Cinegnose

por Wilson Ferreira

O que o brasileiro pensa?
25 de maio de 2020, 19h10

“Novo normal”: a nova expressão da reengenharia social do coronavírus

O chamado “novo normal”, coisas que anteriormente seriam consideradas anormais que depois tornam-se normais, aceitas pelas condições adversas.

Foto: Blog Cinegnose

Marcinho é despertado pelos amigos. Ainda zonzo ouve péssimas notícias: João Doria é governador, Luciano Huck será candidato a presidente e o atual é Bolsonaro… “Como assim! Aquele do CQC e Super Pop?”. Não! Não estamos na atualidade. Estamos em 2014, e tudo não passou de uma pegadinha para assustar o amigo de ressaca. No dia do fatídico 7×1 da Alemanha… Esse vídeo impagável da trupe de humor “Porta dos Fundos” provoca uma discussão sobre a expressão que cada vez mais aparece na mídia: o chamado “novo normal”, coisas que anteriormente seriam consideradas anormais que depois tornam-se normais, aceitas pelas condições adversas. Expressão de reengenharia social, plantada na mídia como forma de criar resignação numa situação totalmente bizarra: personagens canastrões, promovidos por programas de entretenimento, viram personagens políticos na crise COVID-19. Mecanismo psicológico de amnésia social. E o sincrônico 7X1 da Alemanha foi o gatilho que desencadeou a sucessão de eventos que nos levou ao “novo normal”. 

“Novo normal” é a expressão que mais se ouve nos meios de comunicação, tanto em analistas políticos de telejornais, matérias jornalísticas e até vídeos publicitários. Parece que a expressão “vamos sair dessa” (esperançosa e motivadora) pouco a pouco é substituída pela resignada “novo normal” como consequência principal da pandemia de Covid-19.

Mesas de restaurantes que terão que rever disposição de mesas e ambientes; a descoberta de que o futuro pode ser antecipado com a integração digital total entre empresas/consumidores, empresas/empregados por delivery e home office; redução de viagens; reorganização de escolas e faculdades com a fusão do EAD com ensino presencial; e reinvenção total do cotidiano: transporte público, aglomerações etc.

É derivado da expressão “new normal”, que se referia às condições posteriores ao crash financeiro de 2007-2008, termo que passou a ser usado em variados contextos para designar uma coisa que anteriormente era considerada anormal para tornar-se uma normalidade forçosamente aceita pelas condições adversas.  

É curioso que essa expressão, surgida após o “day after” do crash de 2008, ressurja com força midiática na atual crise da Covid-19: como será o mundo após a pandemia? 

Esse Cinegnose já discutiu bastante as conexões ocultas entre o crash de 2008 e a atual pandemia – ela surge num ano que inevitavelmente ocorreria um novo crash de proporções mais catastróficas do que há 12 anos – clique aqui e aqui.

Talvez não seja mera coincidência: essa expressão “novo normal” tem um sabor amargo de reengenharia social – como fazer grande massas e países inteiros aceitarem uma nova reorganização econômica, política e social.

O Vídeo

O vídeo da trupe de humor Porta dos Fundos provoca essa discussão: como aquilo que há poucos anos era uma anormalidade risível, bizarra e impensável, em pouco tempo passou a ser “normal”. E esquecemos o quanto achávamos tudo absurdo e impossível de acontecer – veja o vídeo abaixo.

Um homem chamado Marcinho é despertado pelos seus amigos que invadem o seu quarto para lhes dar notícias nada boas. O pobre homem que foi acordado está de ressaca e ainda zonzo. 

Foto: Reprodução/ Blog Cinegnose

Parece que despertou em alguma realidade alternativa ou acordou anos à frente no futuro – um futuro que tem João Doria Jr como governador de São Paulo – “Quem? Aquele da TV? Aquele Amaury Jr com sérias restrições orçamentárias? Caralho! Vocês estão de sacanagem!!!!”.

“E o deputado é o Alexandre Frota!”… “Quem, o ator pornô????”, pergunta bestificado. “Acho que ele vai apoiar o Huck nas próximas eleições… ele deve vir presidente nas próximas eleições…”.

“Contra quem? O Aécio, Lula?”. “Não, Bolsonaro, ele é o nosso atual presidente…” respondem os amigos acabrunhados.

“Bolsonaro!!! Aquele do CQC, do Super Pop?”, pergunta cada vez atônito.

“A Regina Duarte é até ministra dele…”, ouve incrédulo o pobre homem, que pensa ter acordado num futuro distópico.

Seus amigos se entreolham e explodem em risadas… era tudo brincadeira… Eles estão na verdade em 2014. Uma pegadinha para acordar o amigo de ressaca para irem logo assistir ao jogo Brasil e Alemanha.

“Qual vai ser o placar?… 7 a 1 Brasil, porra!… É Brasil, porra!”, explodem em gargalhadas, diante do aliviado amigo em saber que está tudo NORMAL.

A canastrice do “Novo Normal”

A grande ironia desse pequeno esquete é relembrar o “normal” de 2014: ninguém sequer poderia imaginar uma goleada da Alemanha sobre o Brasil, uma seleção pentacampeã que jogava a Copa do Mundo em casa.                

Assim como qualquer um que dissesse que personagens do mundo das subcelebridades midiáticas como o “rei do camarote” Doria Jr., um ator pornô de bate-bocas em programas de auditório da TV como Alexandre Frota, o “doidão polêmico” da TV Jair Bolsonaro, a “namoradinha do Brasil” Regina Duarte ou o “fazendeiro de bundas” (como chamava Arnaldo Jabor) Luciano Huck se transformariam em governador, deputado, presidente secretária de Estado ou aspirante a presidente, seria olhado com desdém e um sorriso de deboche.

Foto: Blog Cinegnose

Hoje, integram o novo normal. Numa espécie de processo coletivo de amnésia social, foram esquecidas as sensações de anomalia e estranhamento de um passado recente. 

Todos eles são caricaturas de caricaturas, overacting – personagens vazios, esteticamente bregas e levados por um tatibitate cognitivo. Em síntese: canastrões. A canastrice na política como fator de mobilização política, liderança e sedução de corações e mentes e ainda pouco considerado na Ciência Política.

Por exemplo, acompanhar Bolsonaro em programas como “Super Pop” da Luciana Gimenez ou no programa Raul Gil, polemizando com alguma subcelebridade gay de plantão e respondendo a perguntas “polêmicas” de luminares como Sonia Abrão, arrancava risos de indiferença das cabeças bem pensantes e risos de entretenimento do povão.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

*Esse artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum