Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

#Fórumcast, o podcast da Fórum
10 de setembro de 2018, 15h48

Marcelo Zero: A soberania popular foi invadida

Que Soberania?

Por Marcelo Zero

Numa entrevista muito grave, que só piora o grau de exacerbação política do Brasil, o Comandante do Exército, General Villas Bôas, advertiu o país que uma eventual candidatura de Lula configuraria “o pior cenário”, pois teríamos “alguém sub judice, afrontando tanto a Constituição quanto a Lei da Ficha Limpa, tirando a legitimidade, dificultando a estabilidade e a governabilidade do futuro governo e dividindo ainda mais a sociedade brasileira”.

O general ainda afirmou que a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU sobre tal candidatura é “uma tentativa de invasão da soberania nacional. Depende de nós permitir que ela se confirme ou não. Isso é algo que nos preocupa, porque pode comprometer nossa estabilidade, as condições de governabilidade e de legitimidade do próximo governo”.

O recado é claro: as Forças Armadas, segundo o general, não permitirão a candidatura de Lula, que ainda está sub judice, e o STF tem de dar a palavra final de veto, sob pena de um eventual novo governo do PT não ter “governabilidade”.

A fala é surpreendente por vários motivos.

Em primeiro lugar, porque o artigo 142, § 3, inciso V, da CF, determina que o militar, enquanto em serviço ativo, não pode estar filiado a partidos políticos. Assim, os militares da ativa, conforme mandamento constitucional, devem evitar atitudes e declarações que os identifiquem com forças políticas específicas. Ora, vetar ou condenar candidatura de quem quer que seja, parece violação desse mandamento constitucional. Não cabe aos militares a tutela do processo político e das decisões judiciais. Julgávamos que esse tempo estava extinto.


Dia 06 de setembro, no mesmo dia em que o candidato da extrema-direita sofreu um ataque, o artista plástico Jailton Francisco, foi arrastado e algemado pela guarda de trânsito por se manifestar pela liberdade de Lula, em Itajaí. A violência estatal está se vulgarizando, a democracia está morrendo, e o guarda da esquina já se sente autorizado a espancar quem quiser em praça pública.

Domingo, 09/09, o candidato a deputado pelo PT Paraná, Renato Almeida Freitas, fazia panfletagem no centro de Curitiba e foi agredido pela Guarda Municipal que o atacou com balas de borracha e o levou preso. Nenhum motivo para a prisão e nem para a violência policial.

Em segundo, porque o general deu a entrevista em razão da preocupação com o atentado contra Jair Bolsonaro, que conturba o cenário político. Contudo, não nos recordamos de declarações do mesmo teor quando, por exemplo, a Caravana de Lula foi alvo de tiros. Nesse caso, muitos assumiram tal atentado como algo natural. Outros chegaram ao cúmulo de considerar o atentado como algo desejável, algo comum como “levantar o relho” contra “desordeiros”. Agora mesmo, no Paraná, um militante do PT foi alvejado com balas de borracha e hospitalizado pelo “crime” de estar fazendo panfletagem. Silêncio sepulcral. Afinal, a violência jurídica, política e física contra petistas e esquerdistas já foi naturalizada pelo golpe.

Entretanto, o que mais chama a atenção nas declarações do general é a sua afirmação de que a decisão do Comitê de Direitos Humanos favorável à candidatura de Lula é uma “invasão da soberania nacional”. O general parece desconhecer que a adesão do Brasil ao Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos da ONU e ao seu Protocolo Facultativo, pelo a qual o país se submeteu voluntariamente às decisões do Comitê, foram atos soberanos no plano internacional. Ninguém invadiu nada. O Brasil, em ato de soberania exercido no plano mundial, deu permissão para que o Comitê julgasse eventuais violações de direitos humanos ocorridas em território nacional. O Brasil convidou o Comitê a exercer tal função. O Comitê não invadiu a soberania nacional.

Tal declaração resulta um tanto paradoxal num momento em que o golpe varre a soberania nacional em todos os planos.

Resulta difícil entender porque essa preocupação com a decisão do Comitê e não com fatos aberrantes que atentam, de fato, contra a soberania nacional. Assim, salvo engano, não nos lembramos de declarações do general contra a venda da Embraer à Boeing, que vai destruir a nossa estratégica indústria aeronáutica, contra a venda criminosa do pré-sal e dos ativos estratégicos da Petrobras, contra a anunciada venda de terras e jazidas minerais a estrangeiros, contra a venda da Eletrobrás, que ameaça a nossa segurança energética, contra a Emenda Constitucional nº 95, que vai reduzir substancialmente os investimentos nos projetos estratégicos da Defesa Nacional, contra a ingerência dos EUA na operação Lava Jato, que submete parte do Judiciário a desígnios estrangeiros, contra a renegociação do Acordo de Alcântara, que tende a colocar o programa espacial brasileiro na órbita dos interesses norte-americanos, contra o célere apequenamento do Brasil provocado pela política externa passiva e submissa praticada pelo governo do golpe etc.

A lista das verdadeiras invasões da soberania nacional promovidas pelo governo golpista é enorme. E o silêncio sobre tais invasões reais é, no mínimo, curioso. Assim como foi curioso o convite às Forças Armadas dos EUA de participar de operações militares na Amazônia, algo impensável há pouco tempo.

Alguns, como pode ser o caso do general, que não duvidamos ser um patriota honrado, aparentemente não entendem que a soberania nacional está estreitamente vinculada, numa democracia, à soberania popular.

O Brasil só será soberano se seu governo estiver solidamente calcado na soberania popular exercida pelo voto. Ora, todos sabem muito bem que a maioria do povo brasileiro quer que Lula seja candidato. Quer nele votar. Tornou-se voz corrente, no Brasil e no mundo, que Lula foi condenado injustamente, sem a exibição de provas concretas. A soberania popular, erodida pelo golpe, vem sendo mutilada num processo eleitoral fraudado. A soberania popular foi invadida.

E quem invade a soberania popular invade também a soberania nacional.

Portanto, a situação real é oposta à descrita pelo general. Qualquer governo que não seja o de Lula, o candidato preferido do povo, ou governo por ele apoiado, não estará calcado na soberania popular e, por conseguinte, não terá legitimidade e governabilidade para promover a soberania nacional.

O resto será agressão à soberania popular e invasão da soberania do Brasil.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum