Em mensagens, Tom Veiga relata que era agredido pela sua esposa

Cybelle Hermínio, a viúva do intérprete de Louro José, fala em “brigas comuns de casal durante a pandemia” e classifica como absurdas teses sobre envenenamento

A ex-mulher de Tom Veiga, Alessandra Veiga, revelou mensagens que o ator enviou para ela onde conta que era agredido pela esposa atual. Fotos enviadas mostram marcas das supostas agressões.

De acordo com informações do jornal “Extra”, as fotos com as marcas das supostas agressões foram enviadas pelo ator à ex-mulher cerca de um mês antes de sua morte.

No relato de Veiga divulgado por Alessandra, as agressões teriam acontecido durante uma discussão dois meses antes da morte do ator que, de acordo com laudo, faleceu em decorrência de um AVC.

A briga entre Tom Veiga e Cybelle Herminio, a terceira e última esposa do ator, teria acontecido porque o ator não permitiu que o filho de Cybelle almoçasse dentro da piscina da casa onde o casal morava, no Rio de Janeiro.

De acordo com as mensagens reveladas, Tom Veiga contou que Cybelle “deu uma porrada no computador. Quando eu fui pegar a garrafa de vinho, ela jogou a taça de vinho na parede, e aí seguiu, me deu garrafada, veio pra cima, me agarrou no pescoço, me jogou no chão, e aí foi agressão, agressão mesmo. Apanhei como não apanhei da minha mãe”, revelou o ator.

No dia seguinte às agressões, o ator que interpretava o Louro José no programa Mais Você, teria procurado um advogado para dar início no processo de divórcio. Antes de morrer, Tom Veiga deixou seus bens para serem divididos entre a mulher Cybelle Hermínio (autora das supostas agressões) e os quatro filhos, que agora querem anular o documento.

Nas redes, Cybelle Hermínio nega que tenha agredido Tom Veiga

Em um vídeo publicado nas redes sociais, Cybelle afirmou que resolveu se pronunciar “diante do que está sendo falado”.

“A minha relação com o Tom sempre foi muito carinhosa, muito brincalhona e carinhosa. Nunca houve nenhum tipo de violência de nenhuma das partes. A gente tinha briga normal como todo casal”, relata.

Sobre as acusações que circulam pela imprensa, Cybelle diz que estranha e que “desconhece”. Sobre os filhos de Tom Veiga, ela afirma ter “uma relação normal”. Sobre a briga relatada nas mensagens enviadas a ex-esposa, Cybelle confirma que eles brigaram.

“Nesse dia o Tom foi para a casa do irmão e a gente tem como provar. Posteriormente a isso (briga) eu fui pra casa da minha mãe e nunca houve separação de fato. Houve uma briga de casal como qualquer outro, em meio de uma pandemia. Nunca houve data de assinatura de divórcio”, conta.

Sobre a tese que circula pelas redes, de que Tom Veiga teria sido envenenado, Cybelle diz que isso é um “absurdo”. “Eu desconheço aquelas marcas, aquelas fotos que estão sendo circuladas. Absurdo, nunca houve nada disso. Tanto que não tem B.O registrado. Eu confio na lei, eu confio na Justiça”.

Edson Sobrinho, advogado de Cybelle, também participa do vídeo e comenta sobre o inventário/testamento e diz que é preciso preservar os familiares e principalmente os filhos. “Estamos trabalhando para trazer a verdade processual e proteção jurídica a todos os interessados. Inclusive os filhos, temo que ter uma atenção especial com os filhos”, disse Sobrinho que também afirmou que o processo corre em segredo de justiça.

Com informações do jornal Extra.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta.

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR