o colunista

por Cleber Lourenço

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de julho de 2019, 06h00

A morte virou política de Estado

Cleber Lourenço: “Não sei vocês, mas estou começando a acreditar que matar pobre de maneira indiscriminada virou política oficial de Estado”

Foto: Reprodução/Instagram Jair Bolsonaro

Se antes o Estado era responsável pela ordem e segurança de uma sociedade, pelo menos no Brasil, agora passará a ser causa de morte.

E é nisso que o movimento conhecido como bolsonarismo transformou o Brasil: em um grande grupo de extermínio.

Você pode escolher: doente, baleado, abandonado, perseguido, envenenado ou atropelado. A lista é extensa e os promotores dessa barbaridade são sádicos.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Só este ano o estado e seus agentes já defenderam:

– Invasão de casas de cidadãos sem mandado de busca

– Cortaram remédios de distribuição gratuita

– Porte de armas de grosso calibre para cidadãos comuns

– Fim do programa Mais Médicos

– Liberação de mais de 200 agrotóxicos

– Um suposto pacote anticrime que na verdade só iria legalizar a barbaridade no Brasil

Achou pouco? Bem, em qualquer sociedade minimamente civilizada cidadãos e parlamentares estariam perplexos com o pacote de loucuras proposto e feito por membros do Executivo.

Infelizmente, aqui é diferente. Não paramos este país quando uma vereadora foi assassinada por milicianos, não paramos quando membros do Exército brasileiro alvejou e assassinou dois civis. Tudo isso passou…

Sob o pretexto de ser um “ato transitório“, o governo deliberadamente cortou fabricação de remédios gratuitos para câncer, diabetes e transplantes, colocando em risco mais de 30 milhões de brasileiros que dependem dos 19 remédios.

E a troco de quê? De nada! Nenhum motivo minimamente razoável.

Enquanto isso, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, defende que a polícia entre em casas sem mandado. Com a maior desfaçatez justificou que a possibilidade de encontrar armas e drogas em qualquer residência é alta. Basicamente, colocou um alvo nas costas de cada trabalhador humilde que more em alguma comunidade. Desprezível.

O mesmo Witzel, que defende o uso de atiradores de elite em um estado onde a polícia já assassinou cidadãos ao confundirem sacos de pipoca, guarda-chuvas, skates, furadeiras e estudantes uniformizados com armadas e bandidos.

Tudo em um país onde o ministro da Justiça está enrolado até o pescoço em denúncias de corrupção e ataques ao Estado Democrático de Direito, que defende um pacote “anticrime” (que chamo de pró-barbaridade), o qual se propõe mudança na legislação sobre a excludente de ilicitude (perdão de punição) em casos em que o Judiciário entender que houve legítima defesa. Não preciso nem dizer que isso só concorre para o aumento da violência policial. O pacote ainda protege o policial de qualquer processo, caso cometa excessos.

Em um país no qual estamos chegando a um terço dos homicídios sendo praticados pelas próprias forças de segurança, onde já não há investigação, não há prestação de denúncia pelo Ministério Público, que lava as mãos, e cuja atitude é aplaudida pelo Judiciário e agora também pelo presidente do país.

O pacote ainda propõe o chamado “plea bargain”, importada diretamente do judiciário norte-americano, no qual o Ministério Público ganha mais poderes para negociar diretamente com o acusado. O objetivo do mecanismo é pular o curso normal do trâmite judicial, oferecendo ao acusado a opção de, assumindo a culpa, negociar uma pena menor. De quebra, o Ministério Público não precisará produzir mais provas para comprovar a acusação.

Ou seja, forçar o trabalhador e o humilde a confessarem um crime que não cometeram para pegar uma pena menor. Encarceramento em massa!

Além disso, ainda temos quantidades absurdas de agrotóxicos liberados pelo governo. Desde janeiro 2019, o governo Bolsonaro publicou a aprovação de 239 novos produtos agrotóxicos. Existem hoje 2.305 produtos agrotóxicos comercializados em todo o Brasil.

Ainda temos milhões de brasileiros no interior do país sem qualquer tipo de amparo médico, desde que o governo decidiu implodir o programa.

E ainda temos os psicopatas apoiadores do governo, que matam sem nenhum remorso. Nesta quinta-feira (18) um senhor foi atropelado e assassinado por um motorista. Seu crime? Pertencer ao Movimento dos Sem Terra (MST).

Temos um presidente que com o dedo em riste afirmou que se possível irá beneficiar seus filhos, sim!

Será que as hordas da insensatez, quando olham familiares desempregados, isso quando não são eles os desempregados, a filha reprovando no vestibular, o negócio da família falindo, escutam o presidente dizendo “eu vou beneficiar meu filho, sim!”. Será que comemoram? Ou até os vassalos da truculência têm limite?

Não sei vocês, mas estou começando a acreditar que matar pobre de maneira indiscriminada virou política oficial de Estado.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum