Convergência Midiatica

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
14 de fevereiro de 2011, 16h31

Padrão de TV Digital brasileiro Conquista a América e parte para o Mundo

Texto publicado em: itvbr

A batalha sobre os padrões de TV Digital continua furiosa em várias partes do mundo em países que ainda não decidiram qual padrão utilizar para a migração da televisão analógica para a digital. O ano de 2010 termina com a maioria da América do Sul utilizando o mesmo padrão, e não é o europeu.

Más notícias para o Projeto DVB, no fim de 2010 outro país sul-americano decidiu revogar sua escolha pelo padrão europeu e juntou-se ao crescente padrão de TV Digital ISDB-T: o Uruguai. Três anos atrás, o grupo europeu viu-se orgulhoso com a escolha do país pelo DVB-T e DVB-H para transmissão de TV Digital fixa e móvel. Agora o governo da pequena, mas orgulhosa nação uruguaia se junta aos seus vizinhos, abraçando o ISDB-Tb.

Geopolítica

Claramente o presidente Mujica desejou colocar o país “em sincronia” com seus vizinhos. “A economia estava sendo levada em conta, mas o ponto de inflexão foi geopolítica“, disse o secretário da Presidêcia, Diego Cánepa. A União Européia “lamentou” a decisão e, em uma nota curta, disse que “uma oportunidade de colaboração foi perdida.”

Antecipando alguns anos atrás, muitos diziam que o ISDB-T poderia “conquistar a América Latina”, ou então “falhar redondamente“, sem meio termo. Se o ISDB-T ficasse restrito apenas ao Brasil, teria sido uma falha épica devido à falta de economia de escala. Finalmente, demorou muito, mais do que se pensava inicialmente, mas todas as peças foram se encaixando e agora o ISDB-Tb é o padrão escolhido pela América do Sul, se não todas as “Américas“.

Uma breve introdução do ISDB-Tb

Baseado no original Japonês ISDB-T mas “melhorado” com a adição da compressão H.264, como resultado das recomendações por pesquisadores e universidades brasileiras, o ISDB-Tb teve seu pulo do gato pela recepção do sinal “one-seg“, que permite a transmissão do sinal digital livre e grátis para dispositivos móveis e computadores portáteis com qualidade SD e HD. One-seg provou ser um recurso muito atraente para democratizar o acesso a notícias e informações em países em desenvolvimento. O desenvolvimento de um middleware próprio por pesquisadores brasileiros, o Ginga, foi a grande inovação do sistema. Construído com tecnologias livres e voltadas especificamente para o ambiente da TV Digital, o Ginga é hoje recomendação internacional para o desenvolvimento de aplicativos para TV Digital e dentre suas principais características, destaca-se a possibilidade de desenvolvimento de aplicações com cunho social, característica essencial para países em desenvolvimento.

Três anos atrás, o grupo DVB foi categórico sobre as perspectivas de adoção do DVB na região e um representante do grupo DVB chegou a dizer que os relatórios sobre os padrões de TV digital na América do Sul, favorecendo o ISDB-t continham “preconceito.”

Uruguai

Voltando em outubro de 2007, Leon Lev, que era o chefe do URSEC (Unidade Reguladora de Serviçoes de Comunicações do Uruguai), disse à revista Broadcaster que a escolha do DVB foi “oportuno, estratégico, e coloca o Uruguai na vanguarda da tecnologia nas Américas.” Em declarações à mesma revista, Rafael Inchausti, presidente da Associação Nacional Uruguaia de Radiodifusores – ANDEBU – não compartilhou da mesma visão e rotulou a escolha do governo como “apressada“: “Nós achamos que à pressa pode ser devido à conversas ou negociações que o Estado uruguaio poderia ter tido com organizações internacionais que apóiam este sistema ou dos governos que promovem esta norma.”

Recentemente, o Uruguai revogou a escolha a fim de se alinhar ao ISDB-T. André Barbosa, assessor especial da Casa Civil, disse sobre a situação: “Desde que o Uruguai adotou o DVB, os europeus não fizeram absolutamente nada, eles fizeram promessas e não cumpriram. Isto aconteceu também no resto do mundo, pois eles estão em crise.”

Neste ponto, o governo brasileiro ofereceu aos uruguaios uma série de empréstimos e planos de investimento que totalizam cerca de USD $60 milhões de dólares. Isto se os uruguaios concordassem em adotar o padrão nipo-brasileiro. Semana passada finalmente o governo uruguaio cedeu e juntou-se aos seus vizinhos Brasil, Argentina, Chile, Peru, Bolívia, Venezuela, Paraguai e Equador.

Argentina

Do outro lado da pequena lagoa do Uruguai, na Argentina, a TV Digital está finalmente começando a decolar. Embora o país tenha uma das mais elevadas taxas de penetração da TV a Cabo, a transmissão de TV Digital parece ser a bola da vez, mas até agora a transmissão digital está presa a alguns canais com recepção irregular.

Como parte dos seus esforços para “democratizar a mídia“, o governo argentino deu subsídios para a produção em 3 fábricas locais de 1.2 milhões de unidades de Set-top-Boxes, os quais seriam distribuídos para famílias de baixa renda que não dispõem de serviços de TV a Cabo. Além disso, criou quatro novos canais públicos para música, educação (estes gerenciados pelo Ministério da Educação do país, e que vai ao ar muitos documentários da BBC), um canal com programação para crianças chamado Paka Paka e outro canal chamado Incaa TV que exibe filmes do cinema latino americano e principalmente o cinema argentino. Um grande presente para a produção audiovisual do país que conta agora com um canal específico para exibição da produção cinematográfica local e como bem disse a presidente Cristina Kirchnner: “O lançamento do Incaa TV é parte de uma revolução cultural na argentina”.

Juntando os canais públicos com alguns canais privados que também transmitem o sinal digital, temos na Argentina um total de 10 canais transmitindo. O governo também está fazendo um investimento significativo para estações de transmissão em todo o país ligados por uma rede de fibra óptica ou satélite (dependendo da localização). Esta rede de TV Digital nacional já atingiu as capitais das províncias de Tucumán e Córdoba.

“Set-Top-Boxes ISDB-Tb ready” foram importados da China, e pouco antes da Copa do Mundo foram vendidos por US $200 dólares. Nos últimos meses, porém, os preços dos Set-Top-Boxes caiu para US $ 120 dólares e estão sendo fabricados localmente. Vale lembrar que estes set-top-boxes vêem preparados para interatividade, com o middleware Ginga “embutido“. Set-top-boxes sem o middleware Ginga e importados da China estão com preços de US $ 75 dólares. Recentemente TVs LCD com sintonizador ISDB-Tb fabricadas localmente apareceram nas lojas para vendas.

Américas

O sonho de uma América do Sul 100% padronizada foi por água abaixo na semana passada quando a Colômbia confirmou o padrão europeu como seu sistema de transmissão digital. A decisão da CNTV (Comissão Nacional de Televisão da Colômbia) foi até surpreendente porque primeiro a pouco mais de um mês a Colômbia revogou o acordo de adoção do padrão DVB-T por desgastes com o Grupo DVB, segundo porque a União Européia não cumpriu o acordo de investimentos para TV Digital no país, terceiro porque com a adoção do DVB-T, a Colômbia ficará “ilhada” na América do Sul como o único país com um sistema de TV Digital diferente, excluindo definitivamente a Colômbia dos negócios de TV Digital entre os países do bloco e quarto porque se a decisão fosse a favor do ISDB-Tb, toda América do Sul ganharia, inclusive a Colômbia, com aumento nos negócios de TV Digital e economia de escala.

Na América do Sul, outros 3 países ainda definem seus padrões de TV Digital: Suriname, Guiana e Guiana Francesa. Em recente workshop realizado no Suriname, a TAS – autoridade reguladora de telecomunicações do país – destacou o ISDB-Tb como o padrão mais “indicado” para o Suriname. Guiana deve seguir a mesma linha e adotar o padrão ISDB-Tb, já a Guiana Francesa possivelmente adotará o padrão europeu.

Na América Central, Costa Rica e Nicarágua já adotaram o padrão ISDB-Tb. A Costa Rica estuda adotar um programa parecido com o argentino: distribuir gratuitamente set-top-boxes para a população de baixa renda e instituições como centros educacionais. Esses set-top-boxes seriam fabricados localmente através de subsídios do governo. O programa também estimularia a redução de impostos para a compra de TVs. O governo da Costa Rica aposta na Copa do Mundo de 2014 no Brasil para alavancar a venda de televisores digitais no país.

Guatemala e Cuba devem ser os próximos países na América Central a adotarem o padrão ISDB-Tb. Membros do governo da Guatemala estiveram no Brasil em novembro para conhecerem de perto o padrão brasileiro. Um ponto que deve fazer com que a Guatemala decida pelo padrão ISDB-Tb é a possibilidade de transmissão do sinal digital a dispositivos móveis. Na Guatemala a penetração de aparelhos celulares na população chega a ser de 2 por habitante, o que contribuiria bastante para a inclusão social e digital. Em Cuba, a decisão está entre o ISDB-Tb e o DTMB (padrão Chinês). Como disse um dirigente cubano, a decisão da escolha será política. Sendo assim, o ISDB-Tb leva vantagem por ser adotado na maioria dos países na América e por possuir vantagens econômicas como investimentos por parte do Brasil nos países que adotam o padrão.

Outros países na América Central que acenam com a adoção do ISDB-Tb são Honduras, Belize e El Salvador.

Ásia

Em junho de 2010 as Filipinas foi o primeiro país asiático (fora o Japão) a adotar de forma oficial o ISDB-Tb. No acordo, Japão e Brasil cooperariam para o desenvolvimento da TV Digital no país. Atualmente Japão e Filipinas trabalham em um memorando de cooperação que prevê o treinamento de engenheiros filipinos no Japão e até a possível ida de engenheiros japoneses às Filipinas para treinamento de mão-de-obra. O governo japonês investirá também um uma fábrica local de set-top-boxes. Os filipinos buscam agora que o Japão também subside a fabricação de set-top-boxes nessa fábrica. A implementação do ISDB-T nas Filipinas esbarra nas normas de regulação da TV Digital. O grupo responsável por implementar essas normas será composto por membros do setor de radiodifusão, governo, indústria e outras partes interessadas. Só assim o ISDB-T poderá ser implementado no país. A projeção do governo é que a migração total ocorrerá até, no máximo, 10 anos.
Próxima batalha: África

Não é segredo para ninguém que o Brasil faz lobby para o seu padrão em outros continentes. A milhares de kilômetros de distância, o governo da África do Sul termina 2010 sem uma decisão firme sobre o seu padrão de TV Digital. Durante o ano de 2010, uma verdadeira guerra foi travada na África do Sul sobre a escolha de qual padrão deveria ser adotado: de um lado o lobby brasileiro a favor do ISDB-Tb, do outro a pressão européia a favor do DVB-T2. Enquanto alguns setores do governo sul-africano eram favoráveis ao padrão brasileiro, grande parte da indústria e imprensa sul-africana eram favoráveis ao padrão europeu. Com direito a “choros” em público, ameaças de processos contra o governo e apresentações tendenciosas a favor do DVB-T2, a mídia sul-africana conseguiu convencer a opinião pública de que a possível escolha do padrão brasileiro seria um “atentado” ao país. Os sul-africanos começaram a ver o padrão brasileiro como uma mistura de “gambiarra” e “desprezo“. Em minha opinião os sul-africanos ficaram aterrorizados com a possibilidade de adotarem um padrão de TV Digital de um país do “terceiro mundo” e não um padrão da “rica e bonita” Europa. O fato é que a pressão deu certo, porém, a SADC (Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral), ao invés de exigir a adoção do padrão europeu aos países da África, apenas “recomendeu” a adoção do DVB-T2, deixando a decisão final para cada país. E nisso o ISDB-Tb sai ganhando, países como Angola, Botswana e Moçambique já demonstraram interesse em adotar o padrão brasileiro e, combinando o fato de que o Grupo DVB não honrou compromissos anteriores e o padrão DVB-T2 não ter sido implementando em nenhum país do mundo, o ISDB-Tb sai ainda mais fortalecido.
Na África, o ISDB-Tb perdeu uma batalha, mas não a guerra. É bom ficar de olho.


Enquanto isso no Brasil

O Brasil é o país mais “antigo” a operar o ISDB-Tb, mas isso não quer dizer que seja de forma eficiente. Com 3 anos de lançamento da TV Digital no país, apenas 49 cidades recebem o sinal digital. Muitas ainda com recepção irregular. A falta de infra-estrutura, mão-de-obra e custo elevado de equipamentos é o grande calcanhar de aquilles da TV Digital no país. Falta também uma política de popularização da TV Digital e seus benefícios. Uma campanha feita pelo Fórum do Sistema Brasileiro de Televisão Digital sobre os benefícios da TV Digital mostrou-se ineficiente. Esperava-se uma atuação mais forte do governo com relação à massificação da TV Digital no país. 2010 passou, a interatividade não veio de fato e não temos conversores populares. Temos um ou outro conversor e celular com Ginga. Mesmo assim, o conteúdo interativo que deveria ser criado e transmitido pelas emissoras ainda é irrisório. É muito pouco para um país que exporta um padrão de TV Digital. As emissoras respondem que por ser uma tecnologia inovadora e recente, ainda não possuem um modelo para implementar e que o grande impasse técnico é o tempo: Como colocar um aplicativo interativo em um vídeo institucional ou break comercial de curta duração ?

O Brasil exporta TV Digital, mas ainda engatinha no seu uso. A boa notícia é que está previsto para o primeiro trimestre de 2011 a chegada de conversores com o chamado Ginga-Full (NCL, Lua e Java) no mercado a preços de no máximo R$ 200,00 com possibilidades de chegar a um preço de R$ 100,00.

Mas não só de percalços vive a TV Digital brasileira. Houve muitas conquistas. Se o governo deixa a desejar em ações dentro do país ele se mostra bastante eficaz fora dele. Em 3 anos, 11 países adotaram o ISDB-Tb. E há grandes possibilidades que este número aumente em 2011. Dados recentes de empresas de consultorias internacionais mostram o Brasil como líder tecnológico na área, abrindo assim diversas oportunidades de negócios para empresas nacionais em países que adotem a tecnologia. O Ginga, recomendação da União Internacional de Telecomunicações para serviços IPTV é o grande mote brasileiro e o responsável por um novo nicho na indústria de software.

Se o sinal digital demora a chegar, a venda de televisores digitais em 2010 bateu recordes. Talvez impulsionada pela Copa do Mundo na África, as vendas bateram na casa de 11 milhões de televisores. A má notícia para os que compraram é que grande parte destes televisores, apesar de virem com o conversor digital embutido, não poderão exibir conteúdo interativo disponibilizado pelas emissoras por não possuírem o Ginga. Uma possível atualização do conversor poderia ser feita, mas é bastante improvável que estes conversores possam ser atualizados devido à limitação de hardware. A alternativa é a compra de um conversor avulso com o middleware Ginga. Atualmente temos poucas opções de TV’s e conversores com Ginga no mercado.

TV’s
LG: Modelos LG 42LH45ED de 42 polegadas e LG47LH45ED e 47 polegadas.
Sony: Todos os modelos da linha 2010 possuem o Ginga.
Philips: Modelos PFL6615, PFL8605 e PFL9605
Panasonic: Modelo D20 (LCD-LED) e VT20 (3D)

Celular
LG: Modelo GM600

Conversores
Visiontec VT7000A, VT7200E
Proview XPS-1000 (Instalação do middleware feita de forma separada)

Há muito trabalho a fazer. Que em 2011, o sucesso do ISDB-Tb continue lá fora e principalmente aqui dentro !
Por Fernando Cassia
Alterações e texto por iTVBr


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags