o colunista

por Cleber Lourenço

O que o brasileiro pensa?
16 de julho de 2020, 23h11

A Lava Jato está abrindo caminho para 2022?

"Não se pode enfrentar o cometimento de crimes violando-se a lei, sob pena de o Estado igualar-se àqueles que pretende investigar e processar."

Procuradores da Lava Jato (Reprodução)

A última revelação da Vaza Jato expôs a aliança indevida do FBI com a Lava Jato, colocando a operação em maus lençóis.

A atuação causou, inclusive, uma reação dentro do Ministério Público. O Coletivo Transforma MP, publicou uma nota onde afirma que ‘desde o começo da chamada “Operação Lava-Jato”, importantes e conceituados juristas alertaram para o risco de se fazer do necessário “combate à corrupção” uma cruzada inconsequente. Não se pode enfrentar o cometimento de crimes violando-se a lei, sob pena de o Estado igualar-se àqueles que pretende investigar e processar. A atuação estatal somente é válida e legítima se observar de maneira rigorosa as formalidades legais, sob pena de todo o trabalho desenvolvido tornar-se imprestável’.

Com isso, o debate sobre a índole da operação ficou sob o olhar da desconfiança (novamente). Na semana passada eu já havia apontado que o Partido Lavajatista havia lançado o seu Manifesto de Julho, tal qual como os Integralistas com o seu Manifesto de Outubro em 1932.

O “manifesto” era uma clara declaração de intenções eleitorais do “partidão”, elencando inclusive seu inimigo pós-pt, sim, Jair Bolsonaro.

Longe de mim defender Jair Bolsonaro, tenho ojeriza a tudo que ele defende e representa, mas isso não me impede de fazer alguns questionamentos lógicos.

Quais informações a lava jato teria sobre o presidente ou o seu entorno? Como a Lava Jato poderia prejudicar Bolsonaro a ponto de ele querer atacar a operação? Até hoje Bolsonaro não teve qualquer tipo de envolvimento revelado, nosso presidente está longe da Petrobras e próximo de um posto de gasolina. Não faz sentido.

Em menos de um mês o “partido” atingiu mais o PSDB do que fez em 6 anos. Começamos julho com uma operação contra José Serra e agora chegamos no meio do mês A Lava Jato em São Paulo indiciando Geraldo Alckmin por suspeita de lavagem de dinheiro, caixa 2 e corrupção.

Em 2018, conseguimos assistir a candidatura de Geraldo Alckmin derreter, os “vazamentos” da Lava Jato e o Joesley Day foram os catalizadores.

E essa onda antipolítica que infelizmente ainda assola e promove a ignorância entre a sociedade brasileira poderá fortalecer ainda mais Moro e Bolsonaro na disputa da extrema-direita ao segundo turno de 2022.

E assim chegamos na segunda metade de 2020 com o Partido Lavajatista atropelando dois virtuais oponentes de Sergio Moro em 2022, Bolsonaro e Doria.

Dessa vez cabe notar que não houve nenhum “vazamento” conveniente, ou linchamento midiático com coletivas e power point.

Tudo feito na mais perfeita cordialidade e dentro do que deveria ter ocorrido também com outros políticos que são alvos do grupo. Respeito pela legalidade.

Longe e mim fazer acusações levianas, mas fico curioso em saber se por acaso a Lava Jato não estaria limpando o caminho para 2022.

Estariam aguardando formação das chapas da esquerda para o ataque? Assim como foi em 2018?

Se Witzel, Zema e Doria não se unirem, Moro e Bolsonaro vão passar e jogá-los para fora do campo.

Quem será o próximo alvo do partido?

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum