Convergência Midiatica

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
20 de março de 2011, 08h21

As transformações nos veículos de comunicação de massa – Parte II

No início da análise sobre as transformações pelas quais estão passando os veículos de comunicação de massa (clique aqui para ler) afirmei que o principal problema está relacionado à distribuição dos conteúdos e das mensagens publicitárias. A razão disso é que a sociedade está mudando e os veículos de mídia tradicionais, principalmente a televisão, atendiam aos propósitos de uma sociedade industrial, de massa, voltada para o consumo e prestação de serviços. Mas, no final dos anos de 70 e início dos 80, a economia mundial começou a experimentar a transferência dos investimentos financeiros da produção industrial para os mercados de capital, o que provocou uma desmassificação da sociedade, conforme afirma Alvin Toffler.

Isso quer dizer, que ao invés dos lucros gerados pelos investimentos na produção de bens e materiais (o que gera emprego em fábricas e postos de trabalho), os lucros passaram a vir dos investimentos no mercado financeiro (que acaba com milhares de empregos). Desta forma, a sociedade foi deixando ao poucos a sociedade industrial para dar lugar à sociedade da informação, onde a flexibilidade e a inovação passaram a ser as regras dessa nova fase. As empresas foram obrigadas a se adaptarem às mudanças, bem como os trabalhadores, investindo mais em qualificação (estudos). Como resultado, o papel das empresas mudou, bem como o do homem e da mulher. Aquela figura clássica da família dos anos 50 e 60, reunida em torno da televisão após a chegada do chefe da família de um longo dia de trabalho na fábrica está longe de representar a configuração da família atual nos grandes centros econômicos.

O caso americano é um bom exemplo para configurarmos como esta transformação da economia se tornou um desafio para as emissoras de televisão e demais veículos de comunicação de massa. Enquanto no Brasil o processo de industrialização se deu a partir da Segunda Grande Guerra, nos EUA o processo se iniciou ainda no século XIX e dentro desse período os EUA se tornaram o país mais industrializado do mundo. Ao final da Segunda Guerra, os americanos se tornaram a maior economia do planeta, sendo responsável pela fabricação de 80% dos automóveis em todo mundo e, também, o maior produtor de petróleo. Com a destruição da capacidade industrial na Europa e Japão, os EUA exportavam para os países envolvidos no conflito uma infinidade de produtos e materiais utilizados na reconstrução das cidades destruídas pela guerra. Durante mais de 40 anos, os EUA prosperaram e enriqueceram. Porém, a partir dos anos de 80, a administração Ronald Reagan iniciou um processo de desregulamentação do mercado financeiro dos EUA e ficou muito mais atrativo investir no mercado de ações do que fabricar produtos. Esta desregulamentação continuou no governo Clinton, acentuou no governo Bush filho e continua no governo de Barack Obama, permitindo ao mercado financeiro investimentos em derivativos e opções subprime de forma descontrolada, o que acabou por provocar a maior crise do capitalismo desde a crise de 29, em 2009.

Paralelo à desregulamentação do mercado financeiro, a queda do Muro de Berlin, em 1989, permitiu que empresas do Ocidente se instalassem em países da Ásia, tornando empresas americanas em off-shore, onde uma empresa deixa seu país e se instala em um outro país, produzindo seus produtos com mão-de-obra e matéria-prima local, quase sempre pagando salários muito inferiores do que seriam pagos no país de origem.

Desta forma, a televisão, que nos áureos tempos da sociedade industrial entretia e informava quase a totalidade das famílias americanas com sua programação repleta de anunciantes, vê agora o desenvolvimento de novas mídias que atendem a essa nova classe de trabalhadores, mais qualificados ( e mais exigentes), com horário de trabalho flexível e desenvolvendo novos papais na sociedade, de uma forma muito mais eficaz do que a televisão atual. E o mercado publicitário está percebendo esta mudança e segue o consumidor seja em qual mídia for. Nos EUA, a internet já atrai mais anunciantes do que os jornais impressos ficando atrás apenas da televisão e das revistas.

Isso também está acontecendo aqui no Brasil, mas com uma diferença: a estabilidade econômica e o desenvolvimento da capacidade industrial brasileira estão proporcionando bons índices de emprego e renda, permitindo às famílias investirem em novas plataformas de distribuição de conteúdo, seja a internet banda larga ou a TV por assinatura.

Como a indústria televisiva, que nasceu e foi estruturada para atender as demandas de uma sociedade de massa pode lidar com este novo cenário altamente competitivo de novas mídias, sendo que o indivíduo já não assiste à TV da mesma forma?

Este é o grande desafio das emissoras de televisão atualmente.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags