Cinegnose

por Wilson Ferreira

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de novembro de 2011, 10h08

O Western Espiritual “Dead Man”

De todos os subgêneros e revisionismos criados a partir do western clássico, o que mais chama a atenção é o “acid western” pelo seu caráter “underground” místico e messiânico: todos os personagens do gênero estão lá (caçadores de recompensas, prostitutas, cowboys errantes etc.), porém eles não lutam mais por vingança, conquista ou justiça: buscam a iluminação espiritual. “Dead Man” (1995) do diretor Jim Jarmuch se insere nesse subgênero ao rechear as linhas de diálogos com inúmeras referências ao poeta e pintor inglês místico e herético William Blake e construir uma narrativa hipnótica como um mantra ao som da guitarra de Neil Young.


O gênero western é um produto tipicamente norte-americano que passou por uma série de renovações, sempre com a preocupação da indústria do entretenimento universalizá-lo para torná-lo um produto com um mercado globalizado: do western clássico desde a era do cinema mudo que retrata a luta do homem para conquistar a natureza infestada por índios e animais selvagens, passando pelo diretor John Ford (culturalmente mais neutro onde os nativos passam a ter um melhor tratamento) que vai construir aprofundamentos psicológicos em toda a galeria dos personagens do gênero (caçadores de recompensas, cowboys errantes etc.) até chegar a autoconsciência paródica do chamado “spaghetti western”de Sérgio Leone e o revisionismo de Sam Peckinpah onde pretendia arrancar poesia da violência representada em câmera lenta.

Para além dessa trajetória “mainstream”, o crítico de cinema Jonathan Rosenbaun aponta para um subgênero underground: o “acid western”subgênero que se inicia com o filme “El Topo” (The Mole, 1970), um western místico Cult recheado de referências ao tarot, messianismo e referências bíblicas em linguagem lisérgica. “Dead Man” de Jim Jarmuch se insere claramente nessa linha ao criar um protagonista que não busca mais conquista, vingança ou justiça, mas iluminação espiritual através de uma “poesia escrita com sangue”.

É a estória de um jovem homem que realiza uma jornada espiritual em uma terra estranha para ele, nas fronteiras extremas do oeste americano, em algum momento da segunda metade do século XIX. William Blake (Johnny Deep) é um contador que recebe convite para trabalhar em uma metalúrgica em uma cidade chamada Machine. Em seus bolsos alguns dólares e a carta de promessa de emprego na metalúrgica. Chegando lá, descobre que outro homem já ocupava a vaga de contador e que ele, Blake, chegou com um mês de atraso.

Deprimido, vai para um saloon, onde encontra com uma mulher, ex-prostituta, Thel (Mili Avital). Defende-a da agressividade dos homens do local, sendo convidado por ela para ir até seu quarto. Lá, ambos são flagrados pelo noivo Charlie Dickinson (Gabriel Byrne) que dispara um revólver, atingindo os dois. Em legítima defesa, Blake o mata e foge, depois de constatar que Thel estava morta. A partir desse ponto, começa o purgatório de Blake: Charlie era, na verdade, filho do proprietário da metalúrgica, que contrata três pistoleiros para matá-lo em vingança.

Ferido seriamente e desorientado, Blake encontra um indígena estranho e misterioso chamado “Nobody” (Gary Farmer) que o conduz por situações ao mesmo tempo cômicas e violentas. Nobody acredita que Blake é, de fato, o próprio poeta e pintor inglês já falecido à época. Através de um mundo caótico e violento que transforma Blake em um assassino e fora da lei perseguido por delegados e pistoleiros, seus olhos são abertos para um mundo desconhecido e espiritual, conduzido pelos ensinamentos enigmáticos de Nobody.

Blake já está morto?

A perseguição transforma-se em uma jornada espiritual, recheada de referências aos poemas do pintor e escritor inglês William Blake (1757-1827). Aqui começa a ambiguidade fundamental do filme: estamos diante da estória de um homem que, ferido mortalmente, prepara-se, espiritualmente para a morte final ou temos um homem que já está morto e acompanhamos a sua transição para um plano espiritual mais alto, desvencilhando-se dos últimos laços com as ilusões do mundo material. Essa ambigüidade se inicia a partir desse diálogo com o índio Nobody:

Nobody – Você matou o homem branco que te matou?

Blake – Mas eu não estou morto!

A resposta de Blake é pontuada por um forte acorde do tema de Neil Young, e a expressão do rosto de Blake indo para incerteza. Longo silêncio. Constantemente Nobody chama-o de “branco estúpido”, “estúpido de merda”, como se a ignorância da verdadeira condição de Blake irritasse o índio.

Aliás, a música minimalista de Neil Young com guitarra em efeito feed-back que pontua a estória dá uma sensação hipnótica à narrativa, como um mantra. Ela se associa à surpreendente narrativa “espelhada” criada por Jarmuch: as sequências iniciais de finais do filme se “espelham”. Na sequência inicial um trem conduz Blake para a cidade dos homens brancos e no final uma canoa leva-o para o mar a partir de uma aldeia indígena Kwakiutl;  a caminhada inicial de Blake pelas ruas da cidade observando, assustado, as atividades urbanas (um caixão recém construído sendo carregado, um cavalo urinando, uma prostituta fazendo sexo oral em um beco) se combinam ao olhar desorientado de Blake, próximo da morte, quando passa pela aldeia dos Kwakiutl.

Narrativa “espelhada” e cíclica, som em “feed-back”, vida e morte com um movimento cíclico. “Dead Man” é um dos raros filmes que consegue sincronizar perfeitamente forma e conteúdo, narrativa, edição e montagem com os temas místicos e arquetípicos.

O Evangelho Gnóstico de Jarmuch

Poeta e Pintor William Blake, a
principal referência mística de “Dead Man”
“Dead Man” apresenta constantes referências a poemas de William Blake principalmente nas falas do índio Nobody, como, por exemplo, quando ele se confronta com o missionário do posto de trocas afirmando que a visão dele de Cristo é a maior inimiga da sua visão é uma referência ao poema de Blake “The Everlasting Gospel” (O Evangelho Perene) que apresenta a visão gnóstica de Jesus:

“A Visão do Cristo que tu vês
É a maior inimiga da minha visão.
A tua tem um grande nariz adunco como o teu,
A minha tem um nariz redondo como o meu.
A tua é a do Amigo da Humanidade;
A minha fala em parábolas aos cegos:
A tua ama o mesmo mundo que a minha odeia;
As portas do teu céu são os portões do meu inferno.
Sócrates ensinava o que Meletus
Detestava como a mais amarga Maldição de uma Nação,
E Caifás era em sua própria Opinião
Um benfeitor da Humanidade:
Ambos lemos a Bíblia noite e dia,
Mas tu lês negro onde leio branco.”

Por essa visão gnóstica, a mensagem de Cristo nada tem a ver com salvação, mas, ao contrário “iluminação”. Nesse sentido, o termo significa que a gnose está associada à lembrança do que foi esquecido e não a descoberta daquilo que desconhecemos. Por isso, a jornada espiritual descrita em “Dead Man” está carregada de uma atmosfera gnóstica onde a realidade perda a sua concreticidade para diluir-se na ambiguidade descrita acima: estamos acompanhando a jornada espiritual de um homem ferido em direção do seu destino fatal ou a jornada de alguém que já está morto e que deve se desvencilhar dos laços materiais remanescentes para retornar a origem de todos os espíritos?

Nobody: É hora de você partir, William Blake. Hora de você voltar para o lugar de onde você veio.

Blake: Você fala de Cleveland?

Nobody: De volta para o lugar de onde todos os espíritos vieram … e para onde todos os espíritos retornam. Este mundo não vai mais lhe interessar.

O mito de Sophia encarnado na prostituta Thel
Por isso, William Blake tornou-se um autor cultuado pelos místicos modernos, pelos escritores norte-americanos “beatniks” e pela contracultura, fontes das quais o diretor Jim Jarmusch, recorrentemente, se inspira na sua produção cinematográfica.

Thel, a prostituta

A única personagem feminina do filme, Thel, a ex-prostituta, tem um papel decisivo para o início da jornada espiritual de Blake. Seguindo a mitologia gnóstica de Sophia, ela cai para as esferas materiais ou, como representa o filme, torna-se prostituta na cidade do Demiurgo (o dono da indústria metalúrgica). Sophia tem o papel de criar as circunstâncias para que o protagonista alcance a gnose. Ao ser pega em flagrante pelo noivo Charlie Dickinson com Blake em seu quarto e diante da arma apontada por ele, Thel coloca se corpo à frente do de Blake e é atingida mortalmente pelo tiro. Blake, também atingido seriamente, foge para a sua jornada e purgatório para sua ascensão espiritual.
Ficha Técnica
  • Título: Dead Man
  • Diretor: Jim Jarmusch
  • Roteiro: Jim Jarmuch
  • Elenco: Johnny Deep, Gary Farmer, Crispin Glover, Robert Mitchum, Iggy Pop, Gabriel Byrne, Mili Avital.
  • Produção: Pandora Filmproduktion, JVCEntertainment Networks
  • Distribuição Miramax Films
  • País: EUA, Alemanha, Japão
  • Ano: 1995




Postagens Relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags