Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
10 de julho de 2010, 02h43

Rogério Tomaz Jr: Quantos Josias e Nanis valem uma prostituta?

Eu respeito as prostitutas, elas são profissionais do sexo, fazem seu trabalho com certa dignidade. Bem pior é o jornalismo prostituído que sequer prazer dá aos seus leitores.

Trago do blog Conexão Brasília-Maranhão um texto sobre a charge de Nani e o jornalismo praticado por Josias de Souza. Preparem o estômago.

Quantos Josias e Nanis valem uma prostituta?

Por: Rogério Tomaz Jr

Tem gente que conhece muito bem, mas insiste em (ou finge) esquecer o significado político dos Julgamentos de Nuremberg.

Não tenho a menor dúvida de que o chargista Nani e o jornalista Josias de Souza têm plena noção de que o Tribunal que julgou os crimes do Nazismo expressou o sentimento internacional de rejeição absoluta às concepções nas quais se baseava o regime de Hitler.

A base ideológica de sustentação do Estado nazista situava-se no racismo e nas outras formas de preconceito e discriminação contra todos os povos e grupos sociais que os arianos consideravam inferiores — e, portanto, merecedores de dominação.

Contra esse tipo de pensamento — ainda existente em muitas mentes supostamente sãs, sobretudo no PIG — a humanidade se insurgiu na II Guerra, nos Julgamentos de Nuremberg e, mais ainda, na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

É por isso que não se pode confundir “liberdade de expressão” com disseminação de quaisquer tipos de preconceitos. Simplesmente não é tolerável!

Tampouco é admissível o uso da máscara do “humor” para esconder ou minimizar esse tipo de prática.

E também não adianta vir gente como o Reinaldo Azevedo — a escória da escória da humanidade — dizer que a crítica aos atos preconceituosos é a “patrulha do politicamente correto”. Aliás, se tivesse vivido na época da II Guerra, Reinaldo Azevedo teria sido réu em Nuremberg, fácil, fácil. A dúvida é se ele entraria na fila antes ou depois de Rosenberg, o principal teórico do Reich.

A charge do Nani retratando Dilma Roussef como prostituta — a pretexto de criticar a aliança da candidata à presidência — só não é mais abjeta do que a reprodução feita pelo Josias de Souza em seu blog ontem (8).

Os nazistas adoravam preconceitos

Nani e Josias, como bobos da corte, garantem o sorriso de gente que cultiva as mesmas teses dos oficiais de Hitler. Gente que detesta a massa do Bolsa Família, mas se enxerga e se vê representada na “massa cheirosa” da Eliane Cantanhêde.

Com o seu “trabalho”, conscientemente ou não (creio na primeira opção), Nani e Josias — tal qual o goleiro Bruno e seus comparsas, ou como os assassinos do adolescente Alexandre Ivo Rajão, morto por ser ligado a uma entidade de defesa dos direitos de gays, lésbicas, travestis e transsexuais — alimentam o que de pior existe nos seres humanos: a aversão e a repugnância ao diferente.

Além de alimentar o estigma carregado pelas prostitutas, Nani e Josias se valem desse mesmo estereótipo para violentarem simbolicamente não apenas a candidata petista, mas todas as mulheres que ousam enfrentar, de cabeça erguida, um mundo ultramachista para manterem intacta a sua dignidade.

E olha que do Josias não se pode esperar coisa muito diferente. Logo ele, que já escreveu matérias na Folha de São Paulo usando recursos do Incra de F(MI)HC para atacar o MST, reproduz uma referência à prostituição. O episódio das matérias da FSP pagas pelo Incra lhe rendeu o merecido apelido de Josincras de Souza (clique aqui).

Afinal, como se chama jornalista que é pago(a) pela fonte para fazer matéria favorável aos interesses desta? Não chame de prostituto(a), porque as profissionais que desempenham este ofício possuem muito mais dignidade e firmeza de caráter.

Talvez entre os conhecedores da psicanálise haja quem aponte na nota do Josias uma “projeção” deste sobre quem ele pretendia criticar.

E é bom lembrar que o Josincras é reincidente nesse tipo de jornaZismo. Veja o que ele publicou em fevereiro de 2009, criticado pelo Blog da Cidadania:

Um filho de chocadeira

JornaZismo de escriba vendido

Sou casado e tenho quatro filhos, sendo três mulheres. Tenho também uma neta. Além disso, tenho mãe, o que não parece ser o caso desse infeliz desse blog abjeto que aparece na imagem acima, desse empregadinho da mídia golpista, desse sujeitinho à-toa que acha que a escolha dessa manchete para uma matéria relativa a foto mostrando a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e a ex-prefeita Marta Suplicy, é coisa de homem. Eu não acho. Como filho, esposo, pai e avô, tenho, ao todo, seis bons motivos para não descer a esse ponto na guerra política, ao ponto a que desceu esse degenerado sem mãe.

Eduardo Guimarães – Blog da Cidadania

Sigamos. Assim como os nazistas alemães, os seus seguidores brasileiros serão (novamente) derrotados… nas urnas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum