Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

Fórumcast, o podcast da Fórum
09 de abril de 2016, 11h10

Lelê Teles: SOBRE JORNALISTAS E JORNALISMO

SOBRE JORNALISTAS E JORNALISMO

Por Lelê Teles

capaforçadilma

Não sei porque diabos classificam jornalista e jornalismo na mesma categoria.

O jornalista, você bem o sabe, esse operário da comunicação, é uma espécie de testemunha ocular da história. É o cabra que transforma fatos em notícia.

Ponto.

Mas é fato também que ele está inserido dentro de uma categoria descrita como jornalismo. E aí é que começa a surgir a confusão.

Ponto e vírgula.

E esse sufixo, –ismo, é que dá o nó no rabo do porco.

Englobados, todos, nessa categoria Jornalismo, parece que todos os jornalistas pertencem a uma mesma religião ou seita (budismo, cristianismo, islamismo, jornalismo).

Ou que pertençam a uma modalidade esportiva (ciclismo, halterocopismo, jornalismo); ou que estão todos acometidos pela mesma enfermidade (astigmatismo, estrabismo, jornalismo).

ou, ainda, que fazem parte do mesmo sistema filosófico ou da mesma doutrina política ou ideológica.

E aqui é que a confusão começa a se dissipar.

Dois pontos.

CAPAFORÇAfotooriginal

Essa capa d’O Globo aí de cima evidencia a diferença que há entre o jornalismo e os jornalistas.

O cabra que colocou essa foto da presidenta na capa d’O Globo foi um jornalista.

Agora, o sujeito que enxergou a palavra “força” e percebeu que ela tinha força simbólica, foi além do fato e buscou ali arranjos semiológicos e gestálticos, é o representante legítimo do jornalismo; que pode até ser um jornalista, mas não necessariamente.

CAPAFORÇAPROBLOG

Esse senhor que mandou dar uma marcha ré no avião, para a palavra “força” desaparecer, servia não ao público ou ao interesse público, ele obedecia caninamente às diretrizes ideológicas de seu patrão.

O jornalismo é, portanto, uma ideologia.

É a doutrina econômica, política, ideológica e cultural dos donos dos jornais.

É o jornalismo, e não o jornalista, quem se auto intitula o Quarto Poder. Porque o lance do jornalismo é esse, Poder.

A midiocracia é uma aspiração do jornalismo. Por isso que hoje, no Brasil, vemos essa tentativa descarada de subjugar e submeter os outros três poderes.

Walter Lippmann – e eu só fui conhecer esse senhor no mestrado em comunicação – lançou em 1922 o seminal Opinião Pública e ali ele já mostrava as artimanhas da manipulação cognitiva.

A opinião publicada, a opinião dos donos dos jornais portanto, se convertia num passe de mágica na mítica opinião pública.

McCombs, nos anos 60, lacra esse pensamento demonstrando o poder de agendamento político, cultural, social e econômico que estava nas mãos dos poderosos donos do Quarto Poder.

Com a chegada da blogosferta, no Brasil, estamos a assistir o início de uma ruptura, onde jornalistas passam a criticar seus ex-patrões e seus métodos manipuladores.

Jornalistas passaram a criticar o jornalismo.

Nem todos, é claro.

Convertidos em bonecos de ventríloquo, alguns jornalistas se tornaram animais domésticos.

Gratos por receber casa e comida, eles aceitam resignadamente que lhe ponham uma coleira e que, de vez em quando, lhes deem umas pancadas.

Atiram-lhes um osso e eles correm, abanado o rabo e mostrando a língua.

Os seguidores do jornalismo, os que creem, com fé mesmo, que o jornalismo é imparcial, factual e verdadeiro, eu os classifico como Midiotas.

Para alimentar os midiotas, o jornalismo criou uma cáfila de colunistas e âncoras que rastejam no deserto de ideias pregando uma voz única, um pensamento único e manipulando corações e mentes.

Esses ventríloquos que vocalizam as ideias da família Marinho eu os classifico como Mari(nh)onetes.

Simulando uma polissemia, as marinhonetes aparecem na TV, no impresso, no rádio e na web.

Por ouvir várias vozes em variados meios, a população acredita estar a ouvir vozes diversas, por ouvir diversas vozes; mas são sempre as mesmas caras, sempre os mesmos caras.

As ideias são sempre as mesmas.

Assim, ubíquos, os donos do Quarto Poder manipulam.

Mas as coisas têm mudado.

Na web, livres dos grilhões empregatícios, jornalistas aproveitam a linguagem dialógica da blogosfera e desmascaram os colegas ventriloquados; o jornalismo cada vez pode menos.

Portanto, só os jornalistas podem nos livrar do Jornalismo.

Palavra da salvação.

*Lelê Teles é Diretor de Marketing, Jornalista e Roteirista

Fernando Brito também escreveu sobre o assunto

O Globo corta a “Força” da foto de Dilma, mas tem de admitir que ela se fortaleceu


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum