Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

#Fórumcast, o podcast da Fórum
30 de outubro de 2013, 13h44

Sandra Helena de Souza: Dilma embolada

Um bom texto, uma crítica pertinente, Carlos Latuff escreveu algo ainda mais duro.

Talvez pensar que Dilma Rousseff tem de responder a investidura do cargo e nós não podemos abrir mão do nosso papel de ativistas dos direitos humanos.

Ao lutarmos por desmilitarizar esta polícia e combater o racismo institucional possamos fazer a ‘vândala do passado’ acumular forças pra enterrar de vez estes entulhos da ditadura.

 Dilma embolada

Por: Sandra Helena de Souza*, O Povo

 30/10/2013

Em recente entrevista, o sociólogo Boaventura de Souza Santos, ícone mundial dos atuais movimentos de esquerda, se refere à situação que vivemos no Brasil, e em outros países que enfrentam movimentos de resistência popular mais ou menos permanente, como ‘estado de guerra civil de baixa intensidade’. Inicialmente me pareceu exagero. Mas a dinâmica dos acontecimentos, especialmente nas duas principais metrópoles do País desde as jornadas de junho, evidencia a estática de uma conformação social cada vez mais insustentável.

Depois de dias furiosos nas redes sociais, com governistas, oposicionistas, anarquistas e moderados se digladiando por conta de o midiático espancamento de um coronel PMESP por manifestantes mascarados ter provocado a primeira intervenção da presidente sobre a crescente escalada de violência nos confrontos, prestando-lhe solidariedade, a realidade indicada pelo sociólogo surge na própria reflexão da presidente, em nova intervenção. Dessa vez, a presidente presta solidariedade à família do jovem Douglas, assassinado pela mesma polícia. E acrescenta: “Assim como Douglas, milhares de outros jovens negros da periferia são vítimas cotidianas da violência. A violência contra a periferia é a manifestação mais forte da desigualdade no Brasil.” Guerra de ‘baixa’ intensidade com vítimas preferenciais.

Mas a seletividade de que fora acusada ao escolher um policial para manifestar indignação pela violência nas ruas, mantém-se quando tentou corrigi-la. Os ‘black blocs’ foram acusados de bárbaros antidemocratas e mais ela disse: “A Justiça deve punir os abusos, nos termos da lei. O Governo Federal coloca à disposição do Governo de São Paulo o que ele julgar necessário.” Poderia tê-lo dito exatamente assim para encerrar os comentários sobre a ‘barbárie antidemocrática’ cometida pelo Estado, mas não o fez.

Assim, ela reconheceu um fato estarrecedor que faz parte do DNA da estrutura social brasileira como quem reconhece uma catástrofe natural e, pior, como quem não tem nenhum poder de decisão sobre as causas de tamanha violência cometida contra a população jovem das periferias brasileiras.

Apesar disso não, não vivemos uma ditadura; somos, antes, uma jovem democracia, desafiada, encurralada, com restos de ditaduras nos calcanhares, dando mostras de que ‘atos jurídicos de exceção’ podem voltar a cristalizar a terrível situação de desigualdade que a presidente identifica placidamente, ampliando seus alvos para as liberdades civis tão duramente conquistadas.

Mais do que nunca, a discussão e o enfrentamento da transição não completada, do período de arbítrio para a democracia, nas bodas de prata da constituição, oferece-se de modo incontornável e cai no colo de uma ‘vândala’ de outrora. É bom que a juventude raivosa nas ruas vá aprendendo as lições. O sociólogo, na mesma entrevista, acusou Dilma de ‘insensibilidade social’. Exagero? A presidente revisita porões familiares, às voltas com antigos demônios.

Que os vença!

*Sandra Helena de Souza é professora de Filosofia e Ética da Unifor, email: souza.sandraelena@gmail.com

Leia também:

Gilberto Carvalho sobre os BBs: “a simples criminalização imediata não vai resolver”

Choque da PM por terra e por ar ataca população revoltada com mais um assassinato de adolescente negro na periferia de São Paulo

Os jovens de periferia não querem mais ver irmãos, parentes, amigos, colegas ou apenas conhecidos, serem enterrados porque cometeram o crime de terem nascido, em geral negros, e viverem nas periferias. Eles estão dizendo chega

Depois de Douglas, o assassinato do adolescente Jean e a polícia militar segue aumentando os índices de violência do Estado

A arma atirou sozinha? Tá errado isso aí, mano!

Por que o senhor atirou em mim? Quem vai responder a pergunta do Douglas?

Por que a PM está batendo deliberadamente nos fotógrafos que cobrem os protestos

Instituto de FHC leva aos EUA policial envolvida no caso Amarildo para falar em evento promocional do Google

Jornalixo Estadão faz piada com Amarildo e Extra beira a pedofilia

O Globo: Amarildo, epilético, não resistiu a choques elétricos: tortura aconteceu dentro de container da UPP

Amarildo, Presente!

Comandante da UPP da Rocinha combinou com PMs versão sobre sumiço de Amarildo, diz rádio

Advogados Ativistas denunciam: Os governos de Alckmin e Cabral recuperam práticas do DOPS

Presidenta Dilma Rousseff se pronuncia publicamente sobre o assassinato do adolescente Douglas por um policial militar em SP

A chance de um jovem negro ser assassinado no Brasil é 3,7 vezes maior, em comparação com um branco

Rafucko: imagina no Carnaval

Rafucko para Pedro Dória: ‘militante, o Globo é um jornal militante a serviço da ditadura militar’

 Viciado em Protesto: Cabral PRE- PARA!

Ricardo Targino: “Somos os filhos do lulismo que já inventamos a nossa própria revolução”

A revolta contra a inclusão, entrevista de Bruno Cava

Pablo Ortellado: Os protestos de junho entre o processo e o resultado

Boaventura: Apesar de Dilma demonstrar “insensibilidade social”, Marina não é uma alternativa à esquerda

Black blocs, o assassinato do menino Douglas e o inferno anunciado…

Moradores da Vila Medeiros (SP) protestam após morte de adolescente por PM

De Perdizes a Cachoeirinha, perfil de ‘black blocs’ presos é variado

PM não vai mudar estratégia contra ‘black-blocs’, diz Alckmin


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum