o colunista

por Cleber Lourenço

O que o brasileiro pensa?
29 de junho de 2020, 23h23

A Lava Jato segue acima da lei e Moro segue em campanha mais do que nunca

Confira a análise de Cleber Lourenço

Procuradores da Lava Jato em pose para a Veja (Arquivo)

Na semana passada eu já havia pontuado o legado da lava jato ao país: a delinquência institucional. Acontece que a força-tarefa da operação não só reafirmou tudo o que eu disse como foi mais além!

Irei tentar resumir o imbróglio entre a Lava jato e a PGR de forma simples. Imagina que você tenha um chefe e que você como subordinado diga que ele/a não pode ter acesso aos dados das equipes que ele mesmo chefia.

Entende o absurdo disso? A coordenadora do (autointitulado) grupo de trabalho da lava jato na PGR esteve em Curitiba para reuniões com integrantes da força-tarefa no Paraná e nada além.

Caro leitor, peço que deixe suas paixões de lado, a coordenadora faz parte do grupo do PGR Augusto Aras (travestido de AGU)? Sim! Mas de forma alguma isso justifica o alvoroço causado pelo grupo.

Já faz mais de 5 anos que todos os membros do grupo se julguem acima do bem e do mal. A mensagem que deixam é clara: não devem esclarecimentos sobre os sistemas de grampo e escutas avaliados em 1 milhão de reais desaparecidos, tampouco pelo estridente uso político de recursos públicos.

Outro ponto, é obrigação da PGR saber o que ocorre na lava jato. A Lava jato é do Ministério Público e eles estão sujeitos à PGR. A lava jato até hoje não explicou o motivo de “estocar” mais de mil procedimentos de investigação entre outros descalabros.

A verdade é que a operação virou uma bagunça e não é de hoje, desde o ano passado quando comecei esta coluna eu já pontuava que a lava jato é um partido sem legenda.

A visita que causou a tal discórdia, foi, segundo a PGR, previamente agendada, há cerca de um mês, e segundo uma nota oficial “foi uma visita de trabalho que visava a obtenção de informações globais sobre o atual estágio das investigações”.

Quer mais motivos para investigar e “fiscalizar” a operação? A ‘turma’ já tentou abocanhar bilhões da Petrobras, promoveram panfletagem em pedágios e se tornaram Youtubers, começo a ver que erramos como sociedade quando falamos um retumbante “não” para a PEC 37.

Sobre a ‘panfletagem’ eu ainda disse em agosto do ano passado:

(…) a concessionária Rodonorte, que opera parte do pedágio nas rodovias do Paraná, firmou um acordo de leniência com o Ministério Público Federal. Além do “desconto” de 30% na tarifa, a empresa terá que veicular uma propaganda da Lava Jato. A propaganda que será entregue terá o seguinte texto:

“O valor do pedágio foi reduzido em 30% [ou percentual aplicado no momento] porque recursos provenientes de corrupção foram recuperados pela Operação Lava Jato e aplicados em benefício do usuário”.

Onde isso já ocorreu na história do país? Quando?!

Tem algo mais absurdo que isso? Uma ação velada de panfletagem! Típica de propaganda eleitoral partidária!

O problema no Brasil é que até o combate contra a corrupção é corrupto.

E vejam como não há como errar quando o assunto e lava jato e sua índole! Na semana passada eu comentei sobre como Moro se manteria na mídia depois de sair do governo e não ter como gerar mais fatos de interesse público. Afinal de contas, ele flagrantemente sempre buscou chegar em 2022.

Quem foi “socorrer” a turma de Curitiba? Ele mesmo, Moro e ele não parou por aí! Em seu perfil no Twitter ele declarou:

“Aparentemente, vivemos uma fase anti-lava jato e contra o que ela representa. Não seria melhor o País focar em agendas  anticovid, antidesemprego e anticorrupção, como recomenda o artigo?”.

Depois decidiu provocar o governo com a PEC da prisão em segunda instância, perguntando se o governo Bolsonaro apoia a PEC. Uma clara provocação ao estado em que se encontram apoiadores e até mesmo filhos do presidente.

Nota: uma PEC não pode alterar uma cláusula pétrea e esse ponto em específico já é um debate superado pelo meio jurídico brasileiro.

Moro já dois anos à frente do resto do país e começa um flagrante campanha. E a quem serviu a cizânia de Curitiba com Brasília? Isso mesmo! Para Moro e seu partido se cacifarem, conseguirem alguns minutos de fama.

E por fim! Gostaria de sublinhar a infantilidade do nosso presidenciável que diz que vivemos uma “fase anti-lava jato”. O que ele quer dizer com isso?

É um melindre de um grupo que perder uma relevância política e agora decidiu se colocar no papel de vítima, é mera birra por atenção, por capa de jornal.

Mais uma vez reafirmo aqui:

O maior culpado pela derrocada brasileira é a Lava Jato.

*Este artigo não representa, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum