Fala que eu discuto

Lelê Teles Formado pela Universidade de Brasília, Lelê Teles é jornalista, roteirista e publicitário. É roteirista do programa Estação Periferia (TV Brasil) e da série De Quebrada em Quebrada (Prodav 09). Sua novela, Lagoas, foi premiada na Primeira Bienal de Cultura da UNE. Discípulo do Mestre Cafuna, prega o cafunismo, que é um lenitivo para a midiotia e cura para os midiotas.

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
09 de dezembro de 2016, 14h01

jornalismo de merda

no teatro, merda é uma coisa boa. diga merda a um ator e ele lhe dará um sorriso ou um beijo na boca.

descobri, há pouco, que acionar a descarga inunda o banheiro de coliformes fecais e que, por isso mesmo, deixar a escova de dentes desprotegida resulta numa escovação com merda misturada ao dentifrício.

arrrgh!

pra você ver como a gente, involuntariamente, come merda.

mas a gente bebe merda também.

o bilhardário bill gates inventou uma engenhoca que retira água potável das fezes. disse que isso ajudará a resolver o problema da falta de água em algumas regiões africanas.

veja você.

alckmin, o santo, foi mais longe que gates. para resolver o problema hídrico de sampa, o narigudo teve a brilhante ideia de tratar o esgoto doméstico e torná-lo potável.

gates e alkmin, por esse expediente, parecem querer mudar a fórmula da água que passaria de H2O para KH2O.

outro dia entrevistei um cidadão que vendia o que ele apelidava de o melhor café do mundo, o blend chama-se jacu bird coffee.

jacu, como se sabe, é uma ave e o tal bird coffee é extraído do excremento do pássaro, que engole o grão de café e caga a iguaria.

quer experimentar?, perguntou-me o arguto empresário. claro que não, retruquei, e essa fuleiragem deveria se chamar cafezes.

onde já se viu?

além da parafilia, marquês de sade, o aristocrata doente e pervertido, também usou as fezes como material gráfico.

ninguém nunca usou esse termo, mas faço questão de cunhá-lo, sade inventou a escatografia.

e é nessa arte que o nosso jornalismo tem se especializado.

ao contrário dos exemplos supracitados, no jornalismo merda é merda mesmo.

lembro-me que durante o processo vagabundo de impichamento da presidenta, jornalistas cagavam raiva na TV, o que fez minha vó me perguntar: meu neto, por que esses jornalistas andam tão enfezados?

eu respondi: é porque estão com as entranhas cheias de fezes acumuladas, minha vó. por isso falam tanta merda.

papa francisco concorda comigo.

pancho, ou chicão como o chamo, o argentino sem papas na língua, foi taxativo, disse aos jornalistas que espalhar mentiras por aí é igualar-se aos que têm tesão por fezes.

e disse mais, disse que o midiota, o que acredita nas mentiras que a mídia conta é um coprófago, um patológico comedor de excrementos.

o argento não poderia ter sido mais feliz com essa comparação.

vejo o midiota ainda bebê, arrancando as fraldas e comendo as próprias fezes. é um treinamento para, adulto, comer a merda alheia.

e chicão disse ainda, mesmo sem dizer, que a midiotia – o mal do século – é um fenômeno mundial.

mas interessa-me o fenômeno local.

fala-se muita merda nas redações da midiaZona, é só ouvir o vila, o pondé, o manhattan connection e a moçada do roda viva que a casa já começa a feder.

miriam leitão, a pig do pig, é uma veterana na modalidade chafurda-fezes.

depois que o jornalismo se tornou propaganda política e as redações se converteram numa máquina de difamação e destruição de reputações, a merda tem corrido solta, sem tratamento.

não é à toa que redações importantes margeiam o fétido e embostado Rio Tietê, talvez buscando ali inspiração.

nunca se produziu tanto excremento como nos últimos anos.

leonardo boff, antes de chicão jogar merda no ventilador, apelidou de rola-bosta o articulista “pau mandado” da revistaveja.

ao chamar jornalistas mentirosos de coprofílicos e excomungar os midiotas por sua coprofagia, chicão se torna o primeiro membro do alto escalão da santa igreja a usar a escatologia como adjetivo e não como substantivo.

é que a palavra tem duas acepções morfológicas, bem o sabe qualquer lexicógrafo.

o étimo do substantivo é o grego éskhatos, que significa último, derradeiro…

aí, escatologia narra o final dos tempos.

já o adjetivo tem como raiz a palavra grega skatós, essa sim significa excremento, o material usado nas redações da midiaZona.

portanto, a escatologia aqui trata da escatografia, palavra originalmente criada agora por este filólogo avant la lettre.

palavra da salvação.

 

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags