A confusão criada pela própria Lava Jato

Leia na coluna de Cleber Lourenço: "Nessa disputa entre PGR e Lava Jato não existem mocinhos ou heróis"

Reprodução

Gritaria nas redes

O Procurador-Geral da República, Augusto Aras, está errado de fazer gritaria contra a Lava Jato nas redes? Está! O correto seria resolver a questão toda dentro do esquadro institucional.

Infelizmente ele fez a mesma coisa que a Lava Jato e Deltan Dallagnol fazem nas redes. Não deixa de ser um sinal do que é o espírito da época: pouco decoro e muita delinquência. Um oferecimento da “nova política”.

Punitivismo?

Acho engraçado ver o Ministro da Justiça falar sobre punitivismo ao atacar a Lava Jato, justo ele que faz parte do governo do “bandido bom é bandido morto”. Menção (des)honrosa para o dossiê que o seu Ministério produziu para perseguir antifascistas, uma espécie de macarthismo do novo século.

E mais engraçado é ver o Aras falando disso enquanto operações chutam o balde indo direto nas residências oficiais de governadores e políticos.

E as condenações?

Falar que o número de condenações na Lava Jato é sinônimo de qualidade da operação é ignorância ou má fé. Quantas dessas condenações respeitaram o sistema acusatório?

Não estou aqui questionando se os condenados são culpados ou não, podem e até devem ser.

Toffoli aparece com a vacina

Em tempos onde a covid-19 toma os noticiários juntamente com as diversas pesquisas pela sua vacina, Toffoli apresenta a vacina para um outro problema grave e que, inclusive, nos empurrou para o descalabro sanitário que vivemos.

Antes mais tarde, do que mais tarde ainda!

Ainda hoje o ministro pediu, no CNJ, que o Congresso aprove prazo de 8 anos fora do cargo para juiz se candidatar em eleições e ainda provocou um queridinho da mídia: “A imprensa começa a incensar determinado magistrado e já se vê candidato a presidente da República”. Faltou apenas estender a medida para qualquer tribunal.

Nem tudo é simples

Há o que se desconfiar em Augusto Aras, principalmente por suas aproximações indevidas com o presidente e quando age como uma espécie de AGU.

Mas também não há como negar que a bagunça da Lava Jato precisa acabar e, principalmente, precisamos disciplinar o combate à corrupção.

Nessa disputa entre PGR e Lava Jato não existem mocinhos ou heróis, é preciso atenção também para que a Lava Jato não mude apenas de endereço e vá do MPF de Curitiba para a PGR de Brasília. Mas vale lembrar que tudo isso não teria acontecido se um juiz não tivesse grampeado uma presidente em exercício, mandado para a cadeia o primeiro colocado nas pesquisas eleitorais, vazado delação prejudicando o substituto e entrando para o governo do principal oponente do candidato preso.

E ainda vou além. Se o CNJ desde o começo tivesse punido o juiz que orientou uma das partes, se o CNMP tivesse coibido a autopromoção indevida dos procuradores e punido o acordo de leniência escabroso que previa panfletagem política pró-lavatismo em um pedágio, certamente as coisas seriam melhores agora.

Em resumo, se todo mundo respeitasse o devido processo penal e o sistema acusatório, hoje seríamos um país melhor.

Mas se você ainda não se satisfaz com isso, volte mais algumas casa e vá para 2013 e cobre o Congresso, que cedeu para a gritaria e ameaças do MP e enterrou a PEC 37.

As 10 medidas contra a corrupção deram voz, palanque e plataforma para o que há de pior na política brasileira.

A delinquência em Brasília mudou de nome ainda em 2018 e desde então se chama nova política.

Destruam a nova política antes que ela destrua o país!

Novo formato

Espero que tenham gostem desse novo formato mais rápido e “provocativo”. Vou tentar mesclar entre minhas colunas habituais sobre um tema em específico e também com essas “rapidinhas” sobre política.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum

Este post foi modificado pela última vez em 29 jul 2020 - 20:43 20:43

Cleber Lourenço: Não acho que o debate politico e o jornalismo precisem distribuir informação de forma fria e distante dos leitores, notícias são somente úteis no contexto do cotidiano e é nisso que acredito. E-mail: cleber@ocolunista.com.br