Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

Fórum Educação
23 de agosto de 2015, 10h40

PR pede que Cunha devolva 80 milhões aos cofres públicos

Eduardo Cunha usou até igreja para lavar dinheiro de propina

O procurador-geral pede que o presidente da Câmara seja condenado por corrupção e lavagem, e devolva US$ 80 milhões aos cofres públicos

Por Najla Passos, Carta Maior
21/08/2015
reprodução

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quinta (20), denúncia contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele é suspeito de ter recebido pelo menos US$ 5 milhões em propinas de uma empresa contratada pela Petrobrás, no esquema investigado pela Operação Lava Jato.

O presidente da Câmara é acusado também pelo crime de lavagem de dinheiro. De acordo com o MP, ele usou até mesmo a igreja evangélica que frequenta, a Assembleia de Deus de Madureira, no Rio de Janeiro, para ‘esquentar’ parte do dinheiro recebido de propina. Curiosamente, a mesma igreja em que ele comemorou sua vitória para a presidência da Câmara, no início deste ano.

Conforme o procurador-geral, Cunha integrava o esquema liderado pelo então diretor da área internacional da Petrobrás, Nestor Ceveró, e pelo operador do PMDB, Fernando Soares, o “Fernando Baiano”, ambos já condenados por participação em crimes relacionados à Petrobrás. A peça sustenta que, de 2006 a 2012, os três receberam US$ 40 milhões em propinas para favorecer a contratação do estaleiro sul-coreano Samsung Heavy Industries CO, para a construção de dois navios-sonda para Petrobrás.

O “negócio” foi intermediado pelo executivo Júlio Camargo, que passou a representar o estaleiro sul-coreano no país e a receber, a título de comissão, o montante que o pagaria e o que seria distribuído em propinas. O problema é que em 2010, por questões contratuais, a Samsung deixou de pagar a “comissão” de Camargo que, por consequência, suspendeu o pagamento da propina de Baiano, Ceveró e Cunha.

O último, então, se valeu da sua prerrogativa de deputado federal para chantageá-lo, ameaçando inviabilizar os contratos da Samsung com a Petrobrás, ambos feitos sem licitações e com base em várias outras irregularidades. E para não se envolver diretamente no esquema, usou a então deputada Solange Almeida (PMDB-RJ), muito próxima a ele, para apresentar pedidos de informações sobre os contratos ao Tribunal de Contas da União (TCU) e ao Ministério das Minas e Energia.

Cunha, entretanto, deixou rastros no sistema de informática da Câmara. Uma diligência realizada pelo MP atestou que, embora assinados oficialmente por Solange, os documentos foram criados pelo próprio deputado: sua assinatura digital, que só pode ser obtida mediante acesso com sua senha pessoal e intransferível, conta nos arquivos.

Na investigação, o MP levantou também que a pauta nada a tinha a ver com o trabalho regular de Solange, que jamais havia solicitado coisa parecida nos seus dois mandatos como deputada federal. Por isso, ambos são acusados de corrupção passiva. O procurador-geral pede, inclusive, que Cunha devolva aos cofres públicos o montante de US$ 80 milhões, ou cerca de R$ 278 milhões.

O procurador-geral também pede que o STF instaure processo contra Cunha por lavagem de dinheiro. Na denúncia, demonstra como o dinheiro da propina era lavado em paraísos fiscais no exterior e depois retornava para o país, via contas do Fernando Baiano e do doleiro Alberto Youssef, também já condenado por crimes envolvendo o esquema da Petrobrás. Evangélico atuante, Cunha também usou a igreja que frequenta para receber parte do dinheiro da propina, em uma operação ilegal que ele e seus operadores chamavam de “doação”.

“Inocente” e “aliviado”

Em nota, Cunha reafirmou que é inocente e se disse aliviado pelo fato da denúncia ter saído do MP e chegado ao judiciário. Ele voltou a atacar o procurador geral da República, a quem atribui a responsabilidade por ter sido incluído na investigação. “Fui escolhido para ser investigado. Agora, ao que parece, estou também sendo escolhido para ser denunciado”, disse. O presidente da Câmara também reiterou que permanecerá no cargo.

Parlamentares de dez partidos – PT, PSOL, PSB, PPS, PTD, PROS, PTB, PR, PSC e até o PMDB do próprio Cunha – divulgaram hoje um manifesto pedindo seu afastamento. “A denúncia é extremamente consistente. Há fatos robustos ali que inviabilizam que ele continue a frente da presidência da Câmara”, afirmou o deputado Henrique Fontana (PT-RS), que assina o manifesto.

Segundo ele, nos últimos meses Cunha tem dado diversas demonstrações de que não se furtará a usar o cargo em proveito próprio, como ocorreu no caso da contratação da consultoria Kroll, que consumiu cerca de R$ 1 milhão dos cofres públicos para investigar os delatores dele na Operação Lava Jato. “Ele não tem mais condições de continuar presidindo a Câmara”, resumiu.

No manifesto, os deputados são categóricos. “Exercer a presidência da Câmara dos Deputados exige equilíbrio, postura ética e credibilidade. A responsabilidade de dirigente maior de uma das casas do poder legislativo é incompatível com a condição de denunciado. Em defesa do Parlamento, clamamos pelo afastamento imediato de Eduardo Cunha da presidência da Câmara dos Deputados”, diz o documento.

Nas manifestações que ocorreram nesta quinta (20) em 23 cidades do país, tanto em apoio à permanência no cargo da presidenta Dilma Rousseff quanto em protesto contra o ajuste fiscal do governo, o “Fora Cunha” foi uma das palavras de ordem mais ouvidas. As críticas a pauta conservadora que ele implantou no Congresso uniram todos os manifestantes, de um e de outro lado.

Collor de Mello

Nesta quinta (20), o procurador-geral da República também denunciou ao STF o senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), que em 1992 renunciou ao cargo de presidente do país para fugir de um processo de cassação. Pela denúncia, Collor recebeu cerca de R$ 26 milhões de propina em contratos da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras. O processo contra ele, porém, corre em segredo de justiça e são poucas as informações já disponíveis.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum