segunda-feira, 21 set 2020
Publicidade

Renam Brandão: Tem que ter vinagre no bolso do PT

Tem que ter vinagre no bolso do PT*

Por: Renam Brandão

17/06/2013

 

A conjuntura é delicada. Sobretudo para o PT…

Jovens se manifestam da forma como nos manifestávamos antes, mas que abandonamos ou esquecemos ou (em alguns casos, não o meu) até repudiamos. Com instrumentos de comunicação velozes e eficazes incrementam a auto-organização utilizando o potencial das novas mídias para espalhar suas mensagens.

As manifestações pelo direito a livre circulação crescem no Brasil, em boa medida por conta da ação truculenta das polícias (agora inclusive do GDF). Mas não só por isso: um maravilhoso espectro ronda o país, o espectro do retorno das lutas populares nas ruas. E é maravilhoso porque, afinal, as cidades estão a cada dia menos transitáveis.

Percebendo o poder de mobilização dessa juventude, a mídia vai mudando de posicionamento e tenta pautar as manifestações e interpretá-las como lhe convém. De baderneiros à portadores da esperança contra os vermelhos – é o PIG** atuando.

O PIG sabe que os manifestantes são anti-PIG. Mas sabe, também, que pode passar aqui o que ocorreu, por exemplo, na Espanha de Zapatero. A insatisfação toma as ruas, a esquerda perde o pé e a direita ganha nas urnas.

Por isto o PT não pode vacilar e nossos governos não podem errar ou patina. É uma grande falha apontar as manifestações como manipulações de nossos adversários. É um equívoco estratégico comparar o que ocorre hoje com as tentativas frustradas de iniciativas como o “Cansei”. Por mais que nossos governos tenham avançado, nosso atraso ainda é grande e precisamos acelerar as mudanças iniciadas há dez anos.

Não adianta ficar na defensiva – bradar raivosamente como se todos fossem da direita é uma reação defensiva burra de quem prefere ficar acuado. Quem está nas ruas não quer ouvir sobre os limites cada vez mais rebaixados de nossas administrações. Também não farão a conta dos fatores limitantes, pois algumas vezes os limites são impostos por nossas opções de aliança com setores do atraso político do país.

O PT tem que sair do estado de inércia; nossa musculatura para as lutas está atrofiada; as engrenagens para acompanhar e colaborar com as manifestações não dirigidas pelos aparatos estão enferrujadas e boa parte dos nossos quadros e da nossa juventude está burocratizada.

De nossa parte estamos intensificando os esforços para mudar essa situação. E precisamos fazê-lo com redobrado esforço nas próximas horas e nos próximos dias.

Na reunião do Diretório Estadual do PT-RJ ontem (16/06), entre os 16 oradores, alguns silenciaram sobre o tema, um fez uma fala rebaixada quanto às manifestações, mas a maioria das lideranças de todas as correntes internas se manifestou pelo apoio e participação partidária nas passeatas (ver nossa fala: http://on.fb.me/1bLhFhT ou aqui:http://bit.ly/11KIvC8).

Ao fim do encontro, aprovamos um boa nota sobre o tema (http://bit.ly/13U9Of7), construída a partir da nota da JPT-RJ (http://bit.ly/11APcWi).

Precisamos iniciar a mudança no eixo das nossas alianças e lutar para ampliar a inversão de prioridades – a maioria da população precisa se beneficiar mais das políticas dos governos nas cidades. O PT tem que se postar ao lado daqueles que entendem que é possível e lutam por garantir e ampliar os direitos urbanos!

Nessa mudança de rumos a primeira tarefa é ajudar a conquistar, a partir das mobilizações, alterações nas estruturas de mobilidade das cidades e estados – onde somos governo e onde somos oposição. Ou reatamos com as mobilizações e reorientamos nossas alianças prioritárias, ou podemos ter um perigoso e decisivo revés na trajetória do PT.

Nos próximos dias a atuação do PT marcará um significativo momento de sua história.

Hoje a batalha das ruas e do Partido pode ter uma importante inflexão: depende muito do Haddad, como receberá os manifestantes? Cederá em algo importante da pauta das mobilizações?

No Rio de Janeiro o nosso compromisso em defesa do legado e da renovação do PT se manifestará atendendo ao chamado da reunião de ontem: nós petistas participaremos ativamente das manifestações, lado a lado com todos aqueles e aquelas que querem uma política de transporte que afirme efetivamente o direito à Cidade!

Aqui no Rio vai ter vinagre no bolso do PT!

*Renam Brandão é militante do PT no Rio de Janeiro e pré-candidato a presidente estadual do partido.

*Sobre o vinagre, para quem ainda não sabe: http://bit.ly/126qKfy

** Partido da Imprensa Golpista

Nota da militante Maria Frô: Este é o PT pelo qual  ainda luto, pelo qual tenho identidade. Qual o tamanho dele? Não sei, mas eu gostaria que ele ganhasse corpo, se fortalecesse e tirasse as teias de aranhas pragmáticas que burocratizaram o partido e o afastaram das lutas.

Leia também:

Leandro Fortes: comenta matéria: Comandante-geral da PM pede protesto contra mensalão

Jorge Viana: “Nossa juventude não pode ser tratada como bandida”

Nota do Movimento Passe Livre SP sobre reunião com a prefeitura: aumentos de tarifa não se tratam de uma questão técnica

Maria Frô
Maria Frô
Historiadora, pedagoga, educadora, formadora, blogueira, autora de coleções didáticas e séries para a televisão.