Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

14 de junho de 2013, 05h46

Igor Felippe: A metamorfose de um protesto em vandalismo

A metamorfose de um protesto em vandalismo

por Igor Felippe, especial para o Viomundo

13/06/2013 às 14:27

Manifestação na entrada do túnel em direção à Radial Leste. Foto: Ninja/EBC

O ato contra o aumento da passagem reuniu em torno de 10 mil jovens na terça-feira (11/6), sob uma chuva forte na marcha que partiu do ponto de encontro na Praça dos Ciclistas, na Avenida Paulista (próximo à esquina com a Consolação), para terminar no Parque Dom Pedro, na entrada da Zona Leste da cidade.

Havia jovens desorganizados e organizados em agremiações políticas. O clima era tenso na concentração. Os pingos fortes davam ensaios de que viria um temporal. A Polícia Militar acompanhava de forma truculenta e parte dos manifestantes estava arredia.

Depois que a marcha começou, o clima melhorou. E a chuva caiu com força. Os jovens caminhavam rápido, praticamente corriam, com a chuva forte. Não houve atos de violência na maior parte do protesto. Apenas palavras de ordem contra o aumento, críticas ao prefeito e ao governador e algumas pichações.

Pichar é um ato tradicional de protesto em todo o mundo. Em um país em que aqueles que se manifestam não têm direito de se expressar nos meios de comunicação de massa, essa forma de enviar mensagens à sociedade é ainda mais valorizada como ação política.

Ninguém esquece, por exemplo, da pichação “Abaixo a Ditadura” em manifestação contra o regime fundado no golpe de 1964.

Os jovens cantavam, dançavam, pulavam e sorriam em uma manifestação com a cara e jeito da juventude. Na Consolação, as faixas para o fluxo de carros foram ocupadas pelo protesto, mas a via de ônibus ficou liberada durante a maior parte da caminhada, permitindo a passagem do transporte coletivo.

Uma minoria tentou impedir a passagem dos ônibus, ocupando a faixa exclusiva. Uma minoria interessada em causar confusão. Era claramente uma minoria em um ato de 10 mil pessoas.

O que não aparece na cobertura dos atos é que a maior parte dos manifestantes quer exclusivamente protestar contra o aumento da passagem.

Assim, apenas uma minoria faz ações que são usadas para justificar uma reação violenta da polícia.

Uma ação violenta e generalizada da polícia leva à desorganização do ato e a correria para todos os lados, que abrem margem para a radicalização da violência da PM e de uma minoria que quer causar confusão.

A partir daí, o caos se estabelece. Os meios de comunicação da burguesia noticiam o caos. O protesto é retratado como momentos especificamente de conflito entre manifestantes e policiais.

Os momentos antes dos conflitos – a marcha, as danças, os pulos e os sorrisos – desaparecem. A parte política do ato não aparece nas imagens, reportagens e fotos.

Assim, uma manifestação com uma pauta concreta e um sujeito político se transforma em caos, retratado como atos isolados de uma minoria e a reação violenta da polícia contra o conjunto. Uma parte do fato se transforma no todo.

A sociedade, que considera justa a luta contra o aumento da passagem, diante da quebradeira realizada por uma minoria, passa a condenar os protestos — que são justamente a força social para pressionar pela medida de redução da tarifa.

O protestos dos jovens não se resumem aos atos isolados de vandalismo. E essas ações equivocadas não justificam, em um regime democrático, a repressão a manifestações populares e a generalização da violência pela PM.

A violência institucionalizada da polícia, enquanto braço do Estado, é muito mais grave — ao ameaçar as liberdades democráticas e o direito de manifestação — do que ações equivocadas de uma minoria mal intencionada.

A miopia de uma minoria, a truculência da PM e as manipulações dos meios de comunicação não podem tirar a legitimidade da juventude que, com seus protestos, toca em questões centrais da cidade de São Paulo

Esses atos carregam, por trás da questão do preço das passagens, o questionamento do crescimento urbano desordenado, do trânsito congestionado pelo número de carros, do déficit de linhas de metrô/trem, da péssima qualidade do sistema de ônibus e do poder das empresas concessionárias.

Essas são as questões centrais para a discussão, que infelizmente estão interditadas porque viraram pano de fundo, pela intervenção daqueles que não querem resolver os problemas, que não admitem a participação popular na política e que têm vínculos com setores econômicos que não querem mudanças.

Leia também:

Marcelo Feller sobre as 160 pessoas presas hoje em SP: A tarifa do ônibus virou detalhe, está em jogo a nossa liberdade

 Igor Felippe: A metamorfose de um protesto em vandalismo

Leandro de Jesus: Devemos continuar intolerantes. Intolerantes contra essa política oficial de Estado, que dissemina a barbárie

Relembrando aos políticos uma manifestação carioca de fins do XIX: A revolta do vintém

Relato do jornalista Gilberto Maringoni sobre sua participação na manifestação do MPL

Polícia Militar de São Paulo muito bem preparada para lidar com a imprensa que cobre as manifestações

Brasil urgente tenta manipular enquete sobre MPL e se dá mal

Aos boquirrotos, parte 2: Resolução da Juventude Petista

Janio de Freitas: “E as polícias são sempre as mesmas na estupidez inútil da sua violência armada e da irracionalidade”

Nota do MPL sobre a truculência policial e a seletividade da Justiça

Jornalismo vintage 1964 “Atacada com paus e pedras sempre que tentava conter a fúria dos baderneiros, a PM reagiu”

Alô, alô professor Hariovaldo assim não dá, a polícia está descendo a porrada em cidadãos de bem!

André Borges relembra os petistas: AOS COMPANHEIROS QUE SE ESQUECERAM DE LEME

O retrato da parcialidade da mídia em uma única página

Aos boquirrotos e aos pragmáticos com carinho

Leonardo Sakamoto só erra em achar que as ações autoritárias da PM são recentes

MPL em debate: o movimento é anti-petista?

A representação de Nacle contra Zagallo no Conselho Superior do Ministério Público: “Ainda há Advogados em São Paulo”

Promotor Zagallo já afirmou em documentos que “ladrão tem de ir para o inferno” e que os homossexuais são abertos a ‘experiências ardentes’

Corregedoria Nacional do MP também instaura reclamação contra o promotor que fez incitação ao crime no Facebook

MP abre processo contra promotor que incita crime na rede sugerindo que a PM matasse manifestantes do MPL

Promotor sugere no Facebook que PM atire em manifestantes do Movimento Passe Livre que ele arquivaria inquérito!

MPL: “se a tarifa não baixar, a cidade vai parar”

Nota pública do Movimento Passe Livre sobre a luta contra o aumento

Nota à Imprensa: Movimento Passe Livre de São Paulo

Denúncia: Polícia impede que manifestantes presos do Movimento Passe Livre falem com seus advogados

Movimento Passe Livre: #ExisteAumentoemSP

Renato Rovai: “A revolta é de jovens. E muitos pobres. E com raiva. E isso ninguém me contou. Eu vi.”

Aos que querem desqualificar a luta da juventude por uma cidade de direitos

Sérgio Bruno: Ao promotor Zagallo, de colega para colega

Erra quem transforma a questão de SP em um problema único e exclusivo do PT, erra também quem acha que não é um problema do PT

Cenas fortes de ato de covardia explícita: 10 armados de cassetete contra um ‘armado’ com câmera fotográfica

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum