Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

08 de novembro de 2014, 09h54

A Folha acreditou em Eliane Cantanhêde

Uma das colunistas mais urubus do jornalismo monopolizado é Eliane Cantanhêde. 

eliane-cantanhede

Ela é do tipo que anuncia uma margem de erro em pesquisa do IPEA como catástrofe. É o caso da pesquisa PNAD onde em 2013 houve variação do número de sem renda de 10,08 milhões para 10,45 milhões. Como o próprio IBGE esclarece, a Pnad “é amostral, o total de indivíduos sem declaração de rendimentos tem flutuação anual diferenciada. Além disso, uma parcela também anualmente distinta dos informantes se recusa a prestar informação sobre a renda. Os métodos para os cálculos com a variável renda e as demais variáveis devem, portanto, considerar as possíveis flutuações existentes nas variáveis utilizadas.” 

Desse modo o próprio IBGE informa que:

1) a pesquisa é auto declarada, ou seja, a pessoa pode se recusar a dizer quanto ganha

2) que o IBGE não checa com outros dados objetivos.

O governo afirma que todos os outros índices que dispõe mostram que a pobreza caiu. Não há porque mentir sobre isso, já que este governo tem um compromisso inegável com o combate à miséria e depende de inúmeros outros levantamentos pra fazer suas políticas públicas focada neste objetivo.

Colunistas como Cantanhêde se agarram nessas picuinhas para dizer que o país está indo para o buraco, pra estimular o discurso dos que estigmatizam os beneficiários do Bolsa Família como Bolsa ‘preguiça‘…

Vejam,  é a primeira vez em 10 anos que houve uma variação para cima de 370 mil pessoas que declaram não ter nenhuma renda. Mas durante a última década as pesquisas do PNAD que mostraram que a miséria no país caía a olhos vistos não foram dignas de estardalhaço em manchetes, ou tema das colunas dos bastiões da direita do jornalismo monopolizado. Ao contrário, o crescimento do país, a diminuição da miséria a geração de mais de 25 milhões de empregos formais foram menosprezados. Da mesma forma não mereceram a devida atenção os dados impressionantes que mostram que em  2001 havia 50 milhões de pessoas em situação de indigência e recorde de desemprego para a situação de hoje com índices baixos de desemprego e com a inclusão de mais de 50 milhões de brasileiros no mercado de consumo. Hoje, a maioria dos brasileiros estão na classe média, está emprega, estuda mais.

Já nos tempos dos tucanos que Eliane é porta-voz, uma simples olhada nos arquivos da própria Folha nos mostra o tamanho da miséria e caos que o país estava mergulhado nos tempos de FHC:

eliane7 eliane6 eliane5 eliane4 eliane3

Entre os que receberam bilhete azul na Folha de São Paulo estão Fernando Rodrigues e Eliane Cantanhêde. Enfim, parece que a Folha passou a acreditar no discurso de catástrofe de seus próprios colunistas e eles passaram a ser tratados como estatística,  a mesmo estatística sombria propalada na falecida coluna de Cantanhêde e das demais viúvas tucanas que vociferam diuturnamente na mídia monopolizada.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum