Cinegnose

por Wilson Ferreira

Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
06 de abril de 2017, 20h08

Com o caso José Mayer tautismo da Globo fica na corda bamba

O caso do assédio do ator José Mayer à figurinista Susllem Tonani é marcado por uma ironia fundamental: um ator, conhecido por interpretar nas telenovelas sempre o mesmo perfil de personagens machistas e misóginos, é denunciado por recorrentes assédios nos bastidores da Globo. Mera coincidência ou sincronismo entre ficção e realidade? Desde que o chamado “O Método” (criado pela Actors Studio em 1947) se perverteu em fórmula criadora de um tipo de ator que se limita a interpretar a si mesmo em repetitivos perfis de personagens estimulados pela linha de montagem de TV e estúdios de cinema, casos como esses se tornaram recorrentes. No caso da Globo, marcado por um tautismo (tautologia + autismo) crônico, essa “doença ocupacional” fica ainda mais evidente. Principalmente quando a reação tanto do ator quanto da cúpula da emissora foi idêntica: alheios às mudanças que ocorrem no “deserto do real” (empoderamento feminino, lutas por respeito, diversidade etc.) são pegos de surpresa e tentam dar respostas oportunistas. E a da Globo é a mais equizofrênica: diz respeitar as mulheres enquanto diariamente as submete a papéis subalternos em reality shows, telenovelas e propagandas de cerveja.  

Era começo dos anos 1990. Em mais uma edição do Programa Matéria Prima da TV Cultura, apresentado por Serginho Groisman, o ator Paulo Autran era o convidado. Com extensa atuação no teatro, naquele momento Autran era mais conhecido pelos papéis em novelas da TV Globo como Guerra dos Sexos e Sassaricando.

Groisman abriu para perguntas da plateia. E um jovem indagou: “Autran, de todos os papéis em novelas da TV, qual deles tinha mais a ver com você?”. 

“Nenhum!”, respondeu Autran de maneira enfática. E explicou que na profissão o ator deve representar e jamais ser o próprio personagem, isto é, o ator deve manter sempre um certo distanciamento em relação a ficção.

Essa resposta mostrou como Paulo Autran era filiado a uma escola clássica de representação na qual a memória emocional (o psiquismo do ator) era usada com cautela para dar realismo ao personagem. Na verdade era mais uma técnica entre várias – concentração cênica, ações físicas etc. 

Depois do chamado “O Método” (sistema de atuação proposto pela Actors Studio de Nova York em 1947 cujos maiores expoentes foram Marlon Brando e James Dean) tudo isso mudou: a ênfase passou a ser na experiência emocional do ator necessária para dar realismo ao personagem – o ator não pode se limitar a representar, mas também deve fornecer ao personagem o psiquismo pessoal (sua memórias, medos e desejos) para dar espontaneidade e autenticidade à encenação.

The Actors Sudio: a ficção se alimenta do psiquismo do ator

O Método e a indústria do entretenimento

Mais tarde a indústria do entretenimento com sua linha de produção industrial de filmes e, no caso da Globo, telenovelas, perverteu o Método ao tornar atores escravos de determinados papéis –  atores passaram então a interpretar a si mesmos, investindo o próprio psiquismo em perfis ficcionais repetitivos. 

Se a fábrica explora a força física e intelectual do operário, a indústria do entretenimento explora o psiquismo dos atores.

José Mayer é mais um dos vários atores que acabaram se especializando em um perfil de personagem e passou a interpretar a si mesmo. Na Globo, sempre fez o tipo garanhão, o machão arrebatador que seduz todas as mulheres que cruzam o seu caminho – o bem dotado Osni em Tieta, o galã de meia idade que trai sua esposa, arrebatado pela beleza de uma misteriosa ninfeta na minissérie Anita, entre outras.

Mesmo agora, com mais de sessenta anos, foi mais uma vez escalado para viver outro papel de um machista maniqueísta em Viver a Vida – um ricaço que já casou várias vezes e que sem a menor cerimônia trai todas as suas mulheres e namoradas e em Lei do Amor o maquiavélico e também machista Tião Bezerra.

José Mayer em “Presença de Anita”

Doença ocupacional?

Denunciado publicamente por assédio sexual pela figurinista Susllem Tonani, a primeira reação de Mayer foi sintomática: “não misturem ficção com realidade”, e disse que as palavras e atitudes atribuídas a ele “são próprias do machismo e da misoginia do personagem Tião Bezerra, não são minhas!”.

Surpreso com a reação da jovem figurinista de 28 anos que terminava o seu contrato provisório com a Globo (segundo ela, o assédio ocorria desde fevereiro), Mayer quis se escudar atrás da ficção diante de uma reação ameaçadora da vida real.

Temos nesse caso uma evidente correspondência entre ficção e realidade, entre o ficcional Tião Bezerra e o ator José Mayer. Mera coincidência? Ou um evento fenômeno sincrônico, sintoma de uma espécie de “doença ocupacional” da linha industrial de produção de telenovelas? Será que Atores/operários, obrigados a desempenharem perfis de personagens tão repetitivos, acabam se tornando vítimas de um perverso encontro entre a jornada pessoal do ator e a narrativa ficcional? 

Se essa “doença ocupacional” da profissão de ator regida pelo Método é recorrente na indústria do entretenimento (como, por exemplo, em episódios como o de Heath Ledger cujo psiquismo foi afetado pelo arquétipo do Coringa – clique aqui), no caso da Globo essa patologia pode ser potencializada pelo tautismo (tautologia + autismo) crônico de uma emissora fechada em si mesma na qual seja no jornalismo, seja no entretenimento, criou um “paraíso artificial” que cada vez mais contamina seus profissionais – sobre isso clique aqui.

Após a cúpula da emissora “apurar” as denúncias da figurinista (sob pesada reação negativa nas redes sociais, principalmente depois que o site da Folha retirou o texto da denúncia de Susllen Tonani) e suspender José Mayer por tempo indeterminado, a nova declaração do ator foi ainda mais sintomática.

Mayer admitiu que “errou” e pediu desculpas às mulheres dizendo ser “tristemente, o fruto de uma geração”. “Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. Eu preciso e quero mudar”, escreveu Mayer.

Respostas tautistas

Descontando o fato de que todo discurso é uma racionalização, o fato é que na carta aberta de Mayer perpassa essa perplexidade de alguém que parece que viveu por um bom tempo no interior de alguma bolha do tempo. Mesmo vivendo e trabalhando no meio artístico, teatral, cinematográfico e televisivo (por sua própria natureza, o setor da sociedade culturalmente mais dinâmico), parece que Mayer não percebeu as rápidas mudanças socioculturais do País e do mundo nas últimas décadas.

Ele e a própria emissora, fechada em si mesmo no seu tautismo crônico. A própria reação da Globo foi parecida com a de José Mayer: surpresa, teve que correr contra o tempo diante da repercussão e reações negativas que começaram a pipocar por todo lado fora dos muros do Projac. 

O assédio de Mayer à figurinista era contínuo desde fevereiro, assim como o mal estar nos corredores do complexo de estúdios de gravação. Como na praxe corporativa, a emissora procurou colocar panos quentes para abafar o caso. Instaurou uma “apuração interna” para esperar o caso morrer.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum