terça-feira, 29 set 2020
Publicidade

The Imaginarium of Dr. Parnassus


Dirigido por Terry Gilliam, o grande gênio responsável por “Monty Phyton e o cálice sagrado”, “Brazil-o filme”, “12 macacos” e “Irmãos Grimm”, está prestes a lançar sua nova grande produção. Uma das maiores vantagens do filme é ter um roteiro original, coisa que Gilliam tira de letra. O filme ainda não tem data nem nome de estréia no Brasil. A história é sobre uma companhia de teatro viajante, dando a seus espectadores mais do que eles esperam… os personagens viajam através de mundos paralelos. A morte de Ledger atrasou bastante o lançamento do filme, esse foi o último gravado pelo ator, a última vez que o veremos na telona. O filme é ainda estrelado por Johnny Depp (Sweeney Todd, Em busca da terra do nunca, Piratas do Caribe), o já citado Heath Ledger (Batman – o cavaleiro das trevas, Brokeback Mountain), Jude Law (Cold Mountain, O Talentoso Ripley), Colin Farrel (Na Mira do Chefe). Todos interpretando o mesmo personagem e já disseram que doariam o dinheiro recebido para a filha de Ledger.

Cesar Castanha
Cesar Castanha
Do encanto com os créditos de abertura de "Alice no País das Maravilhas", visto religiosamente sempre que exibido nas tardes de sábado pelo SBT, veio a paixão pelo cinema como experiência estética, transformadora e expressão de uma ideia, uma história ou do próprio experimento. Por amar o cinema para além dos padrões de qualidade impostos a ele pela mídia, por outras instituições e até por uma crítica datada, veio o meu amor por conversar sobre cinema, aderi-lo, defendê-lo, apropriar-me dele. O Milos Morpha é uma conversa sobre cinema. Aqui, o texto nunca é certo e definitivo. O cinema não é uma fórmula para que cada cineasta se aproxime da solução mais correta, é um conjunto de experiências artísticas que já dura mais de 100 anos, é dessa forma que criticamente percebemos e experimentamos o cinema no Milos Morpha.