Fala que eu discuto

Lelê Teles Formado pela Universidade de Brasília, Lelê Teles é jornalista, roteirista e publicitário. É roteirista do programa Estação Periferia (TV Brasil) e da série De Quebrada em Quebrada (Prodav 09). Sua novela, Lagoas, foi premiada na Primeira Bienal de Cultura da UNE. Discípulo do Mestre Cafuna, prega o cafunismo, que é um lenitivo para a midiotia e cura para os midiotas.

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
27 de dezembro de 2016, 15h41

ladrões de coca-cola

sz-700x-haddon-sundblom-coke-santa
 
voltava do trabalho caminhando, como sempre faço.
 
dedico-me ao exercício peripatético desde a tenra juventude.
 
caminhava, então, margeando a estrada de ferro abandonada que rasga a cidade de aracaju quando um carroceiro freou sua diligência.
 
do alto, o cocheiro gritou: vou até o final do trilho, o senhor não quer uma carona?
 
não queria, mas não seria deselegante com este fraterno desconhecido.
 
subi, tal qual um fidalgo do século XIX.
 
troc, troc, troc…
 
enquanto o cavalo trotava eu pensava: tantos carros passaram por mim antes deste miserável.
 
uns, pilotados por amigos, chegavam mesmo a buzinar; parar, nunca.
 
tá osso esse natal não é meu senhor?, perguntou-me o cocheiro, puxando conversa.
 
era véspera da festa do papai noel e em datas festivas costuma-se substituir qualquer indagação climatológica pelo assunto do dia.
 
pra mim, respondi meio fleumático, o que não pode faltar no dia de hoje é isso que o senhor me deu agora: amor e solidariedade.
 
ele sorriu com os poucos dentes que lhe restavam, concordando. 
 
o cavalo eriçou a crina, ergueu o rabo e peidou. 
 
a carroça é o único veículo cujo escapamento está virado para a cara do condutor.
 
eu trabalhei nesse prédio, falou-me o homem – insensível aos flátulos do animal rocinante – apontando um lindo edifício residencial.
 
conheço o homem que o construiu, é meu amigo, o engenheiro Alb…
 
o cocheiro não me deixou concluir. ah, foi preciso muito homem pra construir esse prédio, meu senhor. um homem só não faz isso, não.
 
eu mesmo recolhia o entulho e jogava na boca do mangue, meu filho trabalhou de ajudante de pedreiro e o meu genro assentou o piso com a turma dele.
 
era gente pra burro: soldador, eletricista, mestre de obra…
 
com mil diabos, eu pensei, esse sujeito faz parte da história desse edifício, mas na placa só constava o nome do meu amigo engenheiro.
 
o carroceiro emendou ainda: olhe, quando falam das pirâmides, sempre dizem o nome de um faraó e atribuem a ele a construção.
 
o diabo é que o tal faraó nunca deve ter dado uma martelada num prego.
 
ao dizer isso ele gargalhou, quixotescamente, seguido pelo relincho do cavalo, que parecia entender tudo o que o colega dizia.
 
eu ouvi em silêncio e fiquei pensando: você lê a bíblia e não sabe quem foi a costureira diligente que cingiu a túnica do cristo e que, diligentemente, remendava-lhe os furos provocados pelo roçar na relva seca e espinhosa do caminho.
 
não sabemos quem costurava suas sandálias de couro de burro.
 
tampouco sabemos o nome do cabra que construiu a cruz.
 
menos ainda quem foi o camponês que plantou e regou a semente cuja árvore, ao invés de fruto, deu a madeira ao carpinteiro insensível construtor de cruzes.
 
em meio a estes pensamentos percebo, do outro lado da pista, na mão contrária à nossa, uma aglomeração de carros.
 
pessoas descem dos carros, das motos, dos ônibus.
 
ao chegar mais perto, percebemos, tombado, um caminhão carregado de garrafas pets de coca-cola e a multidão a saqueá-lo.
 
um motorista, de camisa polo com a estampa de um jogador de golf, deixa no carro a esposa e os três filhos – que provavelmente voltavam da escola – e vai furtar os refrigerantes.
 
grande exemplo.
 
belo presente de natal para família, garrafas furtadas.
 
como formigas sobre o açucareiro, o povo avançava e enchia mochilas, sacolas, porta-malas.
 
o motorista parou o ônibus e o trocador correu para furtar pra ele e pro colega; os passageiros, oportunistas, avançaram sobre a mercadoria.
 
motobys, carros de transporte escolar e outros com logos de firmas, uma pick up toro, uma hilux…
 
menos o carroceiro.
 
o carroceiro, assistindo toda aquela barbárie, me disse: veja só, meu senhor, quem destes aí não teria dois reais para comprar uma garrafa destas?
 
agora imagine o senhor, continuou ele, que o pobre do motorista, além de pagar pelo prejuízo do caminhão, ainda terá que se responsabilizar pela mercadoria.
 
e os jornais, emendou o cavalo relinchando, amanhã falarão do saque, das garrafas e até do fabricante. e nós vamos ficar sem saber o nome do infeliz que diria aquela geringonça e o tamanho do prejuízo que ele terá que arcar.
 
palavra da salvação.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags