Milos Morpha

por Cesar Castanha

08 de setembro de 2015, 09h02

Rebecca, o filme americano

Entre as anedotas que rodeiam Alfred Hitchcock (e seus modos interessantes garantiram que fossem muitas) estão as do filme que ele não fez. Em 1938, foi amplamente divulgado que o maior diretor britânico da década teria assinado com o produtor David O. Selznick para dirigir um filme baseado no naufrágio do Titanic, o que seria […]


+ posts

23 de julho de 2015, 11h59

A política de um melodrama

Ao falar de Jogo de Cena, Eduardo Coutinho percebia em sua última obra-prima um pouco da estética do melodrama. Ele apontava a performance dramática de que aquelas mulheres se utilizavam para confiá-lo a sua história. E, sem definir causa ou consequência, Coutinho justifica o fetiche narrativo de suas personagens pela proximidade da cultura literária brasileira […]


16 de julho de 2015, 09h43

O confronto americano de Um Bonde Chamado Desejo

Nenhuma peça teatral do século XX encontrou tanta repercussão cultural quanto Um Bonde Chamado Desejo, a obra-prima de Tennessee Williams. O conflito entre Blanche DuBois, Stanley Kowalsky e Stella ainda é aludido em comédias que brincam com o lirismo e o drama do texto e a afetação dos personagens. O grito desesperado por “Stella!” e […]


06 de julho de 2015, 12h34

Sense8: televisão militante

Eu gosto muito da Hollywood marxista dos irmãos Andy e Lana Wachowski. Matrix ainda resiste como uma pérola da ficção-científica mainstream. Apesar de suas duas continuações não serem muito apreciadas, o universo complexo que foi criado para a trilogia não esconde a inspiração nos conflitos básicos da sociedade capitalista. Gosto ainda mais, no entanto, quando […]


30 de junho de 2015, 08h34

“Um Lugar ao Sol”, “Pacific” e a classe média ridicularizada

  É muito interessante como se forma a cinefilia em um lugar que tem produzido cada vez mais filmes, e com um reconhecimento externo crescente, como é o caso de Pernambuco. A intenção cinéfila, sempre um movimento engajado por motivações estéticas, confronta-se com a presença próxima das figuras concretas que produzem os filmes quase sempre […]


25 de junho de 2015, 15h31

Jurassic World: passado e presente, por Pedro de Biasi

Existe uma dialética bastante hipnótica em Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros, sequência-re… (Reboot? Reconstrução? Refilmagem? Rebuceteio?) da obra-prima conjurada por Steven Spielberg. É fácil deixar a atenção se desviar dos frágeis efeitos visuais, dos sofridos diálogos, dos medonhos (vá lá) personagens e das paupérrimas sequências de ação quando se desenha, quase como subtexto, mas […]


16 de junho de 2015, 10h22

Sobre Pasolini e a Paixão de Viviany

Em uma matéria virtual, o G1 afirma que a releitura do martírio de Jesus Cristo interpretada pela modelo transexual Viviany Beleboni “chocou” parte das pessoas na Parada Gay de São Paulo do dia 7 de junho. A afirmação é potencialmente verdadeira, mas não escapa de ser burra e tendenciosa, como em quase todas as vezes […]


03 de junho de 2015, 09h23

A arte do crítico

              Oscar Wilde, figura essencial da antinostalgia vitoriana, tem um conto maravilhoso chamado O Retrato do Senhor W. H.. É a história de três intelectuais e a teoria literária de um deles, que, se provada, transformaria radicalmente a leitura hegemônica da obra de William Shakespeare. A teoria exposta em […]


02 de junho de 2015, 09h36

A ressaca pós-Mad Men: o sonho acabou, e você vai ficar bem, por Cecília Shamá

Não se pode repetir o passado – Nick Carraway. É claro que podemos. – Jay Gatsby. F. Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby. Quem mais poderia vender uma Coca-Cola para o mundo que não Don Draper? Ele é o homem que vendeu o mundo, afinal, como nos diz a voz de Bowie nos vídeos promocionais da […]


01 de junho de 2015, 11h04

Spielberg e um cinema de aventura perdido

Recentemente, alguns colegas ridicularizaram publicamente a ode ao cinema clássico americano, evidenciada nos elogios ao último filme de Clint Eastwood, Sniper Americano, acusando-a de ser politicamente alienada. O comentário gerou uma repercussão de troca de farpas e indiretas bem diretas. No meio de tudo isso, um amigo cinéfilo soltou o ótimo comentário “cada um tem […]


20 de maio de 2015, 09h59

“Então quem matou o mundo?”, por João Vítor Pessanha

  “Meu mundo é fogo e sangue” Uma das sacadas mais inteligentes do cineasta George Miller nesse novo Mad Max foi incorporar os 30 anos entre Thunderdome e Fury Road ao arco do personagem. Isolado por todo esse tempo, num mundo cada vez mais desesperado e impiedoso, ele se tornou um animal cujo único instinto […]


15 de maio de 2015, 09h26

A última conversa de Coutinho

  O filme-homenagem é uma desgraça conhecida. Tragicamente dividido entre a beleza e a conivência, às vezes, ao menos, consegue os dois. Em momentos ainda mais raros, perde a covardia que se considera admiração ao sujeito homenageado, e aí surgem grandes filmes. Últimas Conversas, de Eduardo Coutinho, é também um filme sobre Eduardo Coutinho. O […]