Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

14 de outubro de 2011, 12h21

Aos ‘indignados’ da Tucanolândia, que tal marchar contra o “higienismo social do Terceiro Reich”?

A dica da matéra foi do Beto Mafra, via twitter. Numa cidade governada por um prefeito de práticas higienistas o que se poderia esperar dos grupos sociais que o apóiam?

Destaco a fala do  promotor Maurício Antonio Ribeiro Lopes que processará essa gente nada solidária:

“É de provocar inveja a qualquer higienista social do Terceiro Reich a demonstração de tal insensibilidade. A ideia – ou que ocupa o que deveria ser o seu lugar – associando pobreza e criminalidade e violência não tem guarida teórica e ética”, escreveu. “Esse pedido é muito revoltante”

Atualização:  O professor Carlos Emilio Faraco me mandou esse link da CBN. Nele podemos ouvir alguns depoimentos. Tem um morador de Pinheiros que diz com todas as letras que as pessoas em situação de rua são ‘lixo’.

São Paulo é uma cidade que está doente, uma doença social chamada preconceito de classe, de raça, de origem regional. São Paulo precisa urgentemente de uma dose de cidadania.

Promotor vê nazismo em ação contra abrigo

Por: DIEGO ZANCHETTA, RODRIGO BURGARELLI – O Estado de S.Paulo

14/10/2011

Comerciantes e moradores de Pinheiros não queriam albergue em área residencial; caso foi parar na Delegacia de Intolerância Racial

Em um pedido com 1,2 mil assinaturas levado ao Ministério Público Estadual (MPE) no dia 29, moradores de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, tentavam impedir que um albergue para moradores de rua no bairro fosse transferido para uma área residencial mais nobre da Rua Cardeal Arcoverde. Mas o efeito foi inverso. Ontem, o promotor Maurício Antonio Ribeiro Lopes comparou a iniciativa às tomadas na Alemanha nazista.

Lopes indeferiu o pedido e enviou os nomes de seis síndicos que assinaram a petição para a Delegacia de Polícia Especializada em Crimes Raciais de Delitos de Intolerância (Decradi). Todos serão alvo de inquérito por intolerância social, prevista na Constituição (art. 5.º, inciso 41).

“É de provocar inveja a qualquer higienista social do Terceiro Reich a demonstração de tal insensibilidade. A ideia – ou que ocupa o que deveria ser o seu lugar – associando pobreza e criminalidade e violência não tem guarida teórica e ética”, escreveu. “Esse pedido é muito revoltante”, disse ele ontem ao Estado.

O abaixo-assinado foi organizado por comerciantes e moradores de Pinheiros e se posiciona contra a mudança do albergue Cor da Prefeitura que hoje funciona no número 1.968 da Rua Cardeal Arcoverde, mas está prestes a ser transferido ao 3.041 da mesma rua – um trecho mais nobre e residencial, entre as Ruas Simão Álvares e Deputado Lacerda Franco. O local oferece melhores condições para o funcionamento do centro e tem mais quartos, segundo o governo municipal.

Mas, segundo o que os vizinhos do novo endereço relataram ao MPE no pedido de intervenção contra o albergue, “o comércio possivelmente não vai sobreviver, uma vez que a população local será acuada em suas residências e os visitantes de outros bairros vão nos trocar por centros comerciais mais tranquilos”. Eles também reclamam de constantes ataques de cachorros de moradores de rua contra “crianças e idosos”. Até um boletim de ocorrência de 2006 com um desses supostos ataques foi anexado no abaixo-assinado.

Ana Arlene Carvalho, relações públicas e síndica de um prédio do bairro, reagiu com indignação à comparação feita pelo promotor. “Então bota os sem-teto na porta da casa dele. Será que ele aceita?” Ela negou que exista preconceito contra os sem-teto e afirmou que colabora frequentemente com um albergue da região do Brás, no centro.

A comerciante Joacy Sant’Anna Lui, de 57 anos, diz que já teve problemas com um albergue que funcionou perto dali durante a gestão Marta Suplicy (PT), entre 2001 e 2004. “Um dia acharam um corpo de uma pessoa dentro de um freezer nesse albergue. Você acha isso uma coisa normal? Eu não acho.” Segundo ela, um local alternativo para a implantação do albergue fica próximo da Subprefeitura de Pinheiros, na Rua Sumidouro. “Essa região está cheia de galpões vazios. Eles poderiam colocá-los lá.”

Leia também:

Câmara de São Paulo aprova o dia da Ogrice

Morumbi versus Paraisópolis: “Era para ser um panelaço, mas a patroa não sabe onde estão as panelas, e a empregada está de folga”

E a gente diferenciada mostrou seu valor

Eu sou diferenciado… Esse metrô é inapropriado… Pra quem?

Humor: Depoimento de higienopolense sobre a ‘gente diferenciada’

Em Sampa até artista de rua é caso de polícia

Higienismo fascista em Sampa: mendigos literamente serão desinfetados

“Não fala com pobre, não dá mão a preto, não carrega embrulho…”

De onde vem tanto ódio?

________
Publicidade
//
//


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum