Cinegnose

por Wilson Ferreira

30 de novembro de 2017, 19h49

O jogo da simulação de censura Globo/Gabriel Bá

Nas redes sociais indignação. O desenhista Gabriel Bá apareceu no talk show da Globo “Conversa com Bial” com seu indefectível boné verde – marca registrada do artista. Só que dessa vez com a estrela vermelha coberta de forma improvisada com duas fitas isolantes preta. “Evite números ou símbolos para que não haja associação a marcas ou partidos políticos”, teriam dito os figurinistas nos camarins. “Censura!”, gritaram internautas. Se foi mesmo censura, como pode a Globo fazê-la de forma tão tosca e improvisada? O episódio apresenta algumas dissonâncias que sugerem mais uma estratégia de manipulação. Mas dessa vez não mais no campo semiótico da “dissimulação” – esconder, mentir, censurar. Mas agora no campo da “simulação”: propositalmente tornar o evento visível (a suposta “censura”). Para quê? Para a Globo tentar se livrar de mais um dos seus dilemas: depois de anos de oposição política explícita explorando símbolos e números de forma até subliminar, agora, candidamente, tenta demonstrar que possui uma linha editorial “imparcial”. E o artista, assim como os indignados críticos, participaram inconscientes desse blefe.

“A indignação contra a manipulação é o último “scoop” patrocinado pela ideologia” (Theodor Adorno)

Primeiro, vamos aos fatos. Internautas acusam nas redes sociais a Globo de ter censurado o desenhista Gabriel Bá. Ele era o convidado para o talk show “Conversa com Bial” da última segunda-feira. 

Marca registrada do desenhista conhecido internacionalmente por suas graphic novels, Gabriel Bá apareceu no estúdio da emissora usando um boné com uma estrela vermelha, frontal, semelhante àquele usado por Fidel Castro. Logo que chegou aos camarins foi alertado pelos figurinistas: “a estrela no boné não vai rolar…”. Duas alternativas foram sugeridas ao artista: ou tirava o boné, ou a estrela seria coberta com fita isolante. E Gabriel Bá escolheu a segunda opção.

No vídeo da entrevista com o jornalista Pedro Bial, a ocultação da estrela vermelha ficou explícita e tosca. Principalmente para aqueles que conhecem a marca registrada do artista. Nas redes sociais, a polêmica de uma suposta censura. O que levou o desenhista a dar o seguinte recado no Facebook:

“Evite números para que não haja associação a marcas ou partidos políticos”. Essa foi uma das dicas de vestuário da produção do programa. Mesmo assim, fui com meu boné verde com estrela vermelha, que trouxe do Vietnam. Tenho outros, mas gosto deste, do que ele representa. Foi minha escolha. Chegando no estúdio, o pessoal do figurino, respondendo à diretoria do programa, disse que a estrela não ia rolar. Claro que não fiquei contente, mas eu fiz uma escolha antes: a de ir com o boné. Entre entrar com a estrela coberta ou entrar sem boné, escolhi o boné. E escolheria novamente. Poderia ser um tucaninho azul e amarelo ou um número 45, o logo da Adidas ou o escudo do Palmeiras. Seria coberto da mesma maneira. Prefiro ver agora esse debate todo e o povo refletindo do que simplesmente ter entrado sem boné.”

Censura, dissimulação, simulação

Porém, para esse humilde blogueiro não houve “censura”. Antes até fosse, o que demonstraria uma conflagração de luta ideológica semelhante ao período da ditadura militar brasileira – uma grande mídia que cerrava fileiras com os governos ditatoriais censurando, escondendo ou omitindo fatos. Como ficaram conhecidas a censura de qualquer informação sobre o assassinato do jornalista Wladimir Herzog nos cárceres do DOI-CODI ou a omissão ao movimento Diretas-Já pela Globo, relatando todas as mobilizações na Praça da Sé como festa do aniversário da cidade.

 

Veja também:  PSOL vai à PGR para barrar censura na Ancine e acusa Bolsonaro de improbidade

Fosse censura, ficaria mais fácil denunciar a recorrente e histórica manipulação da informação da emissora.

Isso porque a censura está no campo semiótico da dissimulação: omitir, esconder, censurar etc. Fala-se que não possui aquilo que se esconde. Se algo está sendo escondido, basta ser revelado! 

Dissonâncias

No caso da suposta censura no “Conversa com Bial” há dois elementos que são dissonantes: primeiro, a “censura” foi explícita e até tosca – duas fitas isolantes que ainda deixaram exposta a parte central da estrela vermelha, como se o figurinista tivesse a intenção de tornar evidente no vídeo a tentativa de “censura” de um símbolo ideológico: a estrela comunista, a estrela do PT etc. Melhor seria um tampão mais bem elaborado como um círculo preto ou solução do gênero, como uma tarja, por exemplo. Sabotagem do figurinista? O profissional quis propositalmente revelar aos espectadores a manobra de censura? Muito improvável.

E segundo: fosse um ato de arbítrio ou violência ideológica, mereceria um boicote de Gabriel Bá, que aceitou o jogo sob o álibi do “queria esse debate todo e o povo refletindo…”. Aliás, seu recado no Facebook dá a pista do jogo Globo/Gabriel Bá: “poderia ser um tucaninho azul e amarelo ou o número 45, o logo da Adidas ou o escudo do Palmeiras. Seria coberto da mesma maneira”. O artista parece justificar a suposta censura ao seu boné que mais aprecia por tudo aquilo que, segundo ele, “representa”.

 

Veja também:  Braço direito de Paulo Guedes censura e demite jornalista por críticas a Jair Bolsonaro

 

Esses dois elementos dissonantes para um suposto episódio de censura levam a crer que não mais estamos diante de uma estratégia de dissimulação, mas desta vez de simulação: como como fosse um blefe – de forma inversa, dizer que tem algo que na verdade não existe. 

Em outras palavras: o encobrimento da estrela vermelha de forma tosca e improvisada foi proposital para a emissora simular que agora é imparcial. A Globo quer dizer que possui algo que nunca teve: imparcialidade.

Depois de tudo, candidamente a emissora tenta fazer o público esquecer do seu período de jornalismo de esgoto e de oposição selvagem aos governos lulopetistas (já que a oposição parlamentar era incompetente) no qual números e símbolos era ostensivamente mostrados como bombas semióticas para desestabilizar e criar a crise política que culminou no impeachment de 2016.

Na verdade, a suposta censura ao símbolo em um boné do entrevistado num talk show é o resultado de mais um dilema que a Globo enfrenta desde que partiu para o jornalismo de guerra: desde o escândalo do mensalão, a emissora entrou num dilema existencial entre o papel de um partido político e de uma empresa comercial que precisava atrair anunciantes – por exemplo, enquanto tentava detonar a Copa do Mundo e Olimpíadas, precisava lucrar com esses megaeventos. Esse foi o primeiro dilema.

Depois veio o dilema de pedir a cabeça de Temer endossando as denúncias do PGR de Janot (para esconder na pauta o seu envolvimento no escândalo da FIFA – clique aqui) e ao mesmo tempo ter que apoiar as reformas de um governo que supostamente tentava derrubar.

Atualmente, a Globo tenta se livrar do terceiro dilema: a herança maldita do período do jornalismo de guerra: o fato de ter se aliado à direita raivosa e ao baixo clero do Congresso (Eduardo Cunha + bancada da Bíblia, Boi e Bala) – agora tenta posar de politicamente correta e imparcial. Resultado: se a emissora já contava com os tradicionais inimigos à esquerda, agora ganhou os novos inimigos no campo da direita hidrófoba.

Com o blefe Globo/Gabriel Bá, a emissora carioca tenta simular uma imparcialidade (daí o recurso tosco da fita isolante) como se quisesse passar a seguinte diretriz editorial (endossada na postagem do desenhista): qualquer símbolo ou número de referência a qualquer partido ou ideologia será suprimido.

A Globo tenta simular o que nunca foi, como atestam fatos recentes da sua época do jornalismo de guerra. Vamos ficar em apenas três:

 

Veja também:  Guerra criptografada: capas da Piauí, temores da Globo e Míriam Leitão e trolagem do livro em branco

(a) A mensagem subliminar do “apagão aéreo” (2007)

Após o acidente do avião da TAM no aeroporto de Congonhas, criou-se o jornalismo global criou o bordão “apagão aéreo” responsabilizando o presidente Lula como o responsável pelas mortes. O bordão virou “selo” (composição de elemento gráfico que identifica editoriais ou temas recorrentes em telejornais) no qual via-se numa animação que fazia alusão aos painéis de horários de voos em aeroportos. No movimento das letras, formava-se a sigla “PT” abaixo dos dizeres “vítimas do apagão”.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum