o colunista

por Cleber Lourenço

Fórum Educação
11 de fevereiro de 2020, 22h32

Baixaria sexual, Hans River e ataque contra jornalista para esconder o cadáver miliciano

Leia na coluna de Cleber Lourenço: "Hans River levantou a bola e o bolsonarismo adorou. Nada como um barraco com baixaria sexual envolvendo uma mulher para desviar o foco da suspeita morte de Adriano Magalhães"

Reprodução

Infelizmente, mais uma vez, a Folha viveu a fábula do sapo e do escorpião. Se por um lado o jornal aplaude os descalabros de Paulo Guedes e, assim, chancela os absurdos do governo Bolsonaro, por outro sofre com desvairados e delinquentes apoiadores do governo.

A baixaria generalizada envolvendo a jornalista Patrícia Campos Mello dispensa comentários. Um show de obscenidades e machismo que o Congresso jamais deveria ter permitido que acontecesse dentro de suas paredes. Uma degradação da civilidade e da moralidade que ilustra perfeitamente a perversão que a suposta “nova política” causa ao país.

Já avisei aqui outras vezes: precisamos acabar com a nova política antes que ela acabe com o país.

Acontece que Hans River levantou a bola e o bolsonarismo adorou.

Nada como um barraco com baixaria sexual envolvendo uma mulher para desviar o foco da suspeita morte de Adriano Magalhães e os misteriosos fatos.

Tudo, é claro, com o patrocínio do deputado Eduardo Bolsonaro. E sua tropa de delinquentes não perderam tempo.

O deputado Márcio Jerry, inclusive, ressaltou também que a baixaria tinha como objetivo desviar a atenção da opinião pública.

Tudo isso no dia em que foi evidenciada a diferença de uma mesma pistola supostamente apreendida com Adriano Magalhães, em diferentes fotos.

A baixaria vem também na mesma semana em que o país se pergunta o que Eduardo Bolsonaro fazia em Salvador, a quatro horas de distância da cidade onde o miliciano, amigo de seu irmão, foi morto.

Tudo isso sob a trilha sonora do retumbante silêncio do ministro da Justiça Sérgio Moro.

Gostaria também de deixar claro que este blog foi o primeiro a apontar tais estranhezas.

É claro que depois de apontadas as inconsistências na operação que matou o miliciano, a milícia digital iria tentar desviar o foco usando baixaria. Óbvio que contra uma mulher.

Decidiram ofuscar tudo com machismo.

É meu dever como jornalista não deixar que tais estranhezas saiam de foco por conta de polêmicas colocadas de forma tão vil.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum