Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

Fórumcast, o podcast da Fórum
16 de outubro de 2017, 14h58

Paulo Ghiraldelli: Os impotentes saem dos bueiros

Não há novidade no artigo de Ghiraldelli, mas é bom ler os argumentos tantas vezes escritos por blogueiros, sociólogos da esquerda e outros intelectuais do espectro da esquerda de modo organizado como fez o filósofo em seu artigo de ontem na Folha. É também importante ter sido escrito por um autor que não poupa o PT, Lula, Dilma de nenhuma crítica. Ou seja, não é um artigo de ‘petralha’.

Os impotentes saem dos bueiros
PAULO GHIRALDELLI* (originalmente publicado na Folha)
15/10/2017
Imagem dos protestos da extrema-direita em Charlottesville no sábado (12)

Protesto de racistas brancos em Charlottesville, nos EUA

O que faz com que a direita pareça engraçada e folclórica quando não ameaça chegar ao poder é o fato de vir do âmbito da semiescolarização. Não raro, conservadores vêm desse campo. Um indivíduo assim pode criar algo que ele pensa ter estatuto de teoria, mas que nada é senão uma série de enunciados que desrespeitam o bom senso.

Entra aí o restolho de uma astrologia e sai a astronomia, entra a alquimia barbárica e sai a química, entra a teoria da conspiração em que o mundo está sob manipulação de “incas venusianos” (vilões do Nacional Kid), ou seja, “comunistas” e “pedófilos”, e cai por terra a filosofia política. Esse tipo de liderança de direita, mutatis mutandis, repete Hitler.

Hitler escreveu o “Mein Kampf”, livro chato e de tremenda confusão mental. Ele pintava segundo as técnicas de um realismo medíocre e odiava a arte que não entendia. Era inadaptado à modernidade. Como a turba que arrebanhou, foi um “loser” diante da sociedade liberal.

O neofascismo de hoje guarda muito disso tudo. Os líderes ultranacionalistas do mundo todo são anti-intelectualistas: contra a imprensa liberal, os museus e teatros e, enfim, a universidade.

Tudo que é feito nesses ambientes lhes é estranho, e eles querem que tais coisas desapareçam, pois todas as vezes que quiseram estar nesses lugares foram ridicularizados e se sentiram impotentes.

Mas, se é a inveja como fruto da impotência que move tais pessoas, como explicá-la?

A interpretação clássica da inveja social moderna é de Tocqueville, em “A democracia na América” (1835). Ele diz que sociedades mais igualitárias criam a possibilidade de cada um olhar ao lado, considerar-se igual aos que em aristocracias não seriam iguais e, então, poder universalizar o modo de percepção comparativo.

Analisando os dias atuais, Gilles Lipovetsky, em “A felicidade paradoxal” (2006), diz que vivemos sob o hiperconsumo e o hiperindividualismo, em que vinga a sociedade que deixou de lado a inveja vinda da aquisição de bens.

As pessoas consomem bens para uso individual, quase que solitariamente, e buscam um tipo de satisfação de uso de produtos que tem a ver com corpo, conforto solitário, “single style”.

A inveja deslocou-se de bens materiais para posições de visibilidade social, um certo tipo de fama e “famosidade”, própria de um hiperindividualismo recoberto por mídias que anunciam a felicidade centrada na vida particular.

Para entendermos a nova fonte de impotência, ressentimento e inveja, devemos recorrer à noção de “sociedade da visibilidade máxima”. O filósofo germano-coreano Byung-Chul Han, em “A sociedade da transparência”, lembra o excesso de positividade da vida atual, a ênfase na perspectiva de Rousseau de secundarizar uma “sociedade de máscaras”.

Assim, no âmbito da mercadorização atual, nosso destino elege a vitrine como a arquitetura de todos os lugares. Se assim é, o ressentimento e a inveja, no que restam, são produzidos à medida que se faz necessário ser mostrado mais amado e “querido” que outros.

A inveja, então, é alimentada pela impotência e ódio contra quem pode se apresentar como visível, querido à medida que aprovado pela grande TV e pela Universidade, pela comunidade intelectual.

O guru raivoso lança seus exércitos de Brancaleone contra tais instituições. Ele tem como lema o “fracassados do mundo, uni-vos” e quer que o espectro do neofascismo paire sobre a Terra. Ele lidera impotentes invejosos exatamente na medida em que é o maior entre eles.

*PAULO GHIRALDELLI, 60, é filósofo e autor, entre outros, de “Para ler Peter Sloterdijk” (Via Vérita)

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum