o colunista

por Cleber Lourenço

Fórum Educação
14 de Maio de 2020, 22h09

A articulação entre Bolsonaro e o centrão vai sobreviver ao vídeo de 22 de abril?

Leia na coluna de Cleber Lourenço: Ainda pode ser que o centrão permaneça ao lado do presidente, porém o acordo ficará mais caro e, quanto mais caro, mais gritante e difícil de esconder ficará a união que Bolsonaro tanto criticava em campanha

Bolsonaro assiste live com Roberto Jefferson (Reprodução/Twitter)

Há alguns meses eu escrevi que não poderíamos nos empolgar com Mourão como presidente da República, mesmo com suas constantes alfinetadas ao presidente. Infelizmente o artigo publicado hoje por Mourão colocou as Forças Armadas de forma quadrúpede ao governo Bolsonaro. Entre o país e Bolsonaro, eles escolheram de forma errada e isso custará caro.

Lembro aqui: nenhuma democracia saudável tem seus militares como atores políticos. Isso é característico das ditaduras, afinal de contas, quem dirige tanque, dispara foguete e tem fuzil, não faz análise de conjuntura, faz ameaça.

Isso não significa que irão colocar a mão no fogo pelo presidente, mas que já atingiram um ponto sem volta, onde não há mais como se desvincular do desgoverno de Jair Bolsonaro. Na avaliação deles, a missão agora é redução de danos.

Oras, se Bolsonaro estivesse com essa bola toda, não estaria desesperadamente mendigando uma base de sustentação para fugir de um impeachment e conseguir governar, seguindo à contragosto as orientações e a articulação iniciada pelos militares.

O que Mourão tentou ali é se colocar como o autoritário dos autoritários. Alfineta Bolsonaro, mas alfineta a imprensa, e a oposição também, enquanto a farda verde-oliva segue o comboio do precipício.

Foram os fardados os fiadores do acordo com o centrão e mesmo assim são enxotados pelo presidente, que disse em abril que não iria negociar com ninguém – um claro recado aos militares que até aquele momento ainda tinham apenas esboços das negociatas.

Não é por menos que líderes do bloco estão satisfeitos com os cargos. O sangue frio lhes permite serem achincalhados, porém os “peões” do bloco, não.

Brasília sabe que Bolsonaro não é confiável, basta ver a reforma da Previdência, os episódios envolvendo Gustavo Bebianno, Moro, Santos Cruz e Mandetta. Ou até mesmo a série de humilhações que Bolsonaro impôs aos militares, que apoiaram de forma quase que incondicional o governo. Seu histórico com quase 3 décadas na Câmara dos Deputados também não é nem um pouco louvável e, por fim, ainda há o rompimento com seu antigo partido, o PSL, que foi celebrado debaixo de muita baixaria.

É nesse alambrado fragilíssimo que Bolsonaro se apoia, e que pode ter sua resistência testada com a revelação da escabrosa reunião de 22 de abril onde o presidente fala abertamente sobre armar a população contra governadores e prefeitos (e por que não o STF também?) enquanto uma ministra defende que eles devam ir para a cadeia, e outro ministro fala palavrões para se referir aos ministros do Supremo.

Ainda pode ser que o centrão permaneça ao lado do presidente, porém o acordo ficará mais caro e, quanto mais caro, mais gritante e difícil de esconder ficará a união que Bolsonaro tanto criticava em campanha. Colocará no telão o estelionato eleitoral que cometeu já que, por diversas vezes, insuflou as hordas contra o tal centrão. Heleno mesmo fazia arruaça e piada com o grupo.

Em tempo:

O custo do centrão já está ficando salgado e pode custar a cabeça de um dos ministros mais queridos do bolsonarismo, Abraham Weintraub, que se recusa a colaborar com a nomeação de indicados do grupo político. O vídeo pode acabar colocando o preço necessário para a queda do ministro.

Enquanto isso, Moro chega de mãos dadas com 2022 e a extrema-direita que arrancou do Seu Jair.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum