Derrota das escolas privadas: a Inclusão escolar é uma conquista da Sociedade

Nem sempre o Capital leva a melhor, por vezes, os senhores a quem só importa o lucro são obrigados por lei a engolir os direitos garantidos e estabelecidos. A Inclusão Escolar é uma conquista da sociedade Por: Claudia Pereira Dutra e Martinha Clarete Dutra dos Santos especial para o blog Maria Frô A decisão unânime do […]

Nem sempre o Capital leva a melhor, por vezes, os senhores a quem só importa o lucro são obrigados por lei a engolir os direitos garantidos e estabelecidos.

A Inclusão Escolar é uma conquista da sociedade

Por: Claudia Pereira Dutra e Martinha Clarete Dutra dos Santos especial para o blog Maria Frô

A decisão unânime do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta última quinta-feira, pela improcedência da Ação Direta de Inconstitucionalidade – ADI nº 5357/2015, impetrada pela Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (CONFENEN) significa vitória inconteste da educação inclusiva no Brasil.

A organização das escolas particulares pleiteava a anulação do §1º do art. 28 e do art. 30 da Lei Nº 13.146/2015 que prevê a obrigatoriedade da inclusão escolar das pessoas com deficiência em estabelecimentos públicos e privados, bem como as medidas a serem adotadas para a garantia das condições de acessibilidade, sem cobrança de taxas adicionais.

inclusão

Essa Lei é fruto de um movimento histórico de luta por uma sociedade inclusiva, tendo como base a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência pela Organização das Nações Unidas (CDPD/ONU/2006) que no seu art. 24 estabelece que o direito à educação das pessoas com deficiência se efetiva em um sistema educacional inclusivo em todos os níveis. Para a concreção desse direito, sem qualquer tipo de discriminação ou segregação, os Estados Parte comprometem-se a eliminar as barreiras e promover a igualdade direitos por meio da consecução da meta de inclusão plena.

Em seu voto, o relator Ministro Edson Fachin ressalta o compromisso ético que todo estabelecimento de ensino deve adotar como premissa fundamental, afirmando que: “O ensino inclusivo é política estável, desenhada, amadurecida e depurada ao longo do tempo em espaços deliberativos nacionais e internacionais dos quais o Brasil faz parte.”

Essa decisão consagra a política de inclusão escolar no Brasil, que a partir de 2003 torna-se parte da agenda educacional. Vale lembrar que esse processo de formulação e de implementação de ações para a superação do modelo de escolas e classes especiais que apartava estudantes com deficiência dos demais estudantes, ocorre em meio à forte disputa política entre os setores conservadores que visam manter seu poder de institucionalizar pessoas com base na condição de deficiência e os movimentos de defesa da escola inclusiva.

Na atual conjuntura política do país em que nos deparamos com a quebra de preceitos democráticos e com o risco de retrocessos nos programas sociais é importante destacar as transformações dos sistemas de ensino alicerçadas nos governos Lula e Dilma, impulsionadas a partir de diretrizes pedagógicas para a inclusão escolar, da formação docente, da disseminação de recursos de tecnologia assistiva e do investimento em acessibilidade, favorecendo o desenvolvimento inclusivo das escolas comuns.

Portanto, para assegurar a continuidade da política de inclusão escolar é preciso manter a mobilização em defesa desse direito e aprofundar mudanças na organização curricular, nas práticas de ensino e de gestão. Se os embates contra a inclusão escolar persistem é preciso afirmar os princípios educacionais de educação para todos e todas em igualdade de condições e descartar as diversas alegações que tendem a retomar o já superado modelo de deficiência dissociado do contexto social e das condições de acessibilidade.

Saímos de um patamar de apenas 23% de inclusão escolar de pessoas com deficiência, em 2003, e atingimos 81% de inclusão, em 2015. (Censo Escolar/MEC/INEP). A decisão do pleno do STF considerou todos os avanços da atual política de inclusão educacional, alcançados ao longo desses treze anos, e ratificou o direito das pessoas com e sem deficiência conviverem e aprenderam juntas, nas redes públicas e privadas de ensino regular.

A educação inclusiva se efetiva com a valorização das diferenças humanas, com a com o reconhecimento das classes comuns como espaços legítimos para que todos e todas possam aprender e com superação do modelo segregacionista. Este é o momento de reafirmar as conquistas, fortalecer as políticas de inclusão escolar e não permitir retrocessos.

*CLAUDIA PEREIRA DUTRA e MARTINHA CLARETE DUTRA DOS SANTOS são Gestoras da Educação Especial / MEC, nos Governos Lula e Dilma (2003 a 2016)
Ativistas do Movimento de Inclusão.

Avatar de Maria Frô

Maria Frô

Historiadora, pedagoga, educadora, formadora, blogueira, autora de coleções didáticas e séries para a televisão.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR