exemplo da publicidade brasileira atual atravessando agressivamente os umbrais da sinceridade: no final, o ato falho da peça publicitária revela o projeto secreto de grupos como Kroton e da norte-americana Laureate Universities – a gestão educacional por planilhas na estrita filosofia da relação custo-benefício.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum