Cinegnose

por Wilson Ferreira

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
17 de outubro de 2010, 16h55

Uma “teologização” do Espiritismo no filme “Nosso Lar”

Se aspectos da divisão do trabalho na produção e o meio de distribuição e produção influenciam a estética e conteúdo do filme, então “Nosso Lar” é um bom exemplo. Para adequar o livro original às exigências internacionalizadas de produção e distribuição, “Nosso Lar” teologiza o Espiritismo e o enquadra dentro de um “ecumenismo pós-moderno” da ideologia da nova ordem mundial globalizada.

Muito se discute nos estudos acadêmicos sobre cinema como o meio produtor dos filmes (grupo de autores, técnicos, colaboradores da criação) ou os aspectos socioeconômicos (filme de produção independente ou não, aspectos de distribuição etc.) influenciam ou condicionam os conteúdos das produções.

O que mais vem chamando a atenção na área das pesquisas cinematográficas nas últimas décadas são as consequências da crescente internacionalização e globalização da divisão do trabalho da produção cinematográfica.
Por exemplo, autores como Prokop (MARCONDES FILHO, Ciro. Dieter Prokop, Coleção Grandes Cientistas Sociais, São Paulo: Ática) tem um particular interesse no que ele chamava de “análise da estrutura do produto cultural de monopólio”, isto é, como uma determinada forma de produção e distribuição monopolista do cinema norte-americano generalizava uma linguagem clichê ou estereotipada que, no final, refletia as condições econômicas de produção com as mesmas características.

Na atualidade, autores como Renato Ortiz ou Armand Mattelart (ORTIZ, Renato, Mundialização e Cultura e MATTELART, Armand, A Globalização da Comunicação) apontam para o fenômeno da “mundialização da cultura”. A época dos monopólios dos conteúdos norte-americanos foi substituída pelo movimento do “multiculturalismo”. Hoje todas as culturas nacionais podem, aparentemente de forma democrática, ter acesso ao mercado mundial, desde que sejam formatadas pelas rígidas categorias mais abstratas da produção cultural mercadologicamente bem sucedida: adaptação do produto cultural às exigências de uma linguagem globalizada (fotogenia, estilização, signalização, estereotipagem, estandartização etc).

As empresas cinematográficas distribuidoras funcionariam como verdadeiros gatekeepers, dando a chancela para produtos e conteúdos nacionais que sejam formatados pelo padrão de linguagem globalizada. O resultado é uma produção cinematográfica cuja divisão do trabalho é internacionalizada: cada etapa da produção cinematográfica (locações, composição e produção da trilha musica, pós-produção etc.) realizada em países e empresas diferentes.

O resultado são conteúdos nacionais filtrados por um padrão internacionalizado de linguagem: generalização e estereotipação mercadológica. A questão passa a ser a seguinte: até que ponto a integridade dos conteúdos (fidelidade ao conteúdo original, caráter nacional etc.) não estaria comprometida com essa filtragem?

Nosso Lar, O Filme


“Nosso Lar” é um filme brasileiro de sucesso estrondoso de público que parece ser um exemplo flagrante dessa “mundialização” do cinema brasileiro. Desde sua concepção, o filme foi “aerodinamizado” para isso, desde a coprodução com a Globo Filmes e a direção de Wagner de Assis (roteirista bem sucedido de filmes de grande sucesso de público como “Xuxa e os Duendes”, “Xuxa Requebra” e “Popstar”).

Confrontar o filme com o livro original de Chico Xavier/André Luiz para cobrarmos fidelidade é perda de tempo de qualquer crítica cinematográfica. Afinal, livro e cinema são mídias diferentes, cada qual com suas exigências próprias. Porém, no caso de “Nosso Lar” chama a atenção de como as exigências de mercado globalizadas (distribuição do filme feita pela 20th Century Fox) afetam o seu conteúdo de forma particular.

Como o próprio site oficial do filme apresenta nas notas de produção, o processo inicial de elaboração do roteiro começou com grupos de debates na sede da Federação Espírita no Rio de Janeiro. Porém, o resultado final foi a tradução do conteúdo espírita através da teologia católica e do ecumenismo pós-moderno para uma maior compreensão/aceitação da narrativa pelo grande público.

Sabemos que a doutrina Espírita não tem uma teologia: ela pretende ser uma ciência dos espíritos e, portanto, um estudo empírico e prático da realidade espiritual como campos vibratórios e fenômenos derivados do magnetismo. Todas as suas implicações éticas e morais podem ser sintetizadas na Lei da Ação e Reação, lei científica (influência do Positivismo reinante no século XIX, época do surgimento do Espiritismo pelos estudos de Allan Kardec) que procura explicar o destino do espírito não pelo julgamento religioso (pecado/salvação), mas pelas leis da evolução. Cada intencionalidade por trás de cada ação implica, no plano astral, em campos vibratórios mais ou menos “densos”, podendo criar entraves para a evolução do espírito.

Porém, “Nosso Lar” traduz essa lei sutil de forma religiosa: Ação/Reação é substituída por Pecado/Punição. Um sintoma disso é como a personagem feminina Eloisa é apresentada no filme. No livro de Chico Xavier Eloisa aparece apenas no capítulo 19 (“A Jovem Desencarnada”) como uma jovem perturbada pela revolta por ter morrido tão cedo vitima da tuberculose, deixando o seu noivo na Terra. Dos 50 capítulos do livro, em apenas um a personagem é abordada apenas como exemplo de doenças espirituais decorrentes de perturbações vibratórias.

Mas no filme ela ganha um surpreendente espaço como aquela que, revoltada, tenta quebrar a hierarquia do Nosso Lar, fugir da cidade para, por conta própria, descer na Terra e reencontrar o noivo. Isso sem antes tentar André Luis, sabendo que também ele estava ansioso para rever sua família. André resiste à tentação e permanece nos limites dos portais do Nosso Lar, vendo Eloísa partir. Algumas cenas depois, Eloísa é resgatada num estado espiritual e mental pior ainda. Não resistiu às vibrações do Umbral. Pecado (quebra da hierarquia) e Punição (vítimas das entidades umbralinas). No livro Eloísa é um mero exemplo factual. No filme ganha dimensão moral, como exemplo do castigo em reação ao pecado.

Aliás, a representação do Umbral no filme tangencia com o purgatório ou inferno católicos. No livro a região é descrita como resultante das formas-pensamento humanas (noção Teosófica influenciando o Espiritismo) em densos campos vibratórios. No filme aparece como resultante da Providência Divina para punir as más ações na Terra.

As descrições dos aspectos do mundo espiritual são, no filme, substituídas pela personalização da narrativa em André Luís. Seguindo o paradigma Vogler de roteiro (a Jornada do Herói): Queda, resistência à missão, aceitação, tentação, “duelo final” (voltar à Terra e encontrar sua esposa com outro marido) e redenção.

Um sintoma disso é o episódio final da visita de André Luis a sua família na Terra. Se no livro ele é acompanhado por um grupo, cercado de todo um protocolo de segurança devido aos perigos vibratórios e magnéticos de tal empreitada, no filme ele vai sozinho, para ficar mais evidente na narrativa a natureza de “duelo final” da sequência.

Ecumenismo Pós-Moderno

E, finalmente, o ecumenismo pós-moderno. Sintonizado com uma ideologia globalizante vigente do mundo corporativo até a mídia e publicidade, o filme transforma a cidade de Nosso Lar em um ecumênico encontro de religiões e nacionalidades. Se nos livros que compõem a coleção Nosso Lar é evidente a especificidade cultural, nacional e linguística de cada cidade espiritual (por serem ainda próximas à crosta terrestre. Nosso Lar, por exemplo, estaria sobre o Rio de Janeiro), no filme temos uma metáfora da ideologia globalizante e ecumênica: as diferenças nacionais e religiosas são ilusórias, meros sinais do egoísmo humano.

Por exemplo, no prédio de um dos Ministérios da cidade vemos símbolos de diversas religiões co-habitando no mesmo espaço. Tal como na ideologia da Nova Ordem Mundial da Globalização, nações e religiões são subprodutos da imperfeição humana, devendo desaparecer numa nova ordem moral.

Se as análises materialistas cinematográficas estiverem certas, as condições econômicas e aspectos da divisão do trabalho na produção influenciam na estética e conteúdo. “Nosso Lar” seria, então um exemplo como demonstra a nota de produção VII do site oficial do filme:

“O “bom dia” era em português, com sotaque brasileiro. Logo, uma conversa em inglês se estabelecia entre a equipe de fotografia, liderada pelo suíço Ueli Steiger, radicado em Los Angeles há mais de 20 anos. (…) Logo o assistente de direção Rafael Salgado, que, embora soubesse inglês razoavelmente, preferisse se expressar em francês, se aproximava de Ueli para passar as cenas do dia. Ueli respondia em francês. O supervisor de efeitos visuais que esteve no Brasil foi o russo Kev Kolobov, embora o supervisor de efeitos visuais do filme seja o americano Geoff Scott. (…) Na hora do almoço, Ueli ligava para seus familiares e falava em alemão. Iafa Britz, de vez em quanddo, cantava algumas músicas em hebraico” (“Notas de produção” disponível em http://www.nossolarofilme.com.br/).


Concluindo, “Nosso Lar” como um produto globalizado que visa grandes bilheterias e, principalmente, mercados internacionais e a chancela de grandes empresas distribuidoras, teve que adaptar ou filtrar a obra de Chico Xavier dentro de uma expectativa estereotipada de público para um filme com temática “religiosa”: ecumenismo pós-moderno, teologia católica e ideologia globalizante.

Um contra-ponto disso seria o filme “Bezerra de Menezes” (2008) de Glauber Filho e Joe Pimentel, já analisado nesse Blog (veja links abaixo) que rompe com esse ciclo vicioso dos estereótipos do sagrado e do religioso na mídia.


Ficha Técnica

  • Filme: Nosso Lar
  • Direção: Wagner de Assis
  • Roteiro: Wagner de Assis
  • Elenco: Renato Prieto, Fernando Alves, Rosane Mulholland, Othon bastos, Paulo Goulart, Inês Viana
  • Produção: Iafa Britz (Cinética Filmes e Co-produção Globo Filmes)
  • Distribuição: 20th Century Fox.
  • Ano: 2010
  • País: Brasil





Postagens Relacionadas:


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags