Cinegnose

por Wilson Ferreira

25 de dezembro de 2018, 14h34

A ilusão das festas de Ano Novo no filme “Goodbye, 20th Century”

No filme Goodbye, 20th Century (Zbogum na dvaesetiot vek, 1998), uma viagem da câmera através do ralo de um banheiro para chegarmos em um shopping center durante as comemorações do ano novo do final de milênio


+ posts

21 de novembro de 2018, 09h50

Cinegnose e Coletivo Resistência discutem guerra semiótica e antimídia

Na pauta, o detalhamento das táticas de mineração de Big Data nas redes sociais nas campanhas de Trump e Bolsonaro, e a articulação entre mídias tradicionais e as redes – “frame set” + criação de “Co-Memes” (constelação de memes que se apoiam mutuamente)


04 de novembro de 2018, 13h32

Retrofascismo: na Guerra Híbrida o fascismo retorna como farsa

Em novo artigo Wilson Ferreira explica Fascismo histórico e Retrofascismo, leia


26 de outubro de 2018, 15h45

“Esquerda precisa de um novo Goebbels?”, indaga Cinegnose na CEE-Fiocruz no Rio

Enquanto a esquerda mal compreendeu o funcionamento das mídias de massa no século XX, nesse século a direita dá um segundo salto tecnológico com a guerra semiótica no campo das tecnologias de convergência – Internet e redes sociais.


23 de outubro de 2018, 15h39

“ZapGate” é o último ato da guerra híbrida

Cinicamente a Globo chama de “guerra virtual” para encobrir o caráter assimétrico da batalha do disparo de milhões de notícias falsas com apoio empresarial pela campanha de Jair Bolsonaro - o "ZapGate"


10 de outubro de 2018, 18h49

Bolsonaro é um avatar. Como enfrentá-lo?

A Nova Direita tem o mesmo elemento de estetização da política criada pelo fascismo histórico: a narrativa ficcional cômica – de programas de humor da TV, Bolsonaro despontou como um “mito” de quem ria-se e não se levava a sério. Por isso, circulou livremente. Hoje, é o protagonista do “gran finale” da guerra híbrida. Como enfrentar um avatar?


25 de setembro de 2018, 22h27

Bolsonaro X Haddad no segundo turno? Guerra híbrida continua vencendo

Para além do impeachment e a prisão de Lula, há um objetivo semiótico mais insidioso: polarização (petismo X anti-petismo) e despolitização - infantilização do debate político através do ódio e irracionalidade de uma opinião pública que se acostumou a odiar a Política. E nesse momento, a grande mídia busca mais uma “bala de prata” para turbinar a polarização


18 de setembro de 2018, 20h17

Por que teledramaturgia da Globo está assombrada com o Tempo e a História?

Sabe-se que em ano eleitoral o laboratório de feitiçarias semióticas da emissora funciona em tempo integral. O que essa recorrência pode significar dentro desse contexto? Nova bomba semiótica? Ou o sintoma do temor de uma emissora hegemônica que sabe da importância do atual cenário eleitoral?


10 de setembro de 2018, 16h40

Atentado a Bolsonaro foi um tombo para cima?

De uma reunião sigilosa de Bolsonaro com o Grupo Globo no início da semana à euforia dos 1.000 pontos do mercado financeiro ao saber da facada no candidato terminando com uma cobertura emotiva e apelativa no Jornal Nacional com vídeo exclusivo de Bolsonaro falando de Deus, da maldade humana e descrevendo o atacante como um “lobo solitário”, fecha-se o roteiro típico de um filme ou HQ: Bolsonaro foi promovido a “Mito Plano B” do consórcio jurídico-midiático – um final feliz com um tombo para cima?


04 de setembro de 2018, 16h35

Tautismo Global, sincronismos e ironias no incêndio do Museu Nacional

No Manifesto Futurista, Marinetti falava em “destruir museus” para libertar as consciências dos “inúmeros cemitérios”, e nos prepararmos para o futuro. Em visita ao Rio em 1926, Marinetti repetiu tudo isso e viu no Brasil um país futurista porque não teria “nostalgia das suas tradições”... Claro, Marinetti era um iconoclasta. Mas o Brasil é mais realista que o rei. Leva ao pé-da-letra coisas como “austeridade fiscal” (cuja realização máxima foi, até aqui, a “PEC da Morte”) que até o próprio FMI criticou em 2016. O incêndio do Museu Nacional foi um acontecimento irônico e sincrônico, na cidade em que Marinetti via a “realização acidental” do futurismo: resultado do neoliberalismo levado à sério num momento em que o fascismo se aproxima no segundo turno das eleições


31 de agosto de 2018, 16h41

A nova bomba do laboratório de feitiçarias semióticas da Globo: “1+1=3”

O leitor deve conhecer ou ter ouvido falar daquela velha cartilha escolar de alfabetização de priscas eras chamada “Caminho Suave”, o be-a-bá do mundo das letras. Pois é nesse nível que interesseiramente se situam as chamadas “ferramentas de fact-checking”. Tática diversionista para desviar a atenção da opinião pública de uma outra cena na qual as notícias de fato funcionam: não no campo da representação (verdade ou mentira), mas no deslizamento metonímico das edições, escaladas, justaposição narrativa para criar percepções, impressões e relações de causa e efeito


23 de agosto de 2018, 16h02

Se a Globo fosse uma pessoa, como ela seria?

Como seria a Organização Globo, principalmente após a decisão da Comissão de Direitos Humanos da ONU para que Lula possa exercer seus direitos políticos enquanto estiver na prisão? Entre simplesmente ignorar a notícia e, depois, rebaixá-la a “fake news", se a Globo fosse uma pessoa, estaria com sérios sintomas de esquizofrenia midiática e formações reativas psíquicas que vão de “negação” a “transbordamento”