domingo, 20 set 2020
Publicidade

Cinegnose lança livro “Bombas Semióticas na Guerra Híbrida Brasileira: Por que aquilo deu nisso?”

Desde a primeira semana daquilo que se chamou “Jornadas de Junho”, em 2013, este Cinegnose desconfiava de tudo que estava ocorrendo. Iniciou então, naquele momento, uma crônica das bombas cognitivas informativas que a grande mídia passou a detonar diariamente. Moldando a opinião pública à base do choque de notícias que utilizavam ferramentas linguísticas e semióticas inéditas pela acumulação e consonância. Este blog denominou essa estratégia simbólica de “bomba semiótica” – matéria-prima daquilo que foi definido por “Guerra Híbrida”, a novidade geopolítica do século XXI. O livro “Bombas Semióticas na Guerra Híbrida Brasileira (2013 – 2016)” é uma contribuição desse humilde blogueiro para entender a cronologia dessa extensiva guerra semiótica que resultou no golpe político de 2016 com o impeachment. E responder à questão que deve ser encarada para podermos pensar o futuro: por que aquilo deu nisso?  

A partir de junho de 2013 o blog “Cinema Secreto: Cinegnose” deu início a uma série de 52 postagens ao longo do período 2013-2016. Uma crônica das bombas semióticas que eram armadas e detonadas pela mídia. Esse livro reúne essa série – um esforço para entender cronologicamente e em detalhes a evolução dessa operação simultaneamente semiótica (entender os diversos recursos linguísticos e semiológicos dessas verdadeiras bombas cognitivas) e psicológica – a criação de um pseudoambiente para a opinião pública, decisivo para a percepção de que o País estava imerso no caos para finalmente exortar a radicalização e polarização política.

Uma complexa guerrilha semiótica dentro da chamada “Guerra Híbrida” que mobilizou todo o arsenal retórico, linguístico e semiológico divididos em quatro etapas bem distintas: primeiro, caos,  a visibilidade midiática das manifestações; depois, fortalecimento da base etnográfica do neoconservadorismo (o surgimento de uma tipologia social composta por “simples descolados”, “coxinhas 2.0”, “novos tradicionalistas”, “gourmetização” etc.); em seguida, o investimento semiótico em minisséries globais para a teledramaturgia legitimar a agenda política de oposição. E finalmente o desfecho: polarização política e impeachment. Os resultados acompanhamos até hoje – aquilo deu nisso!

“Bombas Semióticas na Guerra Híbrida Brasileira” conta com uma Introdução na qual detalha como aquelas bombas cognitivas evoluíram em quatro etapas estratégicas bem definidas. E finaliza com um glossário no qual são detalhados os conceitos principais para entender os mecanismos das bombas semióticas e uma bibliografia com as principais fontes teóricas.

O livro pode ser adquirido na Amazon – clique aqui.

Wilson Ferreira
Wilson Ferreirahttps://revistaforum.com.br/cinegnose
Mestre em Comunição Contemporânea (Análises em Imagem e Som). Jornalista e professor na Universidade Anhembi Morumbi nas áreas de Estudos da Semiótica e Linguagem Audiovisual. Pesquisador e escritor, co-autor do "Dicionário de Comunicação" pela editora Paulus, organizado pelo Prof. Dr. Ciro Marcondes Filho e autor dos livros "O Caos Semiótico" e "Cinegnose – a recorrência de elementos gnósticos na produção cinematográfica" pela Editora Livrus.