terça-feira, 29 set 2020
Publicidade

Quero Ser John Malkovich: Reencarnação e Identidade pelo ponto de vista Gnóstico

Um filme estranho, bizarro e esquisito. A partir de um argumento absolutamente nonsense ( Um homem consegue um novo emprego. Lá encontra uma porta, escondida, que leva até a mente do ator John Malkovich, onde pode permanecer durante 15 minutos, até ser cuspido numa estrada. Impressionado com a descoberta, resolve alugar a passagem para outras pessoas, dentre elas o próprio John Malkovich) o filme aborda profundos simbolismos em torno da Identidade e Reencarnação.

Diferente da maioria das religiões ocidentais, o objetivo final gnosticismo não é encontrado na vida após a morte. Os gnósticos procuraram se tornar “Cristos vivos”, ou seja, buscar vencer a ignorância e a morte. Neste estado, os mistérios da criação e não só iriam se manifestar, o tempo e o espaço se dissolveriam diante da consciência, e todas as ilusões da realidade entrariam em colapso. Como podemos perceber nessas duas passagens dos evangelhos apócrifos de Felipe e Tomé:

“Se você viu Cristo, tornou-se Cristo
Essa pessoa não será mais um cristão, mas o próprio Cristo
Se alguém consegue conquistar a ressurreição, jamais morrerá”
(Evangelho de Felipe)

“Jesus disse: Quem beber da minha boca se tornará como eu, eu mesmo passarei a ser essa pessoa,
e as coisas ocultas serão reveladas a ele”
(Evangelho de Tomé)

O Gnosticismo vê na reencarnação uma perversa estratégia do Demiurgo (Yaldabaoth, o falso deus, criador do cosmos material que, inebriado pelo poder, acredita ser a única divindade reinante no universo) para nos manter presos nesse mundo através do esquecimento. Condenados a recomeçar sempre do zero, não somamos conhecimentos, esquecemos por subtração.
Para muitos gnósticos, a falha em alcançar esse objetivo simbolicamente significava ficar aprisionado dentro do círculo infinito do dragão cósmico que come o seu próprio rabo, o Ouroboros (veja figura abaixo).

“Mas o que é aparente é que o Gnosticismo despreza a reencarnação, tanto quanto a condenação eterna ou a extinção.A razão óbvia é que ser preso dentro do Ouroboros implica no veneno do esquecimento contínuo e ignorância, opostos ao antídoto libertador da Gnose. Uma vida ou mil é tão inútil, a menos que um indivíduo possa acender a centelha divina e tornar-se como Cristo. Apesar da imagem dos gnósticos ser a de smísticos tranqüilo, a verdade é que o gnosticismo tem subjacente um sentido de urgência que, como a reencarnação, também está ausente da maioria das religiões ocidentais.” (CONNER, Miguel. “Do Gnostics Believe in Reincarnation?” In: Aeon Byte, disponível em http://aeonbyte.blogspot.com/2010/03/examiner-article-do-gnostics-believe-in.html)

Reencarnação é esquecimento, a condenação de recomeçar sempre do zero. Isso significaria a perda da identidade. Um filme que magistralmente faz uma parábola dessa questão é o enigmático e surreal filme Quero Ser John Malkovich

A marionete é o símbolo principal desse filme. Além do simbolismo óbvio presente na narrativa (Craig – John Cusack – utiliza-se da sua habilidade de titereiro para manipular identidades e a marionete como paralelo à condição manipulada de John Malkovich), há um significado mais profundo: as marionetes são descendentes diretos dos antigos ídolos divinos, adorados e animados pelos seus sacerdotes.

Victoria Nelson no livro The Secret Life of Puppets demonstrou como na cultura popular do século XX temos um aumento do fascínio por autômatos e bonecos com o surgimento do conceito marionete-mestre (humana ou divina) inserida dentro de uma cosmologia gnóstica das relações entre homem/autômato e homem/deus . Esse fascínio por autômatos ou marionetes dentro desse gnóstico esquema simbolizaria a maneira pela qual podemos avaliar a própria experiência humana, ou seja, como nos vemos como prisioneiros dentro de um cosmos hostil. Além disso, as marionetes se metamorfosearam, na modernidade, em figuras como robôs, ciborgues, andróides e, mais recentemente, na hibridação do corpo humano. Só que, agora, com um ingrediente a mais: a criação de uma mediação para a qual a consciência humana se transfira e transcenda a prisão da carne. O anseio humano em migrar para mediações idealmente modeladas.

O filme simboliza esse anseio pelas mediações em diversos momentos. Podemos observar isso em dois diálogos. Após Maxine transar com Malkovich sabendo que Lotte estava na sua cabeça, provocativamente comenta com Craig:

Craig: Você me tortura de propósito?
Maxine: Eu me apaixonei.
Craig: Acho que não. Eu me apaixonei, e pessoas apaixonadas ficam assim.
Maxine: Escolheu o tipo não correspondido. Isso faz mal para a pele!
Craig: Você é má Maxine!
Maxine: Sabe como é ter duas pessoas olhando para você, com total luxúria e devoção através do mesmo par de olhos?

Pessoas apaixonadas umas pelas outras, mas que necessitam de mediações para consolidarem os relacionamentos. Uma espécie de sexo platônico onde o objeto da paixão é visto através de olhos ideais, despertando impulsos exibicionistas em Maxine. Ou a aspiração pelas mediações decorre da negação da condição física atual:

Primeiro cliente da JM Inc.: Quando dizem que posso ser outro o que querem dizer?
Craig: É exatamente o que dissemos. Podemos colocá-lo no corpo de
outra pessoa por 15 minutos.
Primeiro cliente da JM Inc.: Posso ser quem eu quiser?
Craig: Bem, você pode ser John Malkovich.
Primeiro cliente da JM Inc.: Perfeito! É minha segunda escolha, mas é maravilhoso. Sou um homem gordo. Sou triste e gordo.”

A Reencarnação e a Mediação

Esta discussão liga-se ao tema da Identidade, associada, também, à questão da Mediação e da Reencarnação: ser através do Outro (pessoa, marionete etc.). E também a revolta e o desejo de se libertar das cordas que controlam a identidade: quem o manipula, quem está, na verdade, dentro de você controlando-o?

A primeira seqüência do filme sintetiza esta dupla dimensão do tema da Identidade. Vemos Craig manipulando uma marionete e fazendo o que ele denomina de “Dança do Desespero e da Desilusão”. Craig manipula a marionete como uma mediação para si mesmo, como ele diz a certa altura do filme (na voz de uma marionete): “Craig, por que você gosta tanto de marionetes”, pergunta Maxine. “Maxine, não tenho certeza. Talvez seja a idéia de ser outra pessoa por um instante. Estar em outra pele, pensar e mover-se diferentemente, sentir de outra maneira”, diz a marionete de Craig. Ao mesmo tempo, o boneco olha para cima, descobre que não passa de uma marionete, revolta-se e começa a quebrar o quarto em miniatura no pequeno palco da oficina de Craig. O boneco revolta-se com a sua condição e quer libertar-se do manipulador. Será a condição de John Malkovich mais à frente na estória.

O que temos aqui é o tema da crise de identidade no mundo contemporâneo. Craig é um titereiro que, embora talentoso, está desempregado. Sua esposa Lotte fala que ele deveria arrumar um pequeno emprego. “Quem vai querer contratar um titereiro numa economia invernal como a de hoje”.

Craig passa de titereiro talentoso a arquivista na Lestercorp (por ter mãos rápidas) e, após o trabalho, explora o “bico” de ganhar dinheiro com o portal que conduz à cabeça de John Malkovich. Mas, nessas três situações, há uma coisa que as une: a busca de uma mediação que o faça transcender a sua vida frustrada e melancólica: no começo, as marionetes e, no final, a cabeça de John Malkovich.

No primeiro caso, a transferência é simbólica, no segundo é literal: transferir sua consciência para a Mediação. A narrativa associa esta transferência a um aspecto religioso ou místico: a reencarnação.

Todos os personagens centrais do filme, e os clientes da JM Inc., querem viver os 15 minutos na cabeça de John Malkovich. Procuram transferir-se para uma mediação como forma de transcenderem das suas existências infelizes. É uma parábola do espírito de final de século, onde as novas tecnologias do virtual vão oferecer através de avatares, perfis criados em blogs, orkuts, twitters etc. a possibilidade de viverem outras ou múltiplas identidades. No filme os personagens perceberão que é uma falsa gnose.

Ao contrário, o grupo do Dr. Lester procura a verdadeira gnose. Pretende alcançar a vida eterna pregando um “pequeno” golpe no Demiurgo: driblar a lei da Reencarnação. A mitologia gnóstica vê na reencarnação uma perversa estratégia do Demiurgo para nos manter presos nesse mundo através do esquecimento. Condenados a recomeçar sempre do zero, não somamos conhecimentos, esquecemos por subtração. O grupo de Lester alcança a imortalidade não mais reencarnando, mas transferindo a consciência para um “corpo recipiente” na sua fase mais madura em termos de consciência e formação mental. Eles têm até a meia-noite do dia designado para transferirem-se, pois, caso contrário, “seriam absorvidos, presos, enjaulados no cérebro do anfitrião, impossibilitado de controlar qualquer coisa, sentenciados a ver o mundo através dos olhos de outra pessoa”, como afirma Dr. Lester. Ou seja, a prisão da Reencarnação, tal qual denunciada pelo Gnosticismo. Enquanto Craig, Maxine e Lotte querem transferir-se para a mediação pelo desejo de ver o mundo através dos olhos de outras pessoas, o grupo de Lester quer mais do que isso: mantendo intacto o núcleo da consciência, pular de um corpo para o outro alcançando a imortalidade e mantendo a identidade.

Ficha Técnica:
  • título original:Being John Malkovich
  • duração:01 hs 52 min
  • ano de lançamento:1999
  • estúdio:Propaganda Films
  • distribuidora:USA Films / UIP
  • direção: Spike Jonze
  • roteiro:Charlie Kaufman
  • produção:Steve Golin, Vincent Landay, Sandy Stern e Michael Stipe
Wilson Ferreira
Wilson Ferreirahttps://revistaforum.com.br/cinegnose
Mestre em Comunição Contemporânea (Análises em Imagem e Som). Jornalista e professor na Universidade Anhembi Morumbi nas áreas de Estudos da Semiótica e Linguagem Audiovisual. Pesquisador e escritor, co-autor do "Dicionário de Comunicação" pela editora Paulus, organizado pelo Prof. Dr. Ciro Marcondes Filho e autor dos livros "O Caos Semiótico" e "Cinegnose – a recorrência de elementos gnósticos na produção cinematográfica" pela Editora Livrus.