Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

12 de junho de 2015, 13h21

Lelê Teles: Gil e Caetano em Israel: Elementar, meu caro Waters!

ELEMENTAR, MEU CARO WATERS. (Gil e Caetano em Israel)

Por Lelê Teles

Rogério Águas, o imortal baixista e compositor do também imortal Pink Floyd, escreveu uma carta aberta a Gil e Caetano pedindo para que os brasileiros se juntassem a um grupo de artistas, de renome internacional, que já se recusaram a tocar em Israel ou cancelaram seus shows por apoio ao massacre de palestinos.

Laurin Hill, Crazy Horse, Neil Young e até os Back Street Boys – por algum motivo – já cancelaram shows em Israel.

Mas os baianos não se sentiram melindrados e vão tropicalizar a terra de Bibi Netanyahu.

Afinal, atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu. Os palestinos não irão.

Só no ano passado, os sinonistas mataram mais de 2 mil palestinos, inclusive crianças, mulheres e idosos.

E estão, os europeus instalados em Israel, a invadir as terras do povo semita.

Assim como Eduardo Cunha, Joaquim Barbosa e uma caravana cada vez maior de evangélicos, a dupla baiana não se incomoda em legitimar um estado militar que não respeita as leis internacionais e mata por diversão.

Waters, é bom que se entenda, não está pedindo para que os tropicalistas não toquem para os israelenses, mas que se recusem a tocar em um país cujos dirigentes promovem um genocídio contra um povo pobre.

Roger Waters, no passado, já pediu a derrubada de todos os muros. O Floyd fez um concerto apoteótico depois da queda do Muro de Berlim.

Mas os europeus agora instalados em Israel ergueram, sangue nos olhos, um vergonhoso muro para segregar o povo palestino, os morenos semitas.

Sem uma resposta concreta da dupla brasileira ao seu primeiro apelo, Waters reiterou o pedido em uma nova carta.

Ali, o bom Roger tenta enternecer o coração dos baianos. Conta a emocionante história de dois garotos que foram alvejados, covardemente e nos pés, pelo exército de Israel.

Sem cometerem nenhum crime.

Eles mamavam o futebol, talvez nunca mais chutarão uma bola.

Respeito e muito o trabalho de Gil e de Caetano, amo a arte destes dois imortais.

Por isso, reconheço que eles estão sendo coerentes.

Os dois estão acostumados a tocarem onde existe um muro humano, um cordão que isola e espreme os pobres da diversão dos ricos.

Na festa que distribui chiclete para os brancos e dá uma banana para os pretos.

Se os tropicalistas tivessem que parar de tocar em zonas de exclusão, conflito e massacres, nunca mais subiriam em um trio elétrico no carnaval de Salvador.

E nem teriam luxuosos camarotes na festa da apartação social.

Elementar, meu caro Waters.

Palavra da salvação.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum