Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de junho de 2015, 09h47

Enquanto existirem Barbosas e Saletes – Parte 2

Parte 2

José Arbex Júnior, in revista Caros Amigos, fevereiro de 1999

Ulisses e os monstros urbanos

A nova realidade cultural, política, social e tecnológica produzida pelo surgimento das metrópoles foi incorporada como tema por grandes escritores do século 19, como Charles Dickens, Honoré de Balzac, Charles Baudelaire, entre outros, cujas antenas captaram o advento da sociedade de massas e as indagações que ela colocava para os indivíduos. Tampouco é um acaso que o grande romance da modernidade, Ulysses (publicado em 1922), de James Joyce, tenha por tema a relação do indivíduo com a cidade. O livro narra um dia na vida de Leopold Bloom e Stephen Dedalus, para quem a cidade – Dublin – se apresenta como um labirinto de labirintos (Dédalo, na mitologia grega, é o arquiteto que procura escapar do labirinto de Creta). Se o Ulisses grego era o herói que, em busca de seu próprio destino, era obrigado a enfrentar ciclopes, circes, sereias e encantos de sedução em terras e mares estranhos, somos os Ulisses anônimos que na própria cidade encontramos os nossos monstros. Fazemos incursões diárias, nas ruas da grande cidade, em mundos fantásticos, alucinantes, onde deparamos com deuses e demônios, santos e pecadores, redentores e bandidos. E Sigmund Freud mostrou à exaustão que somos, nós mesmos, esse mundo ao mesmo tempo conhecido e estrangeiro, habitado e inabitável, brilhante e sombrio. As ruas e armadilhas da cidade são como que o retrato objetivado de nosso “mapa psíquico”. Flanar pelas ruas da cidade, nessa perspectiva, é viajar por nosso íntimo, como fazia o andarilho Baudelaire nas vias de Paris.

Na sociedade contemporânea, também chamada “pós-moderna”, a cidade vive os mesmos dramas, as mesmas tensões, mas infinitamente agravadas, de um lado, pelas desigualdades sociais e de outro, pelo desenvolvimento das novas tecnologias. Os novos-ricos vivem nos bairros e setores das cidades que “funcionam”, com estruturas adequadas de água, esgoto, eletricidade, meios de comunicação à distância, ao passo que os pobres vivem em favelas miseráveis e apertadas entre dois bairros elegantes, ou nas periferias miseráveis e abarrotadas, em barracos construídos às margens de esgotos a céu aberto, condenados a serem varridos pela próxima enchente. O relativamente recente surgimento dos condomínios fechados, a construção de castelos particulares guardados por fortes esquemas de segurança e a multiplicação de shopping centers, espaços fechados e protegidos que apenas simulam o espaço público, são signos do esgarçamento do tecido urbano, próprio a um sistema que alimenta as desigualdades sociais. No mundo pasteurizado e asséptico das elites, o desconhecido e o inesperado tornam-se, necessariamente, sinônimo de ameaça e perigo. É o fim da aventura.

Para ler as demais partes do artigo acesse os links abaixo

Enquanto existirem Barbosas e Saletes – Parte 1

Enquanto existirem Barbosas e Saletes – Parte 2

Enquanto existirem Barbosas e Saletes – Parte 3

Enquanto existirem Barbosas e Saletes – Parte 4

Enquanto existirem Barbosas e Saletes – Parte 5

Enquanto existirem Barbosas e Saletes – Parte 6

Enquanto existirem Barbosas e Saletes Parte Final


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum