Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

Fórumcast, o podcast da Fórum
05 de junho de 2010, 17h24

A “democracia” no Parlamento Israelense

No vídeo abaixo a deputada árabe-palestina, Haneen Zuabi, do partido Balead e, uma das sobreviventes da Flotilha da Liberdade, atacada em águas internacionais pelos militares israelenses, tenta se pronunciar no Knesset, Parlamento de Israel, e simplesmente não consegue completar a sua fala, porque é interrompida várias vezes.

Em vídeos mais longo desta seção no Parlamento ela chega a ser ameaçada fisicamente por uma outra parlamentar que é contida pelos seguranças.

The Guardian informa que Haneen Zuabi está sob proteção armada, após 500 pessoas, numa página do facebook, assinarem um pedido por sua execução!!!!!!!

Ao ver este vídeo temos uma pequena ideia de como os palestinos de um modo geral são tratados pelo Estado de Israel. Se fazem isso com uma parlamentar, o que fazem com os civis comuns, sem imunidade?

A  meu pedido a tradução, que segue logo após o vídeo, foi feita por Alli Ahmad Majdoub, a quem muito agradeço.

Se alguém quiser pôr a legenda transcrita, diretamente no vídeo e subir novamente no youtube, peço que avise-me que reposto o vídeo. Eu não sei colocar legendas em vídeos :(

O The Guardian fez uma matéria a respeito, veja em inglês, aqui e a Agência IPS também, veja o artigo em espanhol, aqui.

Segue a tradução:

Parlamentar palestina: “O embargo, o bloqueio, não é democrático, nem humano e cada parlamentar tem o direito de manifestar a sua opinião…” (Interrompida)

O Presidente da Assembléia pede silêncio e calma por inúmeras vezes, pede para que a parlamentar palestina não seja interrompida, para que todos que aceitam ou não a opinião da parlamentar permitam que ela se pronuncie.

Parlamentar palestina tenta continuar sua fala: “O ataque pirata militar foi um ataque criminoso contrário aos direitos internacionais…” (Interrompida)

O presidente da assembléia pede para que ela encerre sua fala em um minuto e trinta segundos.

Parlamentar palestina: “Eu tenho direito a cinco minutos de fala”. (Interrompida)

Parlamentar palestina: É preciso ter uma comissão internacional para verificar os fatos ocorridos sobre os barcos naquele dia…” (Interrompida)

Parlamentar palestina: “Por que o governo de Israel não aceita que sejam feitas as investigações necessárias para o caso?” (Interrompida)

Parlamentar palestina: “Por que Israel não permitiu que a imprensa internacional acompanhasse o fato ocorrido?” (Interrompida)

Parlamentar palestina: “Por que só foi mostradas fotos de soldados sendo atacados e não foram mostrados os civis e ativistas sendo mortos e atacados por soldados?(Interrompida)

Parlamentar palestina: “Por que vocês tomaram as câmeras e filmes dos repórteres e jornalistas a bordo dos navios, dezenas de pessoas forma mortas e outras dezenas feridas, mostrem as fotos delas, onde estão estas imagens?” (Interrompida diversas vezes)

Parlamentar palestina: “Vocês me acusam de que fui eu quem feriu os soldados e fui eu quem cometeu esse crime…” (Interrompida) por uma das parlamentares que diz: “Sim, sim, claro!” Outro diz: “Examine-na, vejam  se ela não está, agora mesmo portanto uma faca”

Parlamentar palestina: “Eu estou aqui para mostrar quem de fato cometeu esse crime e vocês estão tentando interferir e perturbar a sessão, porque não querem ouvir a verdade…(Interrompida) Vocês estão com medo do que eu possa falar, o Knesset israelense tem medo de ouvir o que tenho para falar” . É pela enézima vez interrompida, desta vez uma das parlamentares a chama  deterroristae diz: Que vergonha de você ser uma terrorista!

Por fim quando a deputada palestina tenta retornar ao seu assento é agredida com mais  xingamentos e um dos parlamentar tenta agredi-la fisicamente. O Presidente do Parlamento avisa: “Vocês estão agredindo uma parlamentar e isso contrarias as leis da Casa, isso não pode ocorrer! Peço calma a todos.’

E a confusão prossegue no ‘democrático’ Parlamento israelense.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum