sexta-feira, 25 set 2020
Publicidade

Por que Wall Street investe na deficitária indústria de Hollywood?

Franquias hollywoodianas como “Jurassic World”, “Star Wars” e “Velozes e Furiosos” são celebradas pela grande mídia como responsáveis por supostos recordes históricos na indústria do cinema dos EUA. Porém, essa é a superfície de uma auto-imagem que Hollywood faz questão de criar, girando em torno do glamour do Red Carpet e mansões de atores-celebridades nas colinas de Beverly Hills. Porém, a realidade é outra: apenas 5% dos filmes a cada ano são rentáveis. O restantes fica entre pesadas perdas e a falência. Mas desde os anos 1980 cresce o investimento dos fundos de Wall Street nos grandes estúdios e independentes, apesar do negócio ser incerto e com lucros decrescentes diante de filmes com orçamentos e retorno imprevisíveis. Por que os ricos fundos de investimento de Wall Street continuam a financiar produções do cinema, quando poderiam investir em negócios mais seguros? É a pergunta que faz o artigo “The Hollywood Economics” de Sophie Leech, do site “The Market Mogul”. Afinal, qual é o tipo de lucro procurado por Wall Street? Financeiro ou ideológico e político?

Hollywood criou em torno de si, principalmente na sua fase de ouro no pós-guerra, a aura de um negócio que supostamente seria uma verdadeira mina de ouro: superproduções, recordes sucessivos de bilheterias, atores milionários morando em mansões nas colinas de Beverly Hills, o glamour do “Red Carpet” nas premiações do Oscar com atores, diretores e técnicos vestindo caríssimas grifes, merchandising e “product placement” em filmes recheados de caríssimos efeitos especiais etc.

Mas tudo isso parece ser apenas a imagem mercadológica do negócio. Observando os números frios e pouco divulgados sobre a indústria do cinema dos EUA, podemos ficar surpresos. Apenas 5% dos filmes produzidos a cada ano são rentáveis. Entre 15 a 20% quebrará e 65 a 75% terão pesadas perdas financeiras.

O público nos cinema tem diminuído desde 1948, principalmente agora com o crescimento da oferta de streaming como o Netflix, Amazon e Time Warner – destaca-se ainda o recente crescimento dos negócios de aquisições com a compra da AT&T pela Time Warner.

Os números da economia hollywoodiana transformam o negócio do cinema nos EUA como uma das indústrias menos bem sucedidas do mundo. No entanto, muitas grandes e pequenas empresas continuam investindo nesse ambiente de negócios implacável.

Por que os ricos fundos de investimento de Wall Street continuam a financiar produções do cinema de Los Angeles, quando poderiam investir em negócios mais seguros como, por exemplo, startups do Vale do Silício? Por que continuam a comprar direitos de um pedaço de propriedade intelectual de um roteiro, pagam um salário exorbitante para um ator-celebridade e, em troca, recebem uma quantidade de lucros cada vez mais decrescente?

Wall Street investe contra si mesma?

Essas são questões levantadas por Sophie Leech no artigo “The Hollywood Economics – Is Tinsel Town Losing Its Sparkle?” no The Market Mogul, site dedicado a análises de economia global – clique aqui.

Leech mostra como Hollywood  evita apresentar detalhes sobre os termos dos negócios de distribuição, financiamento e subsídios. Qualquer tentativa em buscar a fundo essas informações, é barrada pela resistência e pouca transparência nos negócios dos maiores players do mercado desde a década de 1950: Columbia, Disney, Paramount, Warner Brothers e 20th Century Fox.

E para tornar ainda mais aparentemente irracional esse interesse de Wall Street por Hollywood, desde a crise financeira global de 2008 a série de filmes sobre o episódio produzido desde então (Margin Call, A Grande Aposta, O Lobo de Wall Street etc.), filmes críticos que denunciam a ambição, fraudes e mentiras dos mercados financeiros, são eles próprios financiados por fundos hedge de Nova York. 

“Margin Call”, “A Grande Aposta” e “O Lobo de Wall Street”: Wall street faz autocrítica?

Participação que só aumenta desde 1980, inclusive nas produções de estúdios independentes  como a Catch 22 Entertainment, Lionsgate e a própria Regency Enterprises, produtora do Oscar de Melhor Filme A Grande Aposta (2015) – sobre isso clique aqui.

Wall Street investe em filmes que revelam seus próprios podres à opinião pública? E o que é pior, com lucros decrescentes?

Hollywood: um negócio deficitário

Antes de um novo produto ser lançado ao mercado, as empresas realizam pesquisa de mercado para estabelecer a probabilidade de um novo modelo ter sucesso. Isso é impossível para Hollywood. Nenhum modelo analítico consegue prever os gostos dos espectadores, sempre em constante mudança. 

O orçamento médio de um filme de grande estúdio chega a 40 milhões de dólares, enquanto nos independentes é de 25 milhões em média. Mas essa imprevisibilidade do negócio pode elevar o orçamento total para 100 milhões de dólares. 

Com o número decrescente de espectadores nos cinemas, as vendas externas são uma fonte crítica de receita, principalmente para filmes independentes. Porém, dependem de grandes nomes muito bem remunerados como Jennifer Lopez e Tom Cruise, atores-celebridade com forte penetração na França e na China.

Porém, sofre a crescente concorrência de Bollywood (a indústria do cinema da Índia) e Nollywood (a Hollywood nigeriana) que não dependem de vendas externas. Ao contrário dos EUA, seu forte é o mercado interno explorando a cultura cotidiana local. 

Enquanto os EUA produziram 476 filmes em 2012, Bollywood  lançou 1.602 filmes e Nollywood 1.844 filmes. Por isso, mídia inovadoras como Netflix procuram cada vez mais criar conteúdos locais em séries e filmes como, por exemplo, Narcos ou a produção de minissérie sobre a Operação Lava Jato no Brasil – clique aqui.

Enquanto isso, estratégias mercadológicas como o “product placement” (colocação de produtos em filmes) e o merchandising cobrem muito pouco os custos da produção. Por exemplo, a Heineken pagou US$ 45 milhões para apresentar sua cerveja ao invés do típico Martini de James Bond em Skyfall. Uma contribuição de apenas 4,5% em relação ao custo total.

Por que Wall Street investe em Hollywood?

Voltamos à questão inicial: por que, contrariando a racionalidade econômica, fundos de investimento de Wall Street investem cada vez mais em um negócio tão deficitário e arriscado como a indústria cinematográfica de Hollywood?

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Wilson Ferreira
Wilson Ferreirahttps://revistaforum.com.br/cinegnose
Mestre em Comunição Contemporânea (Análises em Imagem e Som). Jornalista e professor na Universidade Anhembi Morumbi nas áreas de Estudos da Semiótica e Linguagem Audiovisual. Pesquisador e escritor, co-autor do "Dicionário de Comunicação" pela editora Paulus, organizado pelo Prof. Dr. Ciro Marcondes Filho e autor dos livros "O Caos Semiótico" e "Cinegnose – a recorrência de elementos gnósticos na produção cinematográfica" pela Editora Livrus.