Cinegnose

por Wilson Ferreira

Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
16 de outubro de 2017, 14h24

Gestão midiática de Doria Jr. promove pobres a biodigestores de lixo orgânico

Vivemos tempos realmente estranhos. Chegamos no futuro e parece que a realidade começa a realizar, de maneira irônica, as distopias sci fi dos anos 1970 como por exemplo, “No Mundo de 2020” (Soylent Green, 1973, com Charlton Heston) no qual uma empresa produzia um tablete verde para alimentar as massas pobres, enquanto somente a elite tinha comida de verdade. Confirmando a vocação paulistana vanguardista de laboratório para o “brave new world”, o prefeito João Doria Jr. anuncia o programa “Alimento para Todos”, numa parceria com a Plataforma Sinergia para processar restos de alimentos que se transformarão em um “granulado nutritivo” para a “camada mais pobre da sociedade” – seguindo a trilha do Japão que já possui “carne de excrementos humanos”. Como “gestor sustentável”, Doria Jr. acredita que todos ganharão: não haverá nem desperdício e nem fome. Se no filme de 1973 tudo era envolto em uma conspiração, hoje tudo é cinicamente explícito através da “Pobretologia” – resolver o problema do Capitalismo que produz restos (pobres, famintos, desempregados, idosos, aposentados, excluídos etc.)  e que precisam ser reciclados de forma cinicamente “sustentável”: desempregados viram empreendedores, idosos se convertem em target de consumo chamado “Melhor Idade” e pobres viram biodigestores de restos orgânicos.

Parece que nesses últimos tempos alguns prognósticos desse Cinegnose vêm sendo confirmados. 

Primeiro, assim como o Deserto de Nevada (EUA) foi o imenso laboratório a céu aberto no qual ocorreram os três episódios seminais que moldariam o mundo do futuro (Incidente ufológico de Roswell, a expansão de Las Vegas e as primeiras experiências com bombas nucleares), de forma análoga São Paulo é o laboratório de testes de preparação para o “brave new world” que aguarda o restante do País. 

Também testes com duas bombas: a da água e a do “gestor midiático”.

A chamada “crise hídrica”, juntamente com a praça parque temático Victor Civita, testaram a nova ordem da sustentabilidade, no qual bens universais (como a água) são decretados como escassos e precários (mediante sucateamento proposital pelo Estado) para se tornarem privatizados e mercantilizados – clique aqui.

E a vitória acachapante de João Doria Jr. à prefeitura de São Paulo já no primeiro turno, confirmando a agenda desse vanguardismo paulista, já antecipada por este Cinegnose: a vitória eleitoral, para um cargo executivo,  de um personagem midiático, egresso do mundo da publicidade, lobby e programas televisivos, cuja imagem é não mais de um “político”, mas de um “gestor” – sobre a sinistra profecia do Cinegnose – clique aqui.

E segundo, a capacidade da realidade superar a ficção literária (como temia o escritor maldito Charles Bukowski) ou, muitas vezes, realizar de forma irônica e estranha elementos da ficção. Mas não na sua literalidade: apenas realizando ironicamente o seu “espírito”.

 

O laboratório vanguardista de Doria Jr.

Então, o quê dizer do novo experimento deste laboratório vanguardista que é São Paulo? Com o estilo que lhe é peculiar no qual divulga aqui e ali projetos (que às vezes nem saíram do papel) fragmentados como fossem parte de um grande planejamento de gestão, o prefeito João Doria Jr. agora anuncia o programa “Alimento para Todos” no qual fará parceria com a Plataforma Sinergia, um think tank de orientação cristã.

A ideia (quintessência do discurso do gestor: evitar o “desperdício”) é que a Plataforma Sinergia recolha restos de alimentos que ainda estão em boas condições e dentro do prazo de validade e processada em fábricas  para a produção da “Farinata”, um “granulado nutritivo”. O sistema de beneficiamento de alimentos da Plataforma Sinergia está associado a parceria com o programa “Save Food” da FAO-ONU.

Mas é óbvio que Doria Jr. colocará a sua marca mercadológica: em São Paulo o “granulado nutritivo” se chamará “Allimento” – sim, com dois “L” na manjada estratégia de branding para criar uma imagem de exclusividade a uma marca genérica. O “Allimento” será distribuído à “camada mais pobre da sociedade”.

Pobres que deixaram de ser explorados e que hoje entraram na categoria de excluídos, pela crise e o desemprego. Famintos, serão agora promovidos a “biodigestores” para a disposição final do lixo orgânico. Essa verdadeira ração poderá ainda ser útil para fazer, pães, bolos, sopas… até o destino final como excremento humano – o cocô.

Shit Burger

Mas nem isso será problema de “desperdício” – o horror de todo gestor que se preze. No Japão, o cientista Mitsuyuki Ikeda deu mais uma contribuição para a fome mundial: carne feita de excrementos humanos – placas de lodo com muitas fezes humanas são retiradas do esgoto, para serem extraídas proteínas e lipídios que passam por processo de intenso calor no qual todas as bactérias morrem. Para o produto final ter gosto de carne, coloca-se proteína de soja e molho de carne… Temos então o “shit burguer” – clique aqui.

Dr. Ikeda e o “Shit Burger”

 

Estamos aqui no campo de uma novidade nas relações entre realidade e ficção: a irônico-distopia – conjunto de filmes e produtos audiovisuais que, com o passar do tempo, foram promovidos a essa categoria não porque a realidade confirmou a distopia na literalidade. Realizou apenas o seu “espírito”.

Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças (cartografias mente e Neuromarketing), Team America (gozação com os “efeitos colaterais” que viraram conceito na guerra ao terrorismo pós 2001) etc.

Pois tanto a parceria Doria Jr. e Plataforma Sinergia em São Paulo e o Dr. Ikeda no Japão materializaram o “espírito da coisa” do filme distópico protagonizado por Charlton Heston chamado No Mundo de 2020 (Soylent Green, 1973).

Heston faz um policial de Nova York que, ao investigar a morte de um rico empresário das indústrias Soylent Corporation, acaba descobrindo uma verdade estarrecedora: a principal fonte de alimento do planeta (o “soylent green”, um tablete verde supostamente feito de algas) era um composto feito a partir da reciclagem de mortos humanos. Enquanto somente a elite tinha acesso a carne, verduras e frutas, o restante da sociedade era sem saber antropofágica (desculpas pelo spoiler, não resisti…) – assista aos trailers no final da postagem.

A Pobretologia e o resto

Essa realização irônico-distópica entra no campo da “Pobretologia”, como bem definiu a professora e pesquisadora de História da Universidade Federal Fluminense Virgínia Fontes.  

Uma nova forma de organização do Capitalismo (sob a égide do discurso midiático-científico da “Sustentabilidade” e do “Ambientalismo”) que visa dar conta de um problema decorrente do seu modo de produção tardio, a sociedade de consumo: o problema dos “restos” ou do “excremento social”: desempregados, pobres, excluídos, idosos, aposentados, doentes (psíquicos e somáticos), famintos etc.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum