sexta-feira, 25 set 2020
Publicidade

Quem ainda assiste…

Flash Foward? Depois de 4 dos 5 episódios na média para baixo e um único episódio descente eu ainda mantenho um fio de esperança pela série. Tudo pela Sonya Walger que é a única personagem interessante na série, convenhamos, pensando bem até a lésbica que eu elogiei no último post sobre a série é meio mala, culpa da atriz.

House? Se você parou volte a assistir AGORA, a série melhorou muito com a volta da velha equipe, muito mesmo.

Heroes? Se a resposta for sim então me responde, quantas vezes alguém já ressuscitou ou quantas vezes o mundo já foi completamente mudado na série? Alguém ainda acha que tem alguma importância as viagens para o futuro? Eles vão mudar tudo mesmo!

Trauma? Se sim, porque você faz isso com si mesmo?

The Biggest Loser? Um tremendo sucesso quando começou, agora fiquei surpreso se saber que a série tava na 8ª temporada. A pergunta é como?

Cesar Castanha
Cesar Castanha
Do encanto com os créditos de abertura de "Alice no País das Maravilhas", visto religiosamente sempre que exibido nas tardes de sábado pelo SBT, veio a paixão pelo cinema como experiência estética, transformadora e expressão de uma ideia, uma história ou do próprio experimento. Por amar o cinema para além dos padrões de qualidade impostos a ele pela mídia, por outras instituições e até por uma crítica datada, veio o meu amor por conversar sobre cinema, aderi-lo, defendê-lo, apropriar-me dele. O Milos Morpha é uma conversa sobre cinema. Aqui, o texto nunca é certo e definitivo. O cinema não é uma fórmula para que cada cineasta se aproxime da solução mais correta, é um conjunto de experiências artísticas que já dura mais de 100 anos, é dessa forma que criticamente percebemos e experimentamos o cinema no Milos Morpha.