Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

O que o brasileiro pensa?
25 de setembro de 2010, 01h32

Isto É reconhece em editorial o que publicamos meses a fio

Antes de reproduzir o Editorial de Isto É, vou listar só alguns dos últimos artigos de Marcos Coimbra que argumentam quase a mesma coisa do Editorial de Isto É: (aqui) ou (aqui).

Poderia também recorrer a um dos artigos de Maria Inês Nassif (aqui) ou ao do professor Daniel Aarão Reis (aquique escreveu uma avaliação do governo Lula bastante pertinente explicando o porquê de os brasileiros querer continuidade.

Ainda poderia lembrar do balanço que fez o blogueiro Arnobio Rocha (aqui), ou a declaração de voto do sociólogo Celso Barros (aqui), ou ainda as dezenas de publicações internacionais (El Pais, Le Monde, Le Monde Diplomatique, The Economist, Le Figaro, Time Magazine, The New York Times, etc etc etc).

Antes de todos eles uma entrevista de Franklin Martins de 2006, cuja metáfora do dique da classe C e do fim da era da pedra no lago já estava bem esclarecida.

Enfim, a gente poderia dizer pra esta oposição perdida que atira no próprio pé e pra esta mídia conservadora e desesperada que repete seu mantra há oito anos e que mesmo assim, pelo que tudo indica, vai ver o candidato escolhido por ela mais uma vez naufragar: É a economia, estúpido!

“O ENCONTRO DAS ONDAS”

Por Carlos: José Marques, diretor editorial na Isto É

O maior erro praticado por diversos setores envolvidos numa campanha política é o de não entender o eleitor. Nesse momento em que o Brasil se aproxima novamente das urnas para eleger candidatos a postos majoritários – inclusive o de presidente –, o fenômeno mais uma vez se repete. Diversos agentes envolvidos no processo eleitoral não deram ouvido e espaço a voz das ruas e a atacam de maneira visceral e virulenta pela opção seguida. Como se ela estivesse errando pela simples razão de escolher. É um movimento ensandecido, radical, com alegações desconectadas da realidade. Pelo olhar desses senhores, “a democracia estaria em risco” e a sociedade brasileira “assombrada pelo autoritarismo”, com eleitores que só enxergam o seu poder de consumo.

O que todos precisam estar conscientes no atual cenário é que, passadas quase três décadas desde a redemocratização do País, a vontade popular, mais uma vez e de maneira sadia e inequívoca, será exercida em sua plenitude com o voto. E isso é democracia em estado puro.

Enganam-se aqueles que pensam que as instituições estão desestabilizadas ou que a opinião pública é alienada e facilmente manejável. Ela segue, como demonstrou em várias ocasiões, o sentido lógico e racional do que é melhor para ela.

Nos últimos anos, uma combinação rara e positiva de avanços sociais e econômicos culminou com uma ascensão notória da qualidade de vida em geral. Empresas estão crescendo, investindo e vendendo mais. Trabalhadores vêm conquistando melhorias salariais e mais empregos, com uma inclusão em larga escala dos cidadãos. E um conjunto amplo de indicadores no campo da educação, saúde e habitação apresenta evoluções inegáveis. Tudo isso explicaria a gigantesca onda vermelha que parece tomar conta do País.

A frente governista, pelo que mostram as pesquisas, deverá fazer na Câmara Federal cerca de 400 dos 513 deputados; 58 dos 81 senadores possíveis e 19 governadores. A candidata da situação, Dilma Rousseff, vem liderando com boa margem em 21 Estados e nos outros seis apresenta empate técnico.

A onda contrária da oposição, diante da acachapante derrota em andamento, segue para o confronto com um discurso disparatado, sem propostas e com claros pendores eleitoreiros. Martela discussões sobre a ética como se apenas o seu lado fosse detentor dela. Depois de investir contra a opinião pública e de não reconhecer sua legitimidade, partiu para um movimento que tem um quê de esquizofrenia partidária, com perigosos sinais golpistas.

Elaborou um manifesto em que reclama da “visão regressiva do processo político” e usa expressões como “intolerável, inconcebível, constrangedor, aviltante e repugnante” para subliminarmente defender que Dilma Rousseff não deveria chegar ao poder e que José Serra teria o direito natural e inalienável de ser o próximo presidente da República.

Nesse intuito, na reta final da campanha, o próprio Serra, tentando angariar incautos de última hora, apelou para promessas populistas irresponsáveis – como o reajuste da previdência, dos aposentados, do salário mínimo além da inflação e até do programa Bolsa Família –, medidas que se adotadas provocariam um estouro monstro nas contas públicas, sem previsão de receita no Orçamento da União.

Esse vale-tudo inconsequente de alguns candidatos parece desconsiderar um fato que o sociólogo espanhol Manuel Castells definiu com muita propriedade em entrevista publicada no jornal “Folha de S.Paulo” da semana passada. Segundo ele, “no Brasil, neste momento, não há medo nem insatisfação profunda que faça com que as pessoas queiram mudar”. E aponta: “Os políticos sempre estão atrasados em relação à sociedade.” Talvez porque muitos deles ainda enxerguem o sentimento popular como mera massa de manobra e não como direito a opção. É o choque das ondas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum