Convergência Midiatica

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
07 de dezembro de 2009, 20h52

Teoria do Jornalismo

MELO, José Marques de. Teoria do Jornalismo: identidades brasileiras. São Paulo: Paulus, 2006.

Já não está claro qual seriam as características dessa identidade após anos e anos de prática jornalística e estudos dentro e fora da academia? Para Melo, ainda não.
Pesquisador influente, José Marques de Melo é Diretor-executivo da Cátedra Unesco/Umesp de Comunicação, presidente da Rede Alfredo de Carvalho, professor titular e emérito da ECA-USP e também no programa de Pós-graduação da Universidade Metodista de São Paulo – UMESP. Foi o primeiro e é o atual presidente da Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdiciplinares da comunicação – Atua ainda como Consultor Científico da Fundação CAPES – Ministério da Educação (Brasília), FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo e Conselheiro da EAS – Fundação Professor Edevaldo Alves da Silva de Amparo à Educação (São Paulo).
Seu livro Teoria do jornalismo: identidades brasileiras, muito mais do que nos apresentar teorias sobre o jornalismo praticado no Brasil atual, aponta questões históricas que levaram à prática que hoje permeia a maioria dos veículos de imprensa de nosso país e que ainda influenciam muitos cursos de graduação em jornalismo.
O capítulo 1 de seu livro, deveria ser leitura obrigatória de alunos e coordenadores de curso que hoje pensam estar na vanguarda dos novos tempos oferecendo cursos recheados de disciplinas que tentam acompanhar as mudanças tecnológicas e acalentam o sonho de formar alunos aptos a atuar nesse “novo” mercado em constante transformação. Fica evidente o engano quando Melo apresenta as correntes que alicerçaram os cursos de Comunicação Social desde suas primeiras formações nas faculdades e universidades brasileiras. Cada uma delas, a corrente Ético-social, Técnico-editorial, Político-ideológica e crítico-profissional estão diretamente ligadas ao contexto político, social e econômico da época na qual estavam inseridas e está a atual corrente, crítico-profissional. Sua análise nos alerta para o perigo de recair na mera formação de profissionais-técnicos para as empresas de comunicação. Fica evidente a necessidade de incultar na formação dos graduandos uma postura crítica sobre a própria profissão “alicerçados pelas ciências humanas (e não apenas por uma ciência em particular) para traçar os contornos da profissão e resgatar todas as suas dimensões sociais e políticas”.
Nos capítulos posteriores, Melo apresenta de forma clara e objetiva as matizes do pensamento jornalístico brasileiro e os fatores sócio-econômicos que moldaram este pensamento, resultando em uma prática jornalística estreitamente ligada à uma elite burguesa e com um viés monopolítico. Seu texto assume uma postura quase didática, como preparando o leitor para os proximos capítulos onde a questão dos Gêneros em jornalismo e analisada e as identidades brasileira no jornalismo são buscadas.
Ao apresentar a teoria do jornalismo, objetivando identificar as características particulares do jornalismo brasileiro, Marques de Melo deixa claro a importância, a necessidade e o papel das universidade e faculdades de comunicação da pesquisa acadêmica na construção dessa identidade. Muita coisa já foi feita, mas há ainda um longo caminho a ser percorrido e a tarefa é árdua. Somente por este caminho, a pesquisa, é que o jornalista poderá aproximar-se cada vez mais do seu verdadeiro papel e as diferenças entre a teoria e a prática, ou entre a academia e o mercado, serão reduzidas ou minimizadas.
Portanto, não espere encontrar no livro Teoria do jornalismo: identidades brasileiras, fórmulas ou receitas, ou quem sabe uma teoria que busque resolver os problemas da imprensa brasileira. Porém, se o leitor procura um entendimento, um pensamento norteador que irá auxiliá-lo em suas pesquisas ou no entendimento da praxis jornalística brasileira, Melo nos fornece um rico material e uma leitura prazeirosa.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags