domingo, 20 set 2020
Publicidade

Blog da Maria Frô

Paulo Galo: “A classe trabalhadora não é pé de coentro, a gente é baobá”

"Eu acredito na organização da classe trabalhadora. Se eu vejo futuro nisso? Como vejo! Eu durmo sonhando com isso, acordo pensando nisso, passo o dia inteiro pensando nisso."

A gourmetização do crochê na trama histórica da desigualdade brasileira

No Instagram os crocheteiros são artistas, influencers, passeiam pelas ruas das capitais europeias com suas peças fazendo lives. No YouTube, a senhorinha que faz suas peças de crochê num canto escuro da casa, com celular apoiado em barras de sabão e produz peças lindas para outras trabalhadoras como ela terá muitas dificuldades nestes tempos sombrios
Publicidade

Eu acuso Bolsonaro!

Meu primo Paixão virou estatística da Covid19 juntamente com mais 24.600 pessoas no país que mais mata seus cidadãos e seus profissionais da saúde na Pandemia

Brasil passa a enxergar o óbvio: pobres serão as principais vítimas do coronavírus

A fome voltou ao Brasil, o desemprego bate recordes, a saúde do povo brasileiro que come menos e com menos qualidade também piorou. O nível de informalidade explodiu. Mesmo assim Paulo Guedes solta mais um pacote de maldades

Coronavirus reumaniza o planeta automatizado pelo capitalismo

O coronavírus veio nos reumanizar e quem ainda não entendeu isso, vai ficar odiando sozinho.

Dois Brasis e o coronavírus: Qual vencerá?

Pensar em nós ou em nossa família talvez seja um exercício interessante para avaliarmos como nos comportar nesses tempos de distopia e pandemia. Para mim há dois projetos de sociedade que estão em disputa

O jornalismo neoliberal é o vírus mais perigoso para a democracia

Os jornalões e jornalistas neoliberais continuam na mesma toada de sempre: a culpa é do Lula, se Lula não existisse todos os problemas da terra estariam resolvidos

Em tempos de escola alienante a aula de história é na Sapucaí

Laranjal, batedores de panela vestidos de gado, um presidente Bozo fazendo arminha, as fake News, um excrementíssimo presidente fazendo flexões no carro alegórico, um Cristo vivo em múltiplos corpos invisíveis socialmente

Qual o limite de Bolsonaro e qual o limite para a sociedade brasileira e suas instituições reagirem?

Por décadas Bolsonaro quebra o decoro. Não são apenas "declarações polêmicas". Quanto já custou ao Brasil o eufemismo cúmplice da mídia corporativa, das instituições do Estado, como Congresso Nacional e STF, diante das atrocidades ditas e feitas por Bolsonaro?

Na era da milícia virtual fascista, por que jornalistas não se unem como fazem os petroleiros?

Sem recuperar a função social do jornalismo e continuar aceitando o jornalismo negócio interferindo em suas pautas, abraçando o neoliberalismo entreguista, os jornalistas, inclusive os sérios, continuarão sendo alvos do fascismo

Olavista no MEC quer institucionalizar doutrinação e analfabetismo funcional na Educação Básica

Método fônico e silábico, utilizados nas cartilhas de alfabetização do século XIX e na ditadura, proposto pelo olavista Carlos Nadalim vai ampliar o analfabetismo funcional

Cinema nigeriano aliado na luta para combater a violência doméstica

A produção nollywoodiana chega até nós pela NetFlix e tem abordado com cuidado e delicadeza vários temas do cotidiano, especialmente quando se trata de abordar questões de gênero e de violência de gênero

Família Padilha vence a Veja por 3 x 0 em segunda instância

O Blog da Maria Frô, que acompanha o caso desde o início, registra a derrota da revista na Justiça, depois de matéria com fake news

A Operação Lava Jato e os objetivos dos Estados Unidos para a América Latina e o Brasil

Em longo artigo, embaixador Samuel Pinheiro Guimarães detalha como os Estados Unidos, junto à Lava Jato, influenciaram na derrubada de um governo e na eleição de outro que compactua com seus interesses; segundo ele, a Lava Jato teve papel decisivo para ajudar os norte-americanos com uma condução processual no Brasil "altamente heterodoxa e ilegal"

Que novos Paulos de conversas afiadíssimas ocupem esse enorme vazio deixado por ele

Paulo nunca foi petista, apesar de ser alvo de uma extrema-direita fascista. Ele era trabalhista, admirador de Getúlio e brizolista de coração, daí sua afinidade em pontos onde os governos petistas se aproximaram do trabalhismo

Jair Bolsonaro: regeneração ou destruição?, por Samuel Pinheiro Guimarães

É necessário e urgente que as forças sociais e as instituições permanentes da Nação e do Estado se conscientizem das consequências da situação atual e defendam o direito da sociedade e do povo brasileiro à democracia, ao desenvolvimento, à justiça e à paz social e à soberania

Curso investiga relação entre moda, processos revolucionários e ação política

A atividade, ministrada por Brunno Almeida Maia, pesquisador em filosofia, busca traçar a dialética da moda como dispositivo “a serviço da classe dominante”, mas, também, como possibilidade de subversão deste mesmo dispositivo