Milos Morpha

por Cesar Castanha

Entrevista exclusiva com Lula
31 de janeiro de 2014, 09h05

Quando Eu Era Vivo

Antônio Fagundes e Sandy Leah em Quando Eu Era Vivo

A busca por significados ocultos com o propósito de agregar valor a obras artísticas vem sido firmemente rechaçada pela teoria das artes e da crítica já há várias décadas — tal como no texto Contra a interpretação, de Susan Sontag. As discussões acadêmicas acerca disso parecem ter ecoado no vazio quando nos deparamos com resenhas insistentes na tentativa de decifrar um filme e simbologia de cada plano. Ora, dizer que Gravidade tem algo de interessante no que pode ser associado ao processo de gestação é perfeitamente aceitável (digo a mim, não acho que o seria para Sontag), mas tornar Gravidade um filme indissociável dos seus possíveis significados ocultos é um tanto mais preocupante no sentido da análise de uma obra.

Em dias seguidos desta semana, vi o documentário O Labirinto de Kubrick (Rodney Ascher, 2012), que aborda os easter eggs de O Iluminado (Stanley Kubrick, 1980), e o terror brasileiro Quando Eu Era Vivo (Marco Dutra, 2014). Como não tive o ímpeto de vê-lo até o final, dou a O Labirinto o benefício da dúvida de, durante o filme, desconstruir o discurso da primeira meia hora. Até aí, no entanto, ele se resume a uma lista filmada do Buzzfeed (considerando como as teorias em relação ao filme eram introduzidas, parecia também ser filmado peloBuzzfeed). A pergunta que assombra esse início de documentário é: “O que significa?”. O que significa o número na camisa de uma figurante? A revista lida por Jack Nicholson? Os enlatados na dispensa do hotel? Imagino ser realmente inevitável que, estando de várias formas tão próximo de Kubrick e O Iluminado, Quando Eu Era Vivo caísse vítima do mesmo tipo de questionamento.

O filme de Dutra já desperta certo interesse pela peculiaridade da premissa que impôs a si tanto quanto lhe foi imposta, a do filme de horror brasileiro com Antônio Fagundes e a artista pop (ela diz não seguir mais o rumo do gênero) Sandy. Somados a essas escolhas (que por si só já extraem alguns “Por quê?”) estão um roteiro e uma direção de arte que aparentam ter sido minuciosamente calculados, construindo uma sensação talvez intencional de tudo-está-ali-por-um-motivo.

Por Sontag e Oscar Wilde (“Somente as pessoas superficiais não julgam pelas aparências. O mistério do mundo está no visível, não no invisível”, disse o escritor), isento-me da responsabilidade de encontrar os motivos secretos de Dutra. O que no filme me tomou por completo, a parte que considero me caber melhor, é a construção estética do horror, ou melhor, a construção estética do mistério do horror. O fechamento sem solução é essencial ao tom que o filme constrói sobre si, é o horror pelo alcance de alguns símbolos do gênero, a tensão, o ocultismo, o medo do desconhecido. Quando Eu Era Vivo toma seu tempo para a consolidação do terror, para embasá-lo em um intenso drama familiar de abandono, loucura e estranhamento.

Para que se consiga essa intensidade e que ela se alie ao gênero, alguns momentos da direção se fazem essenciais. Como em todos os segmentos de filmagem VHS, a presença da mãe e o desenvolvimento da relação entre os irmãos — em uma brincadeira com o gênero, um irmão desafia o outro a ouvir vozes ocultas de atrás da parede. Nesse passado, a ausência do pai (Antônio Fagundes, absurdo) se faz muito fortemente sentida, assim como a presença do irmão mais novo, personagem que, quando entra em cena no presente (encarnado em Kiko Bertholini), está apenas esperando o fechamento de uma bela construção.

Mencionei parelelos com O Iluminado (já feitos, principalmente no que o protagonista, Marat Descartes, afirmou a importância de Nicholson para a sua composição) por como os dois filmes (Quando Eu Era Vivo talvez de forma mais contida) constrói o horror, conquistando o mistério e a não solução. Apesar de tudo, tenho certo apreço por essas tentativas de encontrar algo, pelo quanto é possível se extrair de um filme, ou de um objeto cênico de um filme, como um enlatado que faz referência à cultura indígena ou a cerâmica na forma da cabeça de um cachorro. São certas escolhas de objetos que, com possível pretensão, contribuem para a aura estética de um filme.

E a escolha por Sandy (ou de Sandy) é cereja por cima dessa cuidadosa construção estética. A sua inocência pede poucas expressões além de uma doçura evidente nos trejeitos e, principalmente, na voz. O seu canto ao final do filme tem força, acredito que foi, de tudo ali, o que mais me emocionou e puxou para aquele universo. Aliás, raro vi uso tão proveitoso de um elenco. Dutra conhece o material com o qual trabalha e usa as limitações e ilimitações de cada um a favor do filme. São vários os cuidados e nuances que não fazem falta apenas no horror, mas no cinema de gênero de forma geral.



Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags