Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

#Fórumcast, o podcast da Fórum
19 de novembro de 2014, 20h38

Vunesp reforça preconceitos e estereótipos sobre mulheres, continente africano e mundo árabe

Historiadores e outros pesquisadores da área de Ciências Humanas, alguns formados pela UNESP escrevem uma carta aberta à comissão de vestibulares da instituição, a VUNESP, tecendo uma série de considerações sobre algumas questões do seu último vestibular, aplicado domingo passado.

Acho que os professores das comissões de vestibulares devem ter autonomia para formular suas questões e, claro, elas não podem se submeter ao crivo ideológico. Mas elas devem considerar sempre a própria produção acadêmica e o que há de mais consistente nesta produção, o que a meu ver não foi o caso desta prova da UNESP.

Sabemos que nem sempre os elaboradores compartilham ou endossam os argumentos utilizados nos textos de suas provas. Mas a questão é, por que reproduzir textos sem apoio em pesquisas acadêmicas que reproduzem senso comum e que em tudo nega a própria existência do fazer científico?

Com tantos africanistas respeitáveis, com décadas de pesquisa acadêmicas no Brasil, nos Estados Unidos e em diferentes países africanos, que fazem a crítica a uma visão anistórica sobre o continente africano pré colonialismo, escolher um articulista de jornal como fonte me parece desnecessário e empobrecedor para fazer os vestibulandos refletirem sobre a questão. Mais grave ainda é o reforço à naturalização dos papéis sociais na questão de gênero, isso de fato nega a própria produção acadêmica da UNESP e das demais universidades públicas deste país.

Sem comentários para a escolha do texto atravessado de Rodrigo Constantino que trata os povos árabes como pedófilos. Semelhante aberração cognitiva ocorreu há alguns anos quando um taxista metido a antropólogo teve uma meia hora de espaço na maior rede de televisão do país, A Globo, no programa do Jô Soares para fazer as leituras mais absurdas sobre penteados de vários grupos de mulheres de Angola e Namíbia, relacionando-os com “promiscuidade sexual” e tratando todos os povos africanos como pedófilos. Tal aberração sofreu uma reação internacional de embaixadas a pesquisadores sobre a irresponsabilidade de se usar uma concessão pública pra disseminar preconceitos sobre um continente inteiro, sem qualquer amparo nas pesquisas acadêmicas da antropologia, história ou sociologia.

Seria importante que a VUNESP considerasse as críticas e no próximo ano mostrasse mais cuidado e respeito às pesquisas consistentes, evitando usar os ~pesquisadores~ da ~Academia de Ciência de Veja~ como diria o professor Miguel Nicolelis ao responder a tríade de bárbaros da mídia monopolista e conservadora que o provocaram sobre o exoesqueleto durante a abertura da Copa.

Abaixo a reprodução dos textos e questões polêmicos e a carta aberta dirigida à VUNESP. Se desejarem assiná-la, acessem: Carta Aberta à VUNESP, professores e vestibulandos

constantino

narloch

questão de gênero

QUESTao-DE-GENERO

Carta Aberta à VUNESP, Professores e Vestibulandos


Partindo do real papel do vestibular na sociedade brasileira, qual seja, selecionar segundo critério meritocrático a entrada de estudantes nas universidades do país, falar desse processo seletivo obrigatório significa compreender que mesmo com a expansão da oferta de vagas efetuada na última década (através do Reuni, Prouni, Fies, entre outros Programas de acesso implementados nas universidades nos últimos anos, sobre os quais cabem críticas relevantes, porém não é o que nos pretendemos aqui no momento), ela ainda não é suficiente e, portanto, o vestibular continua ranqueando estudantes e deixando um grande número para o lado de fora dos muros das universidades públicas, ratificando a desigualdade econômica, de acesso à educação pública de qualidade, aos bens culturais e a meios de comunicação mais democráticos.

Nesse contexto, as provas dos vestibulares geraram e continuam gerando discussões na sociedade em geral a partir dos temas levantados nas questões de cada ano, (re)colocando muitas vezes assuntos importantes na ordem do dia, com base num conteúdo cientificamente embasado e utilizando-se de autores expressivos da sociologia, filosofia, história, geografia, literatura etc. para fazer com que os candidatos reflitam sobre o que se espera que respondam.

Porém, tendo em vista o último vestibular da Unesp -que coloca em cheque conceitos históricos que refletem a história política, econômica e cultural brasileira- vimos por meio desta carta, nos manifestar a respeito de algumas questões que ferem gravemente a legitimidade do vestibular que oferece acesso a esta Universidade, bem como seu estatuto científico, ambos frutos de conquistas às quais sempre fomos instigados a respeitar e defender, enquanto ex-alunos desta Instituição.

Na questão 7, a temática da maternidade é apresentada de maneira absolutamente inapropriada para o momento histórico presente em que se coloca a questão de gênero como central nas análises sociais. Inexplicavelmente a Vunesp recupera uma anacrônica leitura da questão de gênero, concebendo-a a partir de parâmetros naturalizantes. Mesmo não encontrando qualquer evidência nos processos reais, o vestibulando é obrigado a ratificar uma visão que trata o tema como uma fatalidade biológica, se não mesmo como uma obrigação social ou moral da mulher. Se a máxima lançada por Simone de Beauvoir, há mais de sessenta anos (“Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a fêmea humana no seio da sociedade”), parece não incomodar a comissão elaboradora da prova, nos causa estranheza que não se sintam envergonhados por desrespeitar a obra daquela que foi provavelmente a mais destacada professora da Universidade Estadual Paulista em toda a sua história, Heleieth Saffioti, autora do clássico estudo “A mulher na sociedade de classes: mito e realidade”.

Ainda em relação a esta questão, cabe frisar que não é o acesso -ou falta dele- à educação que faz de um grupo social uma minoria política, mas sim a desigualdade vivenciada na correlação de forças, na distribuição do poder existente na sociedade. Desse modo, reduzir toda a luta feminina a um singelo pedido por condescendência dos patrões em relação à ‘vocação natural da maternidade’ nos soa inadmissível.

Na questão 59, existe a tentativa não apenas de suavizar, mas sim de eximir as nações europeias por qualquer responsabilidade sobre as consequências negativas decorrentes do expúrio processo neocolonial que escravizou e explorou diversos povos africanos bem como as riquezas presentes em seus territórios, culpabilizando-os por sua atual situação de miséria, já que segundo o texto da questão, já haviam ali conflitos instaurados, antes da invasão das potências ocidentais. Nos sentimos como se a Unesp estivesse simplesmente negando os ensinamentos de referências como Florestan Fernandes (“A integração do negro na sociedade de classes” ou “O negro no mundo dos brancos”), Octavio Ianni (“As metamorfoses do escravo” ou “Cor e mobilidade social em Florianópolis” -em parceria com Fernando Henrique Cardoso), o pluralismo inaugurado por Levi-Strauss (“Raça e história”) e fundamentalmente o método crítico de autores como Walter Benjamin (“Teses sobre a história”) e Edward Palmer Thompson (“A história vista de baixo”).

O autor joga uma nuvem de fumaça sobre a Conferência de Berlim (1884) e a partilha da África, com todas as suas consequências, portanto é negacionista. Depois, espontaneamente, faz uma alusão ao iluminismo (sem citar fontes), e nega os efeitos da presença de oligopólios europeus no Continente. Ou seja, a análise do texto não se sustenta nem como reles nota de roda pé de estudos consagrados dentro da tradição crítica de interpretação dos processos sociais. E é esta interpretação crítica que vem sendo valorizada em todos os documentos referenciais para o tratamento de tais fenômenos no campo das ciências humanas quando voltadas para o ensino fundamental e médio, para não dizer da educação em geral. É conhecida de todos nós, trabalhadoras e trabalhadores da educação, a resistência imposta pelas universidades públicas de São Paulo em adotar medidas que favoreçam a inclusão em seu meio de estudantes que fazem parte das minorias políticas, mas nem a tão defendida ‘autonomia universitária’ lhes dá o direito de fazer vista grossa para os Parâmetros Curriculares Nacionais em suas avalições admissionais.

Na questão 56, chegamos à conclusão de que o debate sobre o multiculturalismo e o relativismo cultural deseja relativizar as construções sociais e políticas mais profundas da Sociedade Brasileira e sugerir uma ‘tolerância aos que intoleram’. O problema da questão da Vunesp não é quem escreve e nem quem é citado como referência, mas o que se escreve e a maneira como se questiona: o lugar e os termos a partir do qual se decide formular um problema e transformá-lo em questão para os vestibulandos.
Franz Fanon, lembrando daquilo que certa vez um professor seu lhe disse, afirmou: “sempre que você ouvir alguém maltratar um judeu, preste atenção, porque ele está falando sobre você [um negro]”. Quer dizer, falar de diferença enquanto atraso e barbárie no Iraque pode ser também um jeito de falar, por exemplo, de populações indígenas no Brasil, sobre países ou populações africanas ou afro-brasileiras e por aí vai. Nossa preocupação com a questão envolve a linguagem e o formato no qual esta foi construída. Tal discurso, defensor do caráter hierárquico no trato das tradições culturais, pode até encontrar amparo ou legitimidade dentro daquela tradição denominada criticamente por Edward Said como ‘orientalista’, mas soa como ‘palavra mofa’ à luz da renovação crítica que a área dos estudos culturais sofreu nas últimas décadas.

Defendemos uma educação plural, que valorize a diversidade inesgotável no campo das ciências. O que não podemos fazer é nos calar diante de uma proposta educativa que se negue a ser crítica!

Esperamos que esta manifestação quebre o silêncio até agora existente a respeito do problema aqui apontado. O corpo docente parece alienado deste debate, não se incomodando com o fato do vestibular estar fazendo chacota aberta das teses e ideias que eles mesmos nos ensinaram nesta instituição que tem tão larga tradição de participação crítica no debate público nacional. Os estudantes também não se manifestaram publicamente a respeito da questão. Esperamos que o façam a partir de agora, e utilizando os mais variados instrumentos e meios de pressão. Como ex-alunos da Unesp, mas fundamentalmente como trabalhadoras e trabalhadores da educação, nos recusamos a acreditar que auxiliar os alunos a ‘escovar a história a contrapelo’ possa promover a seleção de respostas erradas nas provas admissionais.

Neste sentido, convidamos a todos que sintam-se representados por este documento que assine embaixo e divulgue da melhor forma que julgar possível. Mais que um texto nosso, é uma construção coletiva.

Douglas Oliveira
Thomas Kodaky
Gustavo Rossi
Davi Alexander Boruszewski
Fernando de Figueiredo Balieiro
Fábio Leandrin
Rafaela Rabesco
Carlos Renato Florio
Nathalia Maringolo
Camilla Marcondes Massaro
Del Omo
Rodrigo Dionisi Capelli
Maicon Nicolino
Naiara Teixeira
Lívia Moraes
Diego Alvares Garcia
Daniel Gomes de Carvalho
Aline Pedro
Patricia Olsen
Ricardo Parra Catarina
Rafael Emilio Faria
Vera Cecarello
Marta Menezes
Mônica Menezes Santos
Roberto Della Santa
Robson Rocha Magri
Mateus Godoi
Carlos Zacarias de Sena Júnior
Regina Miyeko Oshiro
Bianca Sabina Olmedo Monteiro Ferreira
Gaya Maria Vazquez Gicovate
Laís Túbero Izidoro
Uiran Gebara da Silva
Wagner Nicolau Tavares da Silva
Pâmela Leite Simões
Lara Rodrigues Facioli
Paula Nicolau Tavares da Silva
Vanessa Xavier Nadotti
Bruno Meng
Carolina Florencio Pontes
Talita Menegas Pontes
Calis Vinicius Stocker Zandoná
Felipe Freitas de Souza
Silvio José Piovani Junior
Lucas de Carvalho Pelegrino
Breno Carlos da Silva
Marcelo Adolfi
Gisele Lemos da Silva
Ricardo Normanha Ribeiro de Almeida
Aline Saes Rodrigues
Larissa Camila Gonçalves
Ricardo Polimanti
Fábio Gerônimo Mota Diniz
Tadeu Carlos Silva
Cibele Aparecida Fabretti
Fabrício Galleti
Michele Mucio Campani
Thais Vahia de Abreu
Erika Siste Boaventura
Arthur Malaspina
Diego Vitorino
Sofia Lopes de Araujo
Renato Remanaschi Cabrini
Gabriela Oliveira da Costa
Regina Rodrigues
Giovanna Bucioli Pojar
Deni Alfaro Rubbo
Henrique Novo
Livia Maria Terra
Carolina Ribeiro Pátaro
Lucas Tanaka
Diego Coletti Oliva
Flávia Mercúrio Prates
Isabelle Demétrio


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum